Páginas

terça-feira, 22 de maio de 2012

Jorge Coelho já fala de alto...


Económico:

Não estou arrependido de nenhuma decisão [que tomei enquanto exerci funções governativas], de nenhuma delas", afirmou Jorge Coelho, que falava na Hora H, uma iniciativa do Jornal de Negócios.
O gestor afirmou que todas as decisões que tomou enquanto foi membro do governo foram estudadas e avançaram com o "enquadramento correcto".
Jorge Coelho disse que tem estudado as obras que foram lançadas enquanto era ministro, porque deverá ser chamado para responder às questões dos deputados da comissão de inquérito às Parcerias Público-Privadas (PPP).
"Tudo o que estudei até o momento, fiz bem e com o enquadramento correcto", afirmou, referindo que nos anos em que esteve no governo foi organizado um pacote de PPP.
"Acontece que nos anos em que isto foi feito fui ver taxas de crescimento, o défice e o desemprego" e foram registadas "taxas de crescimento sempre acima de três por cento, o défice esteve sempre abaixo de três por cento" e a taxa de desemprego chegou a ser de sete por cento, argumentou.
Jorge Coelho considerou o modelo das PPP um "excelente modelo, tem é de ser bem feito", ou seja, tem de existir um "ponto de equilíbrio".
Jorge Coelho afirmou que o grupo Mota-Engil teve boas relações com os vários Governos que se foram sucedendo em Portugal nos últimos anos, mas sublinhou que um "grupo empresarial não se mete na política" e que enquanto exerceu funções governativas "nunca" teve nada a ver com qualquer área empresarial.
O presidente executivo da Mota-Engil disse ainda que saiu da política há 11 anos e tem levado "pancada da forte".
O gestor disse que, actualmente, "só um indivíduo que não está bom da cabeça é que vai exercer uma função pública", devido ao "desgaste" e à "mediatização" que tem de enfrentar.

Comentário:

Jorge Coelho não está arrependido de nenhuma decisão que tomou enquanto governante porque foram precisamente as suas decisões enquanto tal que lhe valeram o lugar de administrador numa empresa de construção civil e obras públicas, a ganhar salário de milhões em país de tostões.

Jorge Coelho, um licenciado em não sei bem o quê adquiriu know how para fazer não sei bem que mais enquanto político no activo.
Os seus activos pessoais adquiriu-os na bolsa de valores da política e nada mais. Se Jorge Coelho não tivesse entrado " na política" ainda hoje estava na Carris a ver passar eléctricos.
Começou na Carris quase como paquete e quem o ensinou a dar os primeiros passos nas actividades administrativas foram pessoas que o conhecem bem. Um deles já morreu- António Janeiro, sindicalista. Outros há que sabem contar.

Jorge Coelho é um exemplo flagrante da aurea mediocritas que temos em Portugal e que no final de contas nos tem arruinado.
É o exemplo maior da  promiscuidade inteira entre a política e os negócios depois de sair dela mas ainda com um pé lá dentro. Tanto faz que agora diga que nunca teve nada a ver com a "área empresarial" enquanto esteve na política porque a verdade é que com essa verdade nos pretende enganar a todos.

Jorge Coelho é um exemplo da  ignorância estrutural que nos aflige enquanto povo e é exemplo do tipo de governante que tivemos durante estes anos. O que diz sobre as PPP é exemplar do modo como pretende mais uma vez enganar as pessoas: as PPP só podem ser um " excelente modelo" se da parte do Estado houver quem negoceie em nome e no interesse público e não esteja a pensar em integrar futuramente os quadros das empresas daqueles com quem negoceia. Só pode ser um "excelente modelo" se os interesses do Estado forem acautelados de modo íntegro e sem sombra de corrupção.
Como se sabe e resulta evidente não é disso que estamos a falar a propósito das PPP nacionais e Jorge Coelho, melhor que ninguém sabe que assim é.

Jorge Coelho pode dizer o que quiser mas não pode desmentir que integrou os quadros de uma empresa com a qual o Estado teve negócios e continua a ter no âmbito das tais PPP, mormente rodoviárias e já numa altura em que o mesmo Jorge Coelho defendia os interesses do patrão ou até mesmo os seus próprios interesses.  E que esses negócios resultaram ruinosos para todos nós. Uma ruína que nos obrigou a cortar salários aos trabalhadores da classe média e nos hipotecou o futuro por longos anos.
Foi esse o resultado da política que Jorge Coelho protegeu e seguiu. E depois abandonou para se integrar num dos grupos que foram protegidos por essa mesma política.

Jorge Coelho devia estar calado e muito calado mas fala de alto porque ninguém lhe diz umas tantas verdades. Queixa-se de levar "pancada forte" mas o que tem levado são apenas umas bocas e uns assobios. Fora isso está no "bem bom" e a gozar com o pagode.

De resto Jorge Coelho é o Miguel Relvas do PS...

13 comentários:

Rui disse...

cada vez gosto mais de ler este blogue!

concordo com tudo.

Carlos disse...

José, permita-me,

Para respeitar a hierarquia: Miguel Relva é o Jorge Coelho do PSD.

JC disse...

Jorge Coelho fala de alto, mas há por aí quem ande muito caladinho a ver se a coisa prescreve antes de algum PGR com tomates resolva mexer de novo na merda.

http://economico.sapo.pt/noticias/gestor-do-freeport-diz-que-socrates-recebeu-dinheiro_145067.html

Vivendi disse...

Quem se mete com o PS leva!

E as ligações familiares de Jorge Coelho e Dias Loureiro??

Quadro encargos das PPPs

http://vivendi-pt.blogspot.com/2012/04/quadro-encargos-das-ppps.html

Quadro lista das PPPs

http://vivendi-pt.blogspot.com/2012/03/quadro-ppps.html

Gallagher disse...

Ele, e os outros, ainda ádem ver!

josé disse...

Essa do ádem só tem paralelo na história dos concertos para violino de Chopin. Com uma adenda: a cagança deste último contrasta com a pinderiquice básica daquele.

mujahedin مجاهدين disse...

Que história é essa, dos violinos?

josé disse...

O Santana Lopes quando estava na estratrosfera política um dia perguntaram-lhe acerca dos seus gostos culturais e assim.

O indivíduo tinha sido Secretário de Estado da Cultura (!) e sobre gostos musicais em vez de dizer que gostava dos Mongo Santamaria ( música de discoteca dos anos setenta que o tipo deve conhecer bem) disse que apreciava muito os concertos para violino de Chopin. Não foi gaffe: foi mesmo ingorância à la Jorge Coelho.

O Ádem vem na mesma senda.

josé disse...

Que se há-de esperar com gente deste género?

mujahedin مجاهدين disse...

Sei lá o que se há-de esperar... Novos instrumentos musicais talvez?

Floribundus disse...

não abre a caça ao coelho
porque este tem mixomatose

cineticum disse...

Além do mais é aldrabão... ou finge ser ingénuo. Onde e quando este senhor viu taxas de crscrimento acima de 35%? Pelo menos deveria ter vergonha. Outro Pinóquio, direi eu...

hajapachorra disse...

E o PRI lá vai gsnhar mais uma vez. Ainda hás coisas piores que coelhos com coelhones, por estes só têm coelhones às vezes.