Páginas

sexta-feira, 1 de julho de 2011

A Maçonaria nunca existiu

Em 1976, Eduardo Lourenço, o nosso pensador mais proeminente da modernidade, publicou um livro com o título irónico que lhe deu corpo. Passados uns anos, já achava que afinal não seria tanto assim, porque Mussolini patati e Franco patata.

Com as agremiações secretas que temos, estamos quase no mesmo registo sonoro. A Maçonaria em Portugal é uma entidade abstracta. Se perguntarem directamente a alguns dos nomes abaixo mencionados na revista Sábado desta semana ( clicar para ler), a sua pertença a lojas como a Universalis, negarão veementemente, como Guilherme Silva no outro dia na A.R. negou a influência da Maçonaria na eleição frustrada de Fernando Nobre.
De resto, para que servem tais lojas? Para abrir portas, voilà! E pequenos mundos a neófitos do arrivismo.

30 comentários:

Wegie disse...

O Costa Pinto!! Estes gajos apanham-me sempre a cagar! Eu sou um naif...

josé disse...

Por falar nessa escatologia vou publicar outra mais específica...

Floribundus disse...

o meu diário maçónico é impublicável mas fica em arquivo público
tal como os meus livros noutras linguas

da maçonaria a 'quatro patas' direi que se integram no poderoso loby 'cu arrebentado'.
um deles é tão delicado que pede desculpa de estar de costas.

Wegie disse...

Sobre Eduardo Lourenço cito só aquilo que Vitorino Magalhães Godinho um dia me disse: "Foi o meu pior aluno. Não tem um pingo de inteligência."

Wegie disse...

Eu estou a olhar com mais atenção para os nomes da loja e cada vez descubro mais gente que conheço pessoalmente. Mas afinal isto é uma loja de quê? Não é o GOL. E da outra que diz que é regular? Isto é tudo uma grande confusão para mim.

Estou habituado a almoçar num templo da maçonaria aqui do Porto com maçons assumidos (todos juizes e MP's) mas aquilo é tudo GOL.

zazie disse...

ahahahahahaha

Eu também fico parva só de imaginar essa malta toda mascarada.

A quantidade de gente dada a questões de ética e irmandade. Quem havia de dizer...

zazie disse...

Estes são mais recentes.

Wegie disse...

O Helder Santos, catedrático do ISCSP, foi o reu daquele processo que referi...

Wegie disse...

Fez uma Phd sobre o Irão em que abre com um monumental retrato da Fara-Diva na pag. seguinte outro do Xá, e na outra do Khomeiny. A seguir reproduz notícias de jornais até ao fim. LOL!!!

zazie disse...

O que eu achei mais piada foi o rabino maçon.

ehehee Imaginas um tipo daqueles, gordalhão, com avental e kippah ao mesmo tempo que enrola as filactérias e jura pelo bode?

":O)))))))

zazie disse...

Estás a brincar

aahahhahaha

Wegie disse...

Não estou não.

Wegie disse...

Ele também é muito ligado aos sheiks da mesquita de Lisboa como o Munir a quem arranja umas aulitas no ISCSP. Se calhar o sheik também pertence à loja conjuntamente com o rabino.

zazie disse...

ahahahahahaha

Um de cu para baixo, outro de cu para cima.

Wegie disse...

Aliás o José que tem aquela sanha contra o ISCTE (aqui representado pelo Reto) devia prestar mais atenção ao ISCSP.

josé disse...

Não posso assanhar-me de mais...

josé disse...

Demais. E demais a mais façanhudo qb.

hajapachorra disse...

Numa pacata cidade de 'província' há 10 anos havia 2 lojas, hoje há 11, onze! O anticlericalismo ainda une os mais avinagrados e estúpidos, mas agora o que cimenta aquela trampa é mesmo o cimento, o carcanhol, o graveto. Um máfia.

Wegie disse...

Essa coisa do anticlericalismo não é assim em toda a parte.

No templo maçónico que frequento, o Ateneu Comercial do Porto, parte das instalações foram cedidas às Irmãs Vicentinas. Cujas refeições são elaboradas na mesma cozinha. Quem for maçónico vai comer ao restaurante do Ateneu. Quem for Católico vai às Vicentinas. Em teoria. porque na prática toda a gente vai aos dois.

Wegie disse...

Se calhar a maçonaria do Porto é diferente.

zazie disse...

Tenho ideia que elas vieram com a revolução liberal e a maçonaria teísta também.

Wegie disse...

Sim. E as Franciscanas que também são protegés da maçonaria. Cf. A História das Franciscanas em Portugal feita por um maçon Fernando de Sousa por encomenda da Superiora.

Wegie disse...

Depois aqui no Porto são abundantes as alianças maçónico-Opus Dei para o controle de muitas coisas. As panelas são indistintas...

zazie disse...

O Alexandre Herculano até se passou com isso e dizia que tinham importado analfabetas francesas para darem aulas.

":O)))))

Isso da Opus e maçonaria juntas é que não sabia.

Daí, o que mais gosto é mesmo da confraria do S. Gonçalinho de Amarante.

Wegie disse...

Essa é mais popular em Aveiro. S.Gonçalo é um Santo Cagaréu.

zazie disse...

Gosto muito desse tipo de santinhos e ainda mais das confrarias populares, perfeitamente inofensivas.

Wegie disse...

Subscrevo totalmente.

Wegie disse...

Já viste esta?

Manuela Moura Guedes tinha contrato redigido, tinha cartão de entrada na SIC e tinha um jornalista da estação a trabalhar com ela quando o dono da estação decidiu vetar a sua contratação.

Eu até nunca fui fã do estilo dela. Mas esta sacanice a somar à outra na TVI é demais.

Camilo disse...

Pois... aos poucos, as crónicas que vou lendo (e me deixam perplexo pelas posições escritas)... vou-as percebendo melhor...!
(Em 1967... certos "artistas" tinham outras ideias)...

hajapachorra disse...

Sim, no Porto essa aliança elege reitores... Já a confraria do bacalhau está tomada pois dinheiro não tem cheiro, explicava o bom do Vespasiano ao seu rapaz. No Porto será diferente porque aí já não graveto, as abrantinas, lenas, martifer, opcas, motas, tecnovias, estão noutros sítios. O Porto, tirando a bola, não conta. E o gajedo do avental sabe isso muito bem.