Páginas

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Os pisteiros da pedra filosofal




António Barreto, sociólogo reformado, deu uma entrevista ao Jornal de Negócios de hoje, á semelhança de muitas outras que ao longo dos anos tem dado aos media. António Barreto é um dos nossos salteadores da pedra filosofal que de há quarenta anos para cá andamos a tentar encontrar, em Portugal. Perdeu-se a velha magia que nos fez durante um pouco mais de 40 anos ser um povo mais livre do que somos agora, paradoxalmente.

António Barreto durante esses anos sessenta foi comunista, inscrito no partido mais estalinista do mundo ocidental. Não deu pelo que se passou na Hungria em 1956 e voltou a não ver os tanques de guerra soviéticos nas ruas da Checoslováquia em 1967. Pouco importa. Em 1970 lá achou que era demais e abandonou o Partido, tornando-se em mais um arrependido do comunismo.

Por causa desse antifassismo primário nunca concederá razão ao inimigo de então, procurando sempre subterfúgios para encontrar a pedra filosofal nacional nos últimos 40 anos, esquecendo outros tantos que os precederam, a não ser para vituperar a falsificação dos ingredientes alquímicos e a charlatanice dos alquimistas de então.

Portanto, agora, "Portugal pode desaparecer", como disse há uns tempos e nesta entrevista retoma o estribilho: temos mais 20 ou 30 anos de vacas magras.
Não resisto a uma pergunta: se o fassismo tivesse evoluído para uma democracia à espanhola e com o PCP liderado por um Santiago Carrilho em vez de um estalinista de trazer por casa, chamado Cunhal, que país teríamos hoje? Seria o mesmo diagnóstico miserável e o mesmo prognóstico assustador?

Não creio.

Em 1976, António Barreto era ministro do PS. Passou do PCP para o PS e foi apoinante da AD de Sá Carneiro e também apoiou o inevitável Soares, praga que nos atingiu como as do Egipto. Agora chora o leite derramado e não se dá conta inteiramente das razões profundas da crise: a esquerda que temos não presta, é essa a razão principal. A esquerda chamada PS, entenda-se.
 Nessa altura, Barreto foi o primeiro inimigo declarado do PCP, no I governo Constitucional, por causa da Reforma Agrária. O Partido moveu-lhe uma guerra política de morte e Barreto, antigo comunista, aguentou. Assim, como conta o Jornal de10 de Dezembro de 1976.



 A prova de que a acção de Barreto era mortal para o PCP está aqui nesta entrevista de Cunhal ao mesmo O Jornal de 25 de Agosto de 1978.

António Barreto parece ser pessoa sensata e equilibrada. Depois de passar pelo PC e pelo PS,  acantonou-se ao mecenato de um dos maiores capitalistas portugueses, na Fundação Soares dos Santos. O líder do grupo, em 1973, quando Barreto estava na Suíça, fugido à tropa, era já um capitalista com negócio familiar importante na área de produção e distribuição.

O que Alexandre Soares dos Santos pensa e diz publicamente é consentâneo com o que pensava nessa altura, acho. E Barreto, como é que fez o trespasse?

A questão é importante, a meu ver, pelo seguinte:

Quem agora procura a pedra filosofal não deve desprezar os alquimistas do passado. Os de há mais de 40 anos, por muito que isso lhes custe. Se não estão a chover em molhado. Ou, no caso, a malhar ferro frio.
No poema de António Gedeão, os versos alinhavam assim:

"Eles não sabem que o sonho....é uma constante da vida; tão concreta e definida como outra coisa qualquer...[...] Eles não sabem nem sonham que o sonho comanda a vida..."

A Esquerda foi sempre isto: um sonho. E que ameaça tornar-se pesadelo se não se descobrir o remédio certo, a pedra filosofal para sairmos do marasmo económico e social.  António Barreto precisa de ir urgentemente ao seu passado de juventude e recuperar o tempo que perdeu a tecer loas a Estaline, lendo aquele cujo nome não pronuncia: Salazar.Sem essa chave aquelas análises não fazem sentido e o que se obtém não é pedra filosofal alguma, mas apenas chumbo e mais chumbo.

33 comentários:

Luís Gonçalves disse...

O problema não está só nos municípios.

As IPSSs consomem perto de 2 mil milhões do Orçamento de Estado e são uma espécie de Estado Social duplo. Em muitos casos este financiamento é desnecessário porque no sector público existem infra-estruturas e pessoal para levar a cabo o trabalho de muitas IPSSs. Para além disso muitas destas instituições são centros de emprego para boys e girls de partidos e de famílias de «caciques» locais. Uma verdadeira reforma do Estado poderia permitir um corte brutal nas transferências para estas instituições.

Protegem-se debaixo da capa da ajjuda aos pobres e por isso ninguém as investiga.

É uma vergonha pois trata-se de mais uma miríade de PPPs que ninguém investiga nem contesta.

Dois mil milhões de euros correspondem a perto de um terço do défice...

Vivendi disse...

O problema está mesmo nos municípios... só é pena que estejam cada vez mais desertificados porque os munícipes não tiverem pachorra para tanto bem feito do centralismo.

É cada barretada.

A dívida total dos municípios é de 8 mil milhões. Uma gota no oceano de dívidas.

josé disse...

É fácil de ver que me assaltaram o blog.

José.

Vou fazer queixa e não perdoo.

josé disse...

Se for quem desconfio, pode contar com a justiça.

Há um limite para os abusos...

Dou meia hora para repor tudo como estava.

Depois actuo.

josé disse...

A brincadeira tem limites e apesar de achar piada a algumas coisas, aconselho a acabar com ela.

Desconfio quem seja porque é evidente.

E o que esta a acontecer é um crime.

zazie disse...

Como é possível? está alguém a entrar na conta do google com o seu email e password?

C'um caraças.

O ressabiamento é tremendo.

josé disse...

Desconfio de quem seja porque é sempre o mesmo.

Um dia destes zango-me.

zazie disse...

O Mirza?

josé disse...

Quem senão?

É sempre a mesma coisa. Acho piada até certo ponto, mas isto é demais.

zazie disse...

Mas isso é complicado. Não se usa password e mail de alguém para entrar no Google sem ser hacker.

Nem me lembro disso ter acontecido com mais alguém.

zazie disse...

O Mirza é um velho escardalho que lhe devassou a privacidade.

Mas não há-de saber como entrar num blogue.

josé disse...

É a confusão completa com títulos trocados etc etc.

zazie disse...

Nã oreparei. O sacana mexeu-lhe no blogue?

Apanhe-lhe o IP, José.

Meta um sistema de comentários que dá para ficar IP registado.

Bastava ter sitemeter que por aí até eu o caçava.

também cacei o ferreira.

zazie disse...

Mas o que é que está trocado?

O bicho ainda por cá anda?

josé disse...

Este blog acabou. Agora mesmo.

Quem escreve não é o José.

E não volta a escrever mais aqui porque o pirata alterou-me todos os textos.

zazie disse...

Não está nenhum texto alterado.

josé disse...

Zazie:

Até acho piada aos textos. Modificou-mos todos e julgo que será o hacker de sempre.

Mas a verdade é que o blog acabou.

Com este formato não há mais.

José

josé disse...

Modific-os à velocidade que lhe apetece e é rápido, inteligente e s
o pode ser uma pessoa...que julgo saber quem é.

zazie disse...

Mas eu fui aos feeds e está igual ao que estava antes.

Ora dê lá um exemplo de uma alteração.

zazie disse...

Eu acho é outra coisa- quem está a escrever não é o José, é o hacker.

E foi o hacker quem fez o post a dizer que o blogue acaba aqui.

Bastir ao goggle e procurar a cache para se confrontar.

Nao vejo diferenças.

Floribundus disse...

por €150 contrata um moedinhas num parque de estacionamento

a justiça só é aplicada aos mirós

zazie disse...

O Mirza é estúpido, acredite que por aí não chega lá.

Entrar num site não requer inteligência. Basta um programa qualquer.

josé disse...

Os títulos modificam-se constantemente e os textos idem.

Julgo que não enlouqueci...embora a confusão seja grande porque não escrevi muitas coisas que estão no textos.

zazie disse...

O que é que está modificado, Floribundus, viu alguma coisa alterada?

zazie disse...

O bicho é este que acaba de comentar como se fosse o José.

josé disse...

zazie: pode telefonar?

Floribundus disse...

há certas expressões que não me parecem do José

vamos a ele com a pedra filosofal

josé disse...

Agora os textos estão correctos, no meu computador.


Não sei o que se passou.

José.

PS os comentários são mesmo meus.

Maria disse...

José, desculpe mas os comentários (e não só alguns) não parecem nada da sua lavra. Mesmo nada. Inclusive na fraseologia, o que aqui se tem vindo a ler não parece pertencer ao fraseador a que estamos acostumados, denota algo diferente do seu estilo próprio. Até o que sublinha que "PS os comentários são mesmo meus". E menos ainda o facto d'assinar o seu nome ao terminar duas curtas linhas de 'texto', quando nunca o faz por desnecessário já que aquele encima obrigatòriamente os seus escritos.

Se acaso estiver errada, então as minhas desculpas.

josé disse...

está errada e não precisa de pedir desculpa.

João José Horta Nobre disse...

Esse António Barreto sempre teve um discurso digno de um lunático e de uma pessoa que não conhece o país real...

Publiquei:

http://www.historiamaximus.blogspot.pt/2014/03/os-pisteiros-da-pedra-filosofal.html

Cumpts,
João José Horta Nobre

Contacto: historiamaximus@hotmail.com

João José Horta Nobre disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João José Horta Nobre disse...

Adenda: A invasão da Checoslováquia foi em 1968, não em 1967...