Páginas

quinta-feira, 28 de março de 2013

A corrupção e os exemplos

Este professor, Xavier Pintado, escreve no jornal Sol de hoje este pequeno artigo sobre a corrupção. Diz a dado ponto que "um estudo recente do Banco Mundial mostra que existe uma relação estreita entre o grau de corrupção de um país e o seu desenvolvimento económico e social, sendo um dos maiores obstáculos ao desenvolvimento de um país."

Evidentemente se isto é assim, Portugal é um país de corruptos, na Europa, porque somos o menos desenvolvido e o mais pobre.
E no entanto, certas figuras da magistratura de topo ( Pinto Monteiro e Cândida de Almeida) acham que não, acompanhando nessa análise fina da sociedade portuguesa, figuras ímpares como José Miguel Júdice ( já anda a comentar nas tv´s...) e outros indivíduos que nunca viram tal bicho careta à sua frente.

Seria bom, ou melhor, seria óptimo porque este é inimigo daquele, que os professores como este explicassem às pessoas comuns o que entendem por corrupção.
Por exemplo: dar a certas firmas de advogados, como a de Júdice, o privilégio de parecerística avulsa e paga a peso de ouro, será ou não um acto de corrupção lato sensu ( tinha escrito latu senso,mas corrigi o erro), ou seja, um acto que altera a substância, o julgamento, a linguagem, etc. ( como escreve hoje Edwy Plenel, na Marianne)?
E outros casos semelhantes como sejam os de atribuir concessões rendosas a certas empresas privadas por ajuste directo e sem justificação plausível, será ou não? E? E?

Era sobre este elenco alargado que gostaria de ver os professores deste país, como Xavier Pintado, a pronunciarem-se...porque assim, apenas com artigos genéricos, fica apenas a mancha impressa.

7 comentários:

Floribundus disse...

há mais de 50 anos ouvi uma conversa de Xavier Pintado e fiquei com óptima impressão a seu respeito.
há muito que não sabia nada dele.
infelizmente este socialismo socrático & Cia destruiu tudo o que era importante
estamos no 'pinhal da Azambuja'

Floribundus disse...

além deste fundador conheci profissionalmente
Alberto Ralha, Barros Polónia de quem fui amigo,o meu companheiro de estudo Silvério Martins (o Xilvério).
com excepção do primeiro era gente de muita qualidade intelectual e moral.

o meu Amigo Carvalho Guerra dizia-me que já não há 'valores' (morais). repliquei que a maior parte dos que há depositam-se na banca

Rui disse...

Isto sim é que são assuntos importantes.

Na minha opinião como forma de combater a corrupção (e todos os outros crimes desse ambito trafico de influencias/abuso de funções/favorecimento) penso que faria sentido começar por 3 medidas:
1) impedimento do acesso a carreiras publicas e detenção de cargos publicos de acusados de crime de corrupçao,(e similares) durante pelo menos 10 anos
2) penalizações significativas nas pensoes e reformas durante os 10 anos seguintes à pratica do crime (de forma a penalizar igualmente individuos mais velhos e normalmente no topo das carreiras que ja nao estariam dependentes dos salarios dos proximos 10 anos)

Penso que estas duas siples medidas teriam um efeito dissuasor muito significativo. Qual a sua opiniao José?

hajapachorra disse...

lato sensu, José.

josé disse...

Certo. É um erro ortográfico grave. E por isso fica assim, para me penitenciar porque tive dúvidas e não fui verificar ao dicionário.

mujahedin مجاهدين disse...

Não concordo. Acho que devia corrigir.

Não é só o José que lê estas páginas e para pontapés na língua materna - e na ortografia em particular - não faltam por aí Cristianos Ronaldos. A começar pelos artigos de imprensa que o José aqui vai pondo e de que não tem culpa nenhuma, evidentemente.

Se se quer "penitenciar" sugiro que deixe estar, mas com um risco por cima e a forma correcta a seguir. Assim evidencia o que estava antes, mas tem ainda a pedagógica função de mostrar que está mal, e como é bem.

josé disse...

Tem razão.