Páginas

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Os fósseis da Esquerda portuguesa querem destruir o país. Novamente.

O Bloco de Esquerda vai mudar de líder mas não de ideias-base. Tanto o Bloco como o PCP vivem de ideias feitas há muitos anos e que não expõem claramente aos portugueses que neles votam.
As ideias básicas peregrinaram muito desde os tempos de Marx, Engels, Lenine, Estaline, Trotsky e outros que os seguiram e interpretaram adequando aos tempos que viveram as ideias dos tempos passados. São ideias comunistas que ninguém segue no mundo europeu actual e em países que já o foram são mesmo proibidas. Et pour cause.
Ainda assim, em Portugal as velhas e relhas crenças da Esquerda são recicladas ocasionalmente na linguagem corrente. Actualmente não há capitalismo. Há mercados. Não há luta de classes. Há privilegiados e milionários...

Basicamente a ideia é simples: o capitalismo enquanto sistema de exploração do Homem pelo Homem é sistema maldito. A luta de classes, enquanto modo de explicação de conflitos entre as pessoas, continua sempre presente nos espíritos das esquerdas.
Em 1974 a Esquerda portuguesa em geral, incluindo sectores do PS que não aceitavam o jogo democrático ocidentalizado, previa um futuro radioso de amanhãs a cantar em Portugal, no socialismo, palavra "muito mudada" no cantar de José Afonso que dela tinha a ideia mais radical.
Nenhum país europeu, na época e depois dela, logrou atingir um desenvolvimento ideológico e prático tão avançado, tendente à destruição do sistema capitalista tal como o conhecemos: grupos económicos poderosos, sólidos e criadores de riqueza, como a CUF e o grupo Champallimaud ou dos Mellos; bancos privados e sistema financeiro a apoiar e crescimento e desenvolvimento económico segundo a lógica capitalista de acumulação de capital e investimento produtivo.

Nenhum país europeu fez o que Portugal fez em 1974-1975: nacionalizar quase toda a indústria importante que o país tinha, fonte de criação de riqueza e ao mesmo tempo nacionalizar quase toda a banca, obrigando a uma fuga em massa de capitalistas portugueses para o estrangeiro, escorraçando-os como "fassistas", mormente para o Brasil de onde alguns regressaram alguns anos depois, para jamais refazerem o sistema que então existia e aproveitarem o que então havia para se locupletarem em desforra e  sem o espírito empreendedor de antanho.

Os autores morais e materiais desta tragédia nacional foram evidentemente os esquerdistas de todos os matizes.
O seu ideário, simples de entender e que ainda hoje sufragam, sem grandes reservas a não ser de exposição pública, está aqui explicado, nesta entrevista de João Martins Pereira, falecido há pouco e um dos gurus da Esquerda portuguesa, ainda hoje citado por economistas políticos como Francisco Louçã.
Lendo a entrevista, publicada pela revista Vida Mundial em 17.10.1974 ( conduzida por um dos expoentes do jornalismo comunista. Adelino Cardoso) percebe-se melhor como arruinaram o país que somos. Se os deixarem voltam a fazê-lo.


6 comentários:

zazie disse...

Pois é, José. Eles não perdem a oportunidade.

E, para desgraça nossa, agora são os neotontos que até dão o pretexto e a ajuda.

Espero pelo saque do IMI e vai ver como temos novo PREC.

zazie disse...

Mas o José tem mais que razão e estas memórias são serviço público.

Porque eles podiam ter lá as pancadas que tivessem, caso o país não tivesse sido destruído e não houvesse terreno para qualquer socialismo.

Mas há. O exemplo do IMI está aí. é coisa que nem existe em Inglaterra.

Agora, que a Troika teve de vir, claro que trataram das garantias do empréstimo.

E o grande saque ainda nem começou. Quando começar vai ver que quem se lixa nem tem voz porque eu lembro-me das ocupações e da forma como a populaça encolheu os ombros.

zazie disse...

" A gestão da luta de classes"- diz ele, a propósito do sindicalismo

eehehhe

é impressionante reler estas coisas. E era este o grande intelectual da nossa esquerda

zazie disse...

ò Jose, este seu post é dos melhores de sempre.

Vou linkar.

Isto é um tratado da nossa desgraça.


O mais incrível (e que há uns 30 anos não previa) é que esta porcaria não mudou. Replicou-se! só mudaram as palavras, como magistralmente o José salientou.

Floribundus disse...

quando vasco 'muralha d'aço' dizia
'isto é transparente'
referia-se às lentes dos óculos

'o sol brilhará para todos nós'
até ao final do mês

ainda por cima temos a nódoa Obama 'prémio nobel das pás'

FMS disse...

posta magnifica. continuo a assistir de camarote, refundidinho, à procissão. ouço todos os dias nos jornais que nao leio e na prole dos fracturantes que o PS é um partido de direita, gargalho sem pejo por estas récuas de crentes em gnomos e fadas da lavoura centralizada. josé, espero que falte pouco.