Páginas

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

A lição de Sousa Franco há trinta e cinco anos.

Sousa Franco, o professor de Finanças Públicas que Guterres chamou para seu ministro de Finanças fez jus ao ditado "quem sabe faz; quem não sabe, ensina".

Em 1978, no O Jornal de 4.8.1978 ensinava assim. Pouco mais de meia dúzia de anos a seguir arruinou as finanças públicas e está na origem do descalabro actual. Já nessa altura a Esquerda era a raiz de todo o mal. Como agora.


2 comentários:

Maria disse...

Ainda não li o artigo, não tive tempo, mas pelas palavras que o acompanham e que aqui têm sido consecutivamente repetidas pelo José, atribuíndo e bem à esquerda o estado a que chegou o Estado da Nação, temos de convir que tem carradas de razão.

Vou deixar uma opinião pessoal sobre os Estaleiros de Viana do Castelo e o estado deplorável a que chegou aquele que foi considerado o maior da Península Ibérica e um dos melhores da Europa cujo prestígio era unânime além-fronteiras. E além do mais tinha antes do 25/4 em carteira, consequência duma competente e honesta administração, encomendas vultuosas e permanentes o que lhe permitia dar trabalho garantido e seguro PARA A VIDA a milhares de trabalhadores.

Veio o 25/4 e a esquerda dos sindicatos e a do próprio governo, ciosos dos (falsos) direitos por que propugnavam e com um ódio de morte a tudo o que cheirasse a 'faxismo' e sobretudo com uma inveja doentia a todas as empresas de sucesso que contribuíam e de que maneira para o desenvolvimento e progresso rápido que estava a atingir a Nação, toca a destruir tudo o fora econòmicamente alcançado durante o pavoroso 'faxismo' com enorme esforço e dedicação, tanto de trabalhadores como de patrões. O resultado do mísero estado a que os Estaleiros chegaram é clarinho como água e nem poderia ter sido doutro modo dado conhecer-se perfeitamente quem o provocou e como foi que o descalabro aconteceu. Tudo fruto da ganância, inveja, maldade e anti-patriotismo exacerbados. Afinal os defeitos intrínsecos de que padece toda a esquerda em Portugal e no mundo. A mesma que deixou Portugal sem esperança de melhores dias, sem paz social, sem trabalho para milhões de portugueses, com uma emigração de outras tantos centenas de milhar, etc. Numa palavra, um país sem futuro à vista.
Que me desculpem os trabalhadores dos Estaleiros que nunca alinharam com os sindicalistas esquerdistas que os arruinaram e às famílias destruíndo o seu ganha-pão, mas referindo-me aos outros, aos que, juntando-se aos sindicalistas, acharam por bem sanear os patrões logo que a esquerda tomou d'assalto o poder em Portugal, empreendendo a liderança da empresa mas sem perceberam nada de nada de gestão, têm aquilo que merecem.
É que a justiça de Deus pode tardar mas nunca falta.

O outro assunto para o qual quero chamar a atenção de todos os leitores que aqui vêm por bem e particularmente os que desejam o melhor para Portugal e não se conformam com o modo como a esquerda-internacionalista e apátrida levou o nosso querido país à ruína perseguindo interesses políticos que nos são alheios, deste modo conduzindo um povo inteiro ao desespero e o país ao caos absoluto em se encontra, deixo um conselho. Um povo verdadeiramente patriota, tendo a noção exacta da situação gravíssima em que o país se encontra, sabendo que a culpa inteira é d'outrem que não a sua, tem na leitura de um artigo lapidar e de leitura obrigatória, da autoria do ilustre e grande patriota Professor P. Soares Martinez, no Jornal O Diabo de 3/12, o que esse mesmo povo, em circunstâncias desesperadas como aquelas em que o nosso se encontra, pode e deve fazer para as enfrentar e/ou neutralizar, tendo para o efeito todo o direito e a Justiça do seu lado.

zazie disse...

Que saco de ar, este Sousa Franco.