Páginas

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

O verdadeiro filósofo é o que só sabe que nada sabe

Este sabe muito e é por isso mesmo que vai ensinar. No ISCTE, claro. Quem não tem Sciences Po caça com um...ISCTE.
Quem sabe, faz; quem não sabe...ensina, lá diz o povo, mas neste caso a regra comporta excepção, porque não podendo fazer, como até aqui, dedica-se ao ensino de uma disciplina inovadora: a avaliação das políticas públicas!
O dito poderia começar por ensinar como foram aqueles anos de intensa actividade assessórica junto de um primeiro-ministro inenarrável. De tal modo que na última campanha eleitoral andava no carro oficial do mesmo. Já agora, a fazer o quê? A assessorar informática? Consta que o assessorado é um infoexcluído que nem um magalhães domina.
E já agora se não for pedir muito, poderia explicar o caso Silva Carvalho. Aposto que neste caso não era preciso ensinar nada que não se saiba já.



José Almeida Ribeiro vai trocar a vida de espião pela vida de professor, a tempo inteiro, no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

O Diário Económico sabe que o ex-secretário de Estado Adjunto de José Sócrates foi requisitado por esta universidade ao SIED, o serviço de Informações Estratégicas de Defesa onde exercia actualmente funções.

Almeida Ribeiro vai estar ligado à Escola de Sociologia e Políticas Públicas, que será a primeira escola em Portugal dedicada à avaliação e monitorização das principais políticas públicas. Para além disso, é intenção desta universidade que este professor venha a dar aulas em algumas das áreas onde acumulou uma larga experiência nos últimos anos.

Formado em Filosofia, José de Almeida Ribeiro estudou ainda Ciência Política e entrou na política pela mão de Manuel Maria Carrilho, tendo sido seu chefe de gabinete no ministério da Cultura. Já com José Sócrates como primeiro-ministro regressou à primeira linha da política como assessor político do chefe de Governo entre 2005 e 2009.

Mais tarde, já no segundo Governo de Sócrates acabou por ser promovido a secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro. Após as últimas eleições em vez de regressar ao seu lugar de origem no SIS (serviço de informações de segurança), optou por pedir transferência para o SIED. Por poucos meses, estando agora a caminho do ISCTE.

3 comentários:

Karocha disse...

LoooLLLL José

Bem verdade,o povo lá sabe e muito bem o que diz!

Floribundus disse...

no iscte há um depósito de ratos de vários tamanhos e formatos

pie disse...

O que me surpreende no ISCTE é a quantidade de dinheiro que a FLAD lá despeja. Ele é salários de professores, ele é eventos variados, ele é coffee-breaks (que é o que se aproveita no meio daquilo tudo).

Nã sei porquê.

Se caísse um boeing em cima do ISCTE, o PS entrava imediatamente na terceira idade (ficava sem boys nem girls).