Páginas

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Que se passa? Então isto não é uma ameaça?

O cantor Fernando Tordo saiu para o Brasil ( está bom tempo por lá, agora...) e o filho que escreve livros escreveu-lhe uma carta que já é aberta e com significado mediático.
Ontem, as tv´s deram voz e imagem à carta e ao autor e este disse uma imbecilidade: a culpa do pai sair, emigrado para o Brasil, é da austeridade. E ainda outra: "os nossos governantes têm-se preparado para anunciar, contentíssimos, que a crise acabou, esquecendo-se de dizer tudo o que acabou com ela. A primeira coisa foi a cultura, que é o património de um país."

Por outro lado, a carta tem uma passagem que merece reflexão e respeito porque é assim mesmo:


"Eu entendo o desamor. Sempre o entendi; é natural, ainda mais natural quando vivemos como vivemos e onde vivemos e com as dificuldades por que passamos. O que eu não entendo é o ódio. O meu pai, que é uma pessoa cheia de defeitos como todos nós – e como todos os autores destes singelos insultos –, fez aquilo que lhe restava fazer."

 Tem muita razão o filho de Fernando Tordo, João que até escreve bem. E ganhou a minha simpatia com essa passagem, porque eu também não entendo o ódio ( palavra que detesto porque importada no significado).

Sobre o cantor Fernando Tordo mais haveria para dizer e é para já.

No final de 1973, ou seja há quarenta anos surgiu no rádio uma cantiga fantástica e diferente do que ouvira até então. Chamava-se O Café, tinha letra de Ary dos Santos e a música era de Fernando Tordo que a cantava também e de um modo impressionante. A letra, sarcástica, tinha piada e para mim é das melhores cantigas da pop portuguesa, de sempre.
Fernando Tordo já dera sinais de si desde 1969 e em 1971 cantara Cavalo à Solta no festival da Canção da RTP, acontecimento sempre marcante no ambiente cultural da época.  Em 1973 cantara no mesmo festival a célebre Tourada, capa da Flama de 6 de Abril desse ano.


 Tordo, então com 24 anos já sabia o que a casa portuguesa gastava em matéria de música e por isso dizia candidamente à revista o que agora já esqueceu: o mercado da música em Portugal é pequeno para tanta gente..."no entanto desde que as pessoas se disponham a trabalhar muito ( gravando díscos e participando em espectáculos) podem conseguir um pequeno rendimento para sobreviver. É o meu caso."

Quer dizer, nessa altura não se lembrava de deitar culpas ao Estado pelo mercado ser pequeno. Agora, parece que a culpa é da "austeridade"...



Fernando Tordo, depois do 25 de Abril de 1974 associou-se aos camaradas que já entendiam antes que a canção era uma arma. Em 1978 fugiram da prisão de Alcoentre, onde se encontravam detidos por serem "fascistas",  89 "pides", ou seja agentes da DGS, uma polícia do regime anterior. Tordo fez então uma canção panfletária que soava no rádio como uma anedota.  "Que se passa? Então isto não é uma ameaça? " Era, porque os tempos estavam a mudar e o PCP perdia influência política.

Segundo escreve o filho, Tordo está afastado de tais actividades: "associam-no à política, de que se dissociou activamente há décadas (enquanto lá esteve contribuiu, à sua modesta maneira, com outros músicos, escritores, cineastas e artistas, para a libertação de um povo)".
Afastado estará. Esquecido, não. Melhor esclarecido, duvido.

Portanto, resta-nos sempre um magnífico tema para ouvir, por exemplo aqui, de onde copiei a letra:

O Café
música Fernando Tordo, letra Ary dos Santos (1973)

Chegam uns meninos de mota,
 Com a china na bota e o papá na algibeira
São pescada marmota que não vende na lota
Que apodrece no tempo e não cheira
Porque o tempo
É a derrota

Chegam criaturas fatais
Muito intelectuais tal como a fava-rica
Sabem sempre de mais,
Escrevem para os jornais com canetas molhadas na bica
E a inveja (sim, a inveja!)
É quanto fica

Como quem está num chá dançante
Duas velhas de penante depenicam uma intriga
Debicando bolinhos vários
Dizem mal dos operários que são a espécie inimiga

Chegam depois boas maneiras
Com anéis e pulseiras e sapatos de salto
São as bichas matreiras que só dizem asneiras
Sâo rapazes pescado do alto
E o que resta
É pó de talco

Chegam depois os vagabundos
Que por falta de fundos não ocupam a mesa
Têm olhos profundos,
Vão atrás de outros mundos que pagaram com sono e beleza
Mas o troco
É a pobreza

Chegam finalmente os cantores
Os que fazem as flores neste mundo de gente
São os modernos trovadores
Que adormecem as dores numa bica bem quente

Como quem está num chá dançante
Duas velhas de penante depenicam uma intriga
Debicando bolinhos vários
Dizem mal dos operários que são a espécie inimiga

Chegam depois boas maneiras
Com anéis e pulseiras e sapatos de salto
São raposas matreiras que só dizem asneiras
Sâo rapazes pescado do alto
E que resta
(Evidentemente que é) Pó de talco

Chegam depois os vagabundos
Que por falta de fundos não ocupam a mesa
Têm olhos profundos,
Vão atrás de outros mundos que pagaram com sono e beleza
Mas o troco
É sempre a pobreza

Chegam finalmente os cantores
Os que fazem as flores neste mundo de gente
São os modernos trovadores
Que adormecem as dores numa bica bem quente.

Para terminar: Tordo é um grande artista da canção nacional, sans blague. Tem uma voz com um timbre magnífico que me lembra no feminino a cantora Tonicha e canta muito bem, temas sempre interessantes e com músicas ainda mais.
É pena que não consiga viver bem de canções,  em Portugal, mas como dizia em 1971, "o mercado é pequeno". E nada mais. A não ser isto: em 1973, em pleno "fascismo" o mercado ainda era mais pequeno, mas Tordo tinha audiência e era capa de revistas. 
Quarenta anos depois, a qualidade artística manteve-se, mas quem faz as capas de revistas são outros artisticamente bem piores. De quem é a culpa? Do mercado... porque a cantiga deixou de ser uma arma contra a burguesia e a cultura é panorama muito mais vasto do que alguns entendem que deve ser. Quem deixa de ser figura do mercado deve procurar saber porquê.
Às vezes nem é por nada a não ser por moda que é coisa intangível e fugidia, como o aroma agradável de uma bica nem quente.

11 comentários:

Luis disse...

Que desapareça, é bom sinal!
Leia-se a entrada no blog Basfemias para se perceber a desavergonhada escumalha que esta gente é.
Não sei se o filho é bom escritor, pois nunca li nada dele nem dele alguma vez tinha ouvido falar. Culpa minha certamente mas ao encontrar o seu retrato na net em alegre cavaqueira e aos abraços ao Saramago e lendo os prémios literarios conseguidos e numero de livros já editados, cinicamente me questiono se não haverá dedo de favor pelo meio.
Aqui fica o link para o Basféemias
http://blasfemias.net/2014/02/20/o-problema-do-capitalismo-e-cairem-como-tordos/

Floribundus disse...

foi em viagem de negócios ao Brasil na altura do Carnaval

já viveu nos açores, naquelas ilhotas que deviam ser independentes.

tenho pena que a criançada de lá viva muito pior que o tordo, em tempos verdadeiro 'chernobyl'

depreendo da berraria que tínhamos obrigação de ouvir o gajo.
porra!!! nem que me pagassem!

Karocha disse...

KKKKKKKKKK Floribundos e mais não digo :-)

Floribundus disse...

Cara Karocha
tanto gosto em a ver por aqui.

ri-me tanto com a ironia do nosso Amigo José
que ainda não estou a-tordo-ado

um maldizente fez o maior esforço da vida para chegar à 3ª página da ..... do livro do filho

Anibal Duarte Corrécio disse...

"Tordo é um grande artista da canção nacional, sans blague."

Preferiria ler antes "Tordo é um grande nacional-caçonetista de esquerda, sans blague".

Se a ditadura comunista tivesse vincado faria parte do escol cultural do regime.

Karocha disse...

:-) Floribundos

Miguel Dias disse...

Sobre as qualidades literárias do filho também não me pronuncio, pois nunca li nada dele, mas esta frase "enquanto lá esteve contribuiu, à sua modesta maneira (...) para a libertação de um povo..." revela uma sobranceria típica da esquerda intelectual, julgarem-se moralmente superiores aos outros mortais. Qual foi o contributo do Fernando Tordo para a libertação do povo? E qual libertação? Se o PCP triunfasse e tivesse alcançado o poder absoluto, pós 1974, queria ver o contributo do Fernando Tordo para a "libertação" do povo português.
Julgam que têem direito a possuir um estatuto social, cultural, intelectual superior aos restantes cidadãos portugueses - a igualdade, para eles, é apenas para usar como propaganda - e quando a sociedade ou o Estado não lhes reconhece esse "estatuto" fazem birra, amuam e exigem um tratamento especial devido a um qualquer passado/antecedente "anti-facista".

foca disse...

José
Segundo o Blasfémias, parece que o Tordo pai conseguiu mais de 200000€ em ajustes diretos nos ultimos anos, de câmaras amigas.
Será que se esqueceu de pagar à SS?

jakim disse...

Achei piada foi àquilo do filho do Tordo. Escreveu uma cartinha ao papá, passou logo a ser "escritor".

Monchique disse...

Do Blogue Blasfésmias:
«O que é a Associação Cultura, Conhecimento e Igualdade do Género (ACCIG)? De acordo com o website, é uma associação que “nasceu a partir do ideal de duas amigas, Eugénia Passada e Rosabela Afonso, de contribuir, de forma activa, para que a democracia portuguesa se fortaleça com a participação de todos os cidadãos, em particular das Mulheres mais carenciadas”.

Os sócios fundadores são Eugénia Passada, Rosabela Afonso, Fernando Afonso e Fernando Tordo. Eugénia Passada é, de acordo com a resposta ao jornal i, esposa de Fernando Tordo. Rosabela Afonso foi chefe de departamento na RTP entre 1974 e 2003.

A ACCIG desenvolveu diversos projectos, entre eles “ARTE – fonte de bem-estar social” e “Centro de Empoderamento 2.0”. A ACCIG recebeu 90.000€ de apoio técnico e financeiro às ONG, de acordo com o DR – 2ª Série – Nº189 – 30 de Setembro de 2011, mais 112.000€ para o mesmo efeito de acordo com o DR – 2ª Série – Nº140 – 21 de Julho de 2010.

A ACCIG também contratou, por ajuste directo, a Stardust para um dois concertos de Fernando Tordo, por 47.500€ 10.000€ (em Seia, 31/12/2013 e Mangualde, 12/2/2014). Em suma, a associação fundada por Fernando Tordo e esposa contrata a empresa de Fernando Tordo para que esta realize um concerto de Fernando Tordo.»

O que vai fazer o MP com esta informação?

Dudu disse...

Para o valor da pensão mencionada, o Fernando terá descontado até 20 anos na melhor das hipóteses e tendo por referência o salário mínimo nacional!