Páginas

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Uma boa notícia, para começar o ano

R.R.:

Pela primeira vez desde 1960, quando começaram a haver estatísticas deste género, o número de vítimas mortais nas estradas portuguesas ficou abaixo das 700, mais concretamente 690. Apesar de alguns períodos mais negativos ao longo do ano, 2011 registou resultados históricos na sinistralidade rodoviária.

Pode ser apenas uma tendência ou um fenómeno passageiro. Espero que não e estou convencido que é para ficar, porque se conduz melhor e mais devagar nas estradas portuguesas, por razões várias e algumas delas ligadas ao essencial da questão: segurança rodoviária. As razões do fenómeno, essas, parece-me que se ficam a dever a uma consciência cívica mais apurada e para o que tem contribuído, em grau elevado, a meu ver, a publicidade aos acidentes trágicos e mortais. Os media fizeram o que as instâncias de governo não conseguiram fazer.

4 comentários:

Lura do Grilo disse...

Acho que talvez devido a maiores mecanismos de segurança dos automóveis

Gallagher disse...

Não é verdade que o tráfego rodoviário diminuiu substancialmente?

Nunca li uma única estatística tão básica como a relação
nº de acidentes rodoviários / tráfego.

AAA disse...

Concordo com o Gallagher. A principal razão estará na descida significativa do tráfego automóvel.

Carlos disse...

Este resultado ainda vai servir para a defesa do Vara.

Alegando a seriedade e competência do arguido, conforme se poderá verificar pelos resultados, agora conhecidos, do trabalho feito pela Fundação para a Prevenção Rodóviária. Ah,ah,ah!...

O ZéBoné, ainda aqui virá dar o toque.