Páginas

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

o advogado do diabo

Maria de Lurdes Rodrigues e João Pedroso, para além de outras pessoas com cargos dirigentes no Ministério da Educação, no tempo em que aquela foi ministra, foram acusados pelo Ministério Público e agora pronunciadas por um tribunal, pelo crime de prevaricação.
Segundo o Público de hoje, os factos são relativos a adjudicações directas de vários contratos entre 2005 e 2007, ao arguido João Pedroso, com violação de regras do regime de contratação pública para aquisição de bens e serviços. Esses, os elementos objectivos. Os subjectivos, dizia então o Ministério Público que acusou e diz agora o juiz que pronunciou, traduzem a ausência de fundamento para tal e através de um meio ilícito de beneficiar patrimonialmente o arguido professor com prejuízo para o erário público, com pleno conhecimento de tal circunstância, pelos arguidos. Portanto, um dolo directo e necessário. Uma gravidade imputada que só pode desembocar numa condenação quase de preceito. Em pena de prisão, logo se verá.

Ainda assim, Vital Moreira, habitual defensor do vínculo, continua na sua causa: inocente, a ministra, porque "acusar um ministro por adjudicação directa de uma prestação de serviços, que a lei permite, por supostamente ter tido a intenção de beneficiar financeiramente o escolhido, não lembra ao diabo."
Assim tal e qual no seu escrito em que imputa despudoradamente ao Ministério Público uma intenção de ignomínia: "Mas lembra a um Ministério Público disposto a instrumentalizar politicamente a Justiça."
Esquece Vital Moreira uma coisa simples: a tal ministra e os restantes arguidos foram "pronunciados". Não foi o Ministério Público quem os pronunciou depois de ter articulado uma acusação que "não lembra ao diabo": foi um juiz de instrução que se dispôs a fazer o papel de advogado do diabo. E foi o poder judicial, assim, a "instrumentalizar politicamente a justiça."
Vital continua a senda das faenas e a fazer figuras destas.

Aditamento:

Vital Moreira, para além da figura em que vilipendia o Ministério Público, demonstrando um conhecimento particular de processo penal de que já havia dado provas no tempo do processo Casa Pia, mostra o seu nojo particular no postal anterior pelo facto de o jornal Correio da Manhã andar em campanha de "denegrimento" de José Magalhães, seu comparsa político ( foi comunista, tem sido socialista e tem sido um particular inimigo da magistratura que perseguiu sem descanso, tudo características que ambos partilham).
O jornal escreveu que José Magalhães se ausentou do país e " tem uma casa no Brasil, numa zona de praia paradisíaca, no estado da Bahia".
Vital Moreira acha esta notícia um "denegrimento" daquela excelsa figura maçónica porque "A luxuosa casa em que ele alegadamente vive no Brasil não é luxuosa (eu conheço-a!) nem sequer é propriedade sua... "
Na notícia escreve-se que José Magalhães "detém 50% de uma moradia situada em Ponta do Ramo, zona das Praias do Norte, em Ilhéus, na Bahia."
Portanto, a casa não é dele. É apenas metade...e quanto a luxo, Vital assegura, porque já lá esteve, que "não é luxuosa". Deve ser também metade...
Vital Moreira, como é costume, conta meia verdade para denunciar uma mentira. Putativa, ainda por cima.

4 comentários:

hajapachorra disse...

O Joãozinho ainda pensa que está na Prakistão, que é tudo nosso.

Flash Gordo disse...

Hoje na SIC, pouco antes das 13h, estava em título a frase "Carlos Cruz: inocente ou culpado?". Poucos segundos depois, a apresentadora anunciava para logo à tarde mais uma operação de limpeza, a apresentar por uma colega, com o dito. Esta justiça de rua está a tornar-se numa praga.

Gomez disse...

Há apelidos que parecem rimar com "cabala" ... quando vêm à baila aparece logo um defensor da teoria da dita.
É deplorável que alguém com as responsabilidades de Vital Moreira se permita fazer uma acusação com este teor, em termos meramente conclusivos, sem a fundamentar minimamente e omitindo até que se tratou de pronúncia.
Quanto á substãncia do caso, como sempre, esperarei pela decisão final.
Parece que, neste caso, o Dr. Marinho e Pinto vai fazer o mesmo (ainda não o ouvi comentar).

hajapachorra disse...

O lojista Vital defende fraternalmente o lojista Magalhães. Esses gajos de comunas só retiveram os tiques da prepotência porque afinal sempre estiveram onde... estava a dar. Agora dá no ramo do ósculo proctótico.