Páginas

sábado, 21 de dezembro de 2013

Uma lição de História alternativa à dos Rosas&Pereira

No jornal i de hoje, Jaime Nogueira Pinto  é entrevistado em três páginas. Aqui ficam para realçar a diferença de entendimento de factos históricos que alguns dos historiadores actuais viveram e que contam de modo diverso, interpretando a História como convém a uma certa ideologia.


32 comentários:

zazie disse...

É muito interessante tudo o que ele diz e corrobora as fontes que o José tem andado aqui a colocar.

Termina com uma frase macaca acerca dos alemães.
--------------
A propósito- vi partes de uma palestra dele em que dizia que no PREC todos os partidos concordaram em entregar África, sem a menor preocupação nacional, à excepção do PCP.

lusitânea disse...

Por cá com tanto internacionalista-humanista-maçon-advogado é natural não haver depois da entrega de tudo o que tinha preto e não era nosso quem queira falar de "identidade".Aqui só o planeta é que conta...embora a "dívida" seja a canga do indigenato...por muitas gloriosas décadas....

Maria disse...

Excelente entrevista. Só não concordo nada mesmo quando J.N.P. afirma que "as nossas colónias não eram assim tão importantes como nós pensávamos que eram". Não vejo a coisa nada desse modo e admira-me que ele tenha essa perspectiva desinteressada sobre as Províncias Ultramarinas, quando calculo que ele lá tenha nascido ou, se não, por lá terá vivido muitos anos.

Que o regime do Estado Novo não tenha aproveitado devidamente as potencialidades económicas que poderia ter extraído de cada uma delas é uma realidade. Mas depois e isto é um facto histórico, o Dr. Salazar com o seu espírito conservador e católico, nada ganancioso, nada invejoso, nada perdulário, jamais tentou apoderar-se de um único tostão que lhe não pertencesse e sim à Nação (como o fizeram desalmadamente estes ladrões políticos que para aí andam e que são o exemplo acabado da ganância, da inveja e da maldade em estado puro) nada propenso a explorador o próximo, no caso os Territórios Ultramarinos que eram portugueses de facto e de jure, nunca poderia ter tido outra postura política relativamente àqueles, senão aquela que justamente perseguiu.

Fez mal? Talvez. Mas se o tivesse realmente efectivado, as vergonhosas calúnias, as brutas mentiras e as difamações monstruosas com que ao longo de décadas a esquerda jamais o poupou, tanto enquanto foi vivo e mais ainda depois de desaparecido, alcançariam a estratosfera.

Luís Gonçalves disse...

Só não concordo quando refere que dois terços do país são paus e pedras.

Não é bem assim.

Luís Gonçalves disse...

Todo o litoral Norte de Coimbra a Viana tem excelentes e extensas zonas agrícolas.

O Noroeste português é uma das regiões mais chuvosas da Europa.

Depois há o Vale do Mondego, a Cova da Beira, a Estremadura, o Ribatejo, os barros de Beja, as terras a Sul da Serra Algarvia, o Litoral alentejano, a Península de Setúbal...

Quanto aos pinhais, seriam pouco frequentes. A maior parte do país estava coberta por diferentes espécies de árvores do género Quercus e por castanheiros, além de árvores das galerias ripícolas.

Os romanos não entraram muito nas serras, há uma forte destruição de floresta nativa ao longo da Idade Média que leva ao assoreamento dos rios.

Quando se chega ao século XIX as serras já estão quase todas nuas.

O Arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles tem avisado que isso de não termos bons solos é mito.

Luís Gonçalves disse...

E esqueci no comentário acima o Planalto Beirão.

Luís Gonçalves disse...

E parte da Igreja portuguesa, creio, teve parte da culpa do nosso atraso cultural. Havia um certo ódio ao lucro e ao comércio. Daí talvez resulte o facto dos judeus terem sido empurrados para certas actividades, acabando por controlar a economia de algumas cidades.

Luís Gonçalves disse...

Há uma tentação para explicar a nossa pobreza face a outros países europeus com o problema dos solos pobres.

Não me parece que seja essa a causa.

josé disse...

Por mim, continuo a acreditar numa explicação que me parece simples e resulta de documentos que tenho vindo a apresentar ao longo dos últimos meses: se tivéssemos continuado com a dinâmica empresarial que tínhamos até finais Junho-Julho de 1974 teríamos um país mais próspero e competitivo. Porventura à frente de países como a Bélgica ou a Dinamarca.

josé disse...

Não precisamos nada de recuar aos tempos da perseguição aos judeus e marranos para explicar o nosso atraso.

O nosso atraso tem explicações muito mais prosaicas: comunismo e socialismo e ideias de esquerda.

Foi isto, esta desgraça que nos atingiu nas últimas décadas. Como a marabunta devoraram tudo em que se meteram: indústria, inovação, educação, costumes e tradições.

Foi essa a causa da nossa decadência e nem precisamos de ler o Alexandre Herculano.

Marcello Caetano e Salazar tinham inteira razão em não deixar crescer essas ervas daninhas.

zazie disse...

O inverso. A culpa mais antiga foi dos jacobinos que correram com os jesuitas e eram eles quem tinha os estudos mais avancados e as melhores escolas.

A judiaria foi para o Brasil e ficou com a Comapnhia das Indias. Depois passaram-se para os Holandeses e internacionazaram-se com a escravatura

josé disse...

Essa gente que ainda é viva é a responsável pelo nosso atraso e miséria relativa.

Com uma agravante: julgam-se os salvadores do país, das garras do fassismo...

zazie disse...

Os antecdentes sao jacobinos, sejam liberais, sejam republicanos.

zazie disse...

Pois sao mas vivem em estado de graca e ainda vao servir de exemplo para meterem de novo a escardalhada no poder para destruir tudo de vez.

A culpa sera sempre da "Direita" porque 'e esta a patranha que vende.

Por isso 'e que eu acho que estes, ja ca que vao ser corridos, deviam ter um amok e fazer reforma a serio.

zazie disse...

nao vale a oena estar com ilusoes. Em o PS voltando ao poleiro, Portugal acaba porque eles nao mudam.

Portanto, agorao que era preciso era ter instinto nacional e ser maluco suicida e fazer a serio o que 'e preciso.

josé disse...

O problema é que não existe massa crítica suficiente, em Portugal e actualmente para empreender a reforma. Nem sequer pessoas com influência suficiente para estas questões poderem ser equacionadas na televisão.

As tv´s estão tomadas pelas anas lourenços e quejandas, com apoio dos balsemões que são os piores porque sabem que isto é assim e deixam estar enquanto ganharam dinheiro nesta choldra.

josé disse...

A pateta da Campos Ferreira nem sequer lhe passa pelo bestunto tais assuntos.

Os que mandam na TVI, os josés albertos de carvalho, são a miséria que sabemos. Não querem perder o tachinho bem bom e isso lhes basta.

zazie disse...

Eu nao sei, nem imagino se podiam ou nao, com massa critica ou sem massa critica mas apenas com vontade e risco por conta propria.

Mas pergunto ao Jose se esta a ver o que vai resultar daqui

Nao gosto de catastrofismos mas desta vez nao sei, nao.

Nao vamos sair desta como se saiu do PREC

Mesmo agora ja me custa estar a par de telejornais.

zazie disse...

Nem sei bem entender isto. Eu era novita, vivi o PREC, nessa altura entendi o que era a escardalhada e ainda deitei absixo aquelas ideias todas.

Depois desligueei. Quando caiu o muro de Berlim at'e pensei que finalmente tinham aprendido alguma coisa.

Por c'a, bastou-me fazer Portugal de mochila as costas, para perceber que nao havia producao alguma e que havia terras inteiras a viver do ar "estatal". De servicos inventados, de uma ficcao.

Foi a'i que empurrei descendencia daqui para fora.

Mas, desta vez nao estou com 20 anos para ainda assistir a um neo;prec de farsa e achar-lhe piada.

Porque agora ha voto e todos os que contribuem tem cara.

O sistema ja nao serve de desculpa

E a estupidez ou desconhecimento tambem nao.

zazie disse...

O pior 'e literalmente iso. Por mais pequenino uq eseja, ninguem quer perder o tachinho.

Como temos uma gigantesca percentagem de populacao a viver de tachinhos ou do que pinga do Estado, os idealismos que se podem esperar sao estes- defendem-se em nome dos outros.

Dos coitadinhos, para parecer caridade.

zazie disse...

Ainda hoje ao almoco o meu pimpolho me dizia que ate achava piada assitir agora 'as ocuapcoes e reforma agraria que nao assistiu mas que aprendeu na escoa, como o grande feito para Portugal ser uma democracia.

Porque agora, se lhes desse para serem revolcuonarios como a matriz que copiam, iam ocupar a casa e os montes uns dos outros.

josé disse...

O pior que pode acontecer em termos imediatos é a bancarrota. Cairemos nela, sem dúvida alguma, se tivermos a mandar luminárias tipo Eurico do PS ou quejandos.

Se cairmos, veremos que justificação irão dar.

Houve em Julho-Agosto, um fenómeno que me deu alguma esperança. Nessa altura, toda a Esquerda queria eleições. Bastou o Portas ameaçar que saia e os juros começarem a subir para se calarem abruptamente e só ficadam a ladrar os do costume para quem tudo fica melhor se estiver pior.

Portanto, tal como Miterrand quando chegou ao poder ou Hollande agora há pouco, aprendem depressa.
O pior é o que fazem depois com as contradições.

Se escaparmos desta, ficaremos a devê-lo ao Gaspar, ao Passos e a uns milhares de empresasa que exportam. E pode ser que se faça luz no país e esta gentalha que anda aí nas tv´s que é o sítio e todas as subversões, actualmente, desapareça de vez, como desapareceram dos países de leste, como na Polonia.

josé disse...

Já percebi que anda por outras terras...

Boas Festas.

zazie disse...

Pois ando. Obrigada e igualmente para si e para todos os seus.

Nao sei. Os franceses na otem o PCP nem o BE que nos temos

E, desta vez, nem o MRPP existe para os baralhar

zazie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
zazie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
zazie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
hajapachorra disse...

Do ponto de vista ideológico JNP tem razão em várias coisas que diz, mas em matéria de facto deixa muito a desejar como historiador, digamos assim. O que diz sobre o velho do Restelo é um disparate comum, mas é um enorme disparate, de quem desconhece Camões e a história do séc. XVI.

josé disse...

Pois a ideia que tenho do Velho do Restelo também é essa e nunca foi aggiornata, desde que a aprendi, na escola primária. O sentido exacto da parábola, para mim, foi sempre esse.

Há outro? E quem o enunciou?

mujahedin مجاهدين disse...

A França não tem PCPs nem BEs mas tem pior. Tem a evolução desses, os neotontos.

Mas também tem uma Front National fortíssima e há quem diga que é já o segundo maior partido francês.

O que JNP tem razão quanto à França. Eu vou acompanhando e tenho a mesma impressão. Em relação ao RU, já não sei. É difícil prever o que andarão para lá a cozinhar, mas coisa boa não é.

mujahedin مجاهدين disse...

Quanto à África portuguesa, acho estranho que o JNP não toque num ponto em particular. Já o vi referido em algumas obras da altura e agora recebi uma resma de livros e vou ter oportunidade de apurar isso melhor.

A guerra em África impunha-se por uma questão humanitária quanto mais não fosse.
Os movimentos de libertação eram compostos por malfeitores e assassinos e pior, que depois recrutavam os "primitivos" que diziam querer libertar para irem chacinar e torturar por e com eles.

Isto foi confessado pelo Holden Roberto no Le Monde. Está lá a entrevista no meu tasco.
Ele admite que os seus homens torturaram mulheres e crianças. Os próprios homens o confessam, sem remorso e prometendo mais. Andaram a serrar pessoas ao meio.

Não há justificação para isto. Mesmo que a presença portuguesa fosse ilegítima naqueles territórios - que não era - nenhuma solução poderia contemplar a suspensão das hostilidades contra esses grupos enquanto não fossem completamente dissolvidos e os seus agentes capturados.

Isto não admite discussão nenhuma. Quem mandava ali era Portugal, e era seu dever proteger as populações daqueles terroristas, tal como é seu dever protegê-las de criminosos comuns. Se qualquer português confessasse o que aquele homem confessou, seria implacàvelmente perseguido pela justiça até ser capturado e julgado.

Não havia solução para aquele problema. Não havia e quem diz que havia, engasga-se quando se pede que a aponte concretamente. Como os movimentos tinham origem no estrangeiro, não havia possibilidade de os neutralizar na raiz. O único caminho era manter as hostilidades e procurar que os territórios atingissem rapidamente a autonomia defensiva; isto é, pudessem eles próprios, com pouco ou nenhum auxílio metropolitano, empreender a sua própria defesa. Uma vez atingido este ponto, os territórios seriam independentes de facto. O resto seria então fácil, e o problema estaria resolvido. Provavelmente, os movimentos libertadores desapareceriam como apareceram: do nada, visto que os fins para que foram criados por quem os criou, passavam a ser mais fáceis de atingir por outros meios.

A grande falácia de toda esta questão é achar-se que a guerra se prendia mais com a vontade de defender a Pátria, do que com a vontade e o dever de proteger quem sob ela vivia.
Protegeram-se essas gentes, com grande sacrifício, durante treze anos. Disso podemos e devemos orgulhar-nos. Do que a seguir se fez em nosso nome, ainda está a justiça por fazer. Fazer-se-á, mais tarde ou mais cedo.











mujahedin مجاهدين disse...

E dizer-se que a Inglaterra ou a França souberam sair é das coisas mais cínicas que se pode afirmar. Sobretudo quando se acrescenta que mantiveram os laços comerciais.

Houve tragédias e mortandades horrendas nesses territórios. Lá porque as potências que os administraram manobraram cinicamente para preservar os seus interesses comerciais, isso não faz delas boas ou exemplares. Pelo contrário. Nunca as populações os preocuparam; apenas os benefícios que delas e daqueles territórios retiravam.

Pode dizer-se que Portugal podia ter seguido o mesmo caminho. Apoiar um dos movimentos criminosos contra os outros, em troca de certas contrapartidas económicas após a entrega do poder.
Mas a guerra existiria na mesma, apenas mais sangrenta e selvagem, como depois da re-colonização.

Os pacifistas da nossa praça, e são muitos, preocupam-se com a paz, mas a deles. A guerra só é grave se o pai perder a perna no mato ou o irmão enlouquecer no capim. A sorte dos pretos, esventrados, mutilados, torturados, violados, já não os apoquenta muito. Isso já é lá com eles. Era arrumar a trouxinha, acautelar que o dinheiro continuasse a vir, e deixá-los lá resolver aquilo entre eles, "em liberdade".

De certa forma, pode dizer-se que a guerra do Ultramar era a guerra contra o colonialismo. Aquele colonialismo que, acautelados os interesses materiais, deixa desenrolar-se o horror atroz da guerra, sem perder o sono.