Páginas

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Médicos que passam atestados de óbito à ética

A TVI, através de uma reportagem de meia-hora, da autoria de Carlos Enes, publicitou na Segunda-Feira, no Jornal das 8,  alguns casos de " promiscuidade entre o público e o privado no Serviço Nacional de Saúde"
"Ao longo de vários meses, a TVI investigou a fundo um hospital e um centro de saúde. Encontrámos dezenas de doentes que desmentem consultas e até diagnósticos com que foram inscritos no Serviço Nacional de Saúde.
E surpreendemos um cirurgião a dar consultas privadas durante o horário na urgência de um grande hospital público."

Vale a pena ver para entender porque temos o SNS que temos e como será difícil mudar um sistema que se adulterou por força de um funcionamento que não atende ao essencial da natureza humana: a ganância sobrepõe-se à deontologia se houver oportunidade e o hábito for tolerado.


3 comentários:

zazie disse...

Boa.

É o clã mais chupista que existe.

lusitânea disse...

Tudo no SNS é democrático, honestíssimo e muito respeitador dos direitos humanos e dos doentes.Claro que no papel...

Carlos disse...

O que se passa com os profissionais do SNS, é idêntico ao que se passa nos outros serviços. Maus profissionais há em todas as actividades. Investigue-se e condene-se os casos provados de crime. E isto, se a justiça for capaz e imune também a estes procedimentos! (???)