Páginas

domingo, 4 de março de 2012

Ricardo Rodrigues, claro

R.R.

O presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público acusa a Assembleia da República de “falta de critério na escolha de representantes para cargos da área da justiça”.

João Palma reafirma que a justiça está em crise, acrescentando que para isso contribuem decisões e escolhas dos parlamentares. “A Assembleia da República pode contribuir para a credibilização da justiça ou para o seu contrário”, disse.

É preciso descodificar: João Palma refere a autêntica vergonha que foi a designação de Ricardo Rodrigues, o mão leve dos gravadores que vai ser julgado em breve, para a administração da escola de magistrados, o CEJ.

2 comentários:

Mani Pulite disse...

Para meu muito grande espanto fiquei a saber que essa instituição de formação está repleta de jovens adolescentes menores de 14 anos,uma espécie de Casa Pia jurídica.Só assim se consegue explicar a clarividente nomeação de um Farfalhudo para lá.De pequenino se torce o pepino.

Floribundus disse...

vai ensinar 'gamanço'