Páginas

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

O Nicolaço opinativo

Expresso:

O ministro Relvas é um democrata e defende que todos devem poder exprimir as suas opiniões. Infelizmente, o ministro Relvas não percebe o que está em jogo.

E o que está em jogo é que as pessoas estão fartas desta austeridade, cujo fim não vislumbram e cujos objectivos não percebem.

Mas estão sobretudo fartas, fartíssimas, de políticos que não respeitam e a quem não reconhecem um pingo de credibilidade. 


 Nicolau Santos, director do Expresso, acha que o ministro Relvas não tem um pingo de credibilidade e que também não é respeitado.
Nicolau é o mesmo indivíduo que convidou um certo Artur Baptista da Silva para debater catedraticamente a Economia nacional. Nicolau é economista, segundo consta e enfiou o garruço do ano, no jornalismo nacional, em tandem com o seu colega de direcção do jornal, o ainda mais inenarrável Costa, Ricardo.

Tem, por isso, o Nicolau carradas de credibilidade para criticar o ministro Relvas. Só lhe falta é vergonha...

6 comentários:

Floribundus disse...

estes lugares comuns comovem qualquer 'coração empedernido'

é carne de cavalo disfarçada de vaca. no meu tempo do liceu perguntavam às peixeiras '-quem leva a guia?'

uma competição de coices no tempo em que os animais falavam

se me chamasse viegas terminava doutra forma

Vivendi disse...

Perceber o quê?

Um tipo que no pico da austeridade vai para o Brasil de férias e bem acompanhado, organiza um casamento de luxo cheio de convidados, que nunca conheceu uma profissão despegada da política e os estudos foi a maravilha que foi.

Para o Nicolau e todos os outros enfiarem a viola no saco o exemplo tem de vir de cima. É gente como o Relvas nos altos comando do poder que descredibilizam toda uma sociedade num efeito de bola de neve. Um país de artolas, falido e que ainda tem muitos que se acham.


naoseiquenome usar disse...

Com, ou sem vergonha, tem!

Kaiser Soze disse...

O Nicolau enfiou um barrete descomunal mas é o que acontece a quem procura ajustar as premissas ao resultado pretendido.
Tem uma ideia e viu alguém que a partilhava.

Quanto ao Relvas...
Será admissível que ele continue no Governo? Não.
Será admissível que, com a sua habitual falta de vergonha, tenha acompanhado com risos o "Grândola" na véspera do sucedido? Não.

Será admissível ele frequentar como orador (pasme-se) qualquer estabelecimento de ensino? Não.

Alguém sentiu, além do próprio e, talvez, da esposa, que não teve o que merece?

Floriano Mongo disse...


MÉTODO INFALÍVEL





«««Mas estão sobretudo fartas, fartíssimas, de políticos que não respeitam e a quem não reconhecem um pingo de credibilidade.»»»







Nicolau Santos, director adjunto do expresso e uma cara que foge da vergonha como o super-homem foge da kriptonita, afirmando que de credibilidade ele entende, revelando que assim como aconteceu com o Artur Baptista da Silva ele primeiro gosta das ideias, já a credibilidade prefere deixar para depois e esperar até que se saiba de tudo.

JC disse...

Nem sei como não censuraram este....

http://expresso.sapo.pt/o-fascismo-do-grandola-vila-morena=f788548