Páginas

quarta-feira, 19 de março de 2014

Raquel Varela...diz que é professora.

Reproduzo aqui um postal de jcd, no blog Blasfémias, sobre uma tonta: Raquel Varela, que se diz historiadora do trabalho, num instituto da Nova ( que deve ser pior que o ISCTE) e produz asneiras de calibre inadmissível num estudante de secundário, dos antigos, ou seja do tempo do "fassismo" que a tal Raquel tanto vitupera por escrito.
Esta Raquel ensina. Mas ensina o quê, santo Deus? Quem é que avalia a sua prestação profissional, com ditos deste calibre que segue?

  Na sequência de um ´post´no Facebook, chamo também aqui a atenção para uma notável sequência imparável de disparates desta “entrevista” de Raquel Varela à SIC-N. Algumas pérolas da Raquel:
“Se nós produzimos 100 e temos 130 para pagar, é óbvio que não é pagável.”
Este argumento é mesmo de quem não percebe nadinha do que está a dizer e cai, uma vez mais, na habitual falácia de confundir fluxo com stock. Na escala da Raquel, produzimos 100 num ano, 200 em dois, trezentos em 3, 1000 em 10. E a dívida é 130.
“Nós neste momento já não temos filas de miseráveis que colapsam por ausência de emprego”.
Quando é que tivemos?
“suspender o pagamento de dívida pública, que aliás aconteceu na Irlanda.”
Aconteceu o quê, na Irlanda? A Raquel não para. Há uma atração para o abismo que se apodera dela e, do meio das roupas de marca e dos gadgets capitalistas de que a Raquel tanto gosta, brota um verdadeiro concentrado de palermice.
Mais da Raquel (que acredita que o dinheiro que o PS recebeu do SPD no pós 25 de Abril, foi utilizado para criar um colchão social):
“A suspensão do pagamento da dívida pública não pode ser feita sem garantir outras fontes de capital, nomeadamente os fundos de capital que estão na banca”.
Que fundos serão esses a que ela se refere? Pensará que há um cofre nos bancos com milhares de milhões de euros? É ao contrário, Raquel. Os principais credores da dívida pública portuguesa, para lá da troika, são os bancos portugueses. O que esta suspensão significaria seria um afundanço completo da CGD, BCP e BES. A primeira consequência da suspensão de pagamentos da dívida pelo estado português seria a necessidade de nacionalização da banca, o que, para a Raquel, corresponderá à concretização de um sonho de longa data.
“Na altura foi dito que o empréstimo [à banca] seria usado para pagar salários”.
Inventou. O empréstimo sempre foi para os bancos acederem a rácicos de capital mais elevados, de acordo com as novas normas de capitalização da banca.
Por aí fora. É absolutamente notável. E servem os nossos impostos para pagar salários a esta tonta…

Só mais um comentário, corroborando outro que li naquele postal: a dita não tem culpa de que a informação da SIC-N seja o nojo que é e que por isso a convidem para dar bitaites. Um tal António José Teixeira, chefe do departamento de informação é que tem. Mas o nível cultural do dito deve andar pelo mesmo rés-do-chão.

8 comentários:

JC disse...

Esta Raquel Varela é um Artur Batista da Silva mas encartado...
Tem uma vantagem em relação àquele mas eu nao digo qual é...

Anibal Duarte Corrécio disse...

“Se nós produzimos 100 e temos 130 para pagar, é óbvio que não é pagável.”

E que culpa têm os nossos credores disso?

A dívida é para ir pagando.

A dívida será pagável se o capitalismo português vencer.

Enquanto subsistir essa diferença isso quererá dizer que o capitalismo português não conseguiu expandir-se e ainda nos encontramos tolhidos pelas amarras da esquerda.

Esquerda cujo socialismo nunca resolveu qualquer problema e serve de manjedoura para aqueles que se servem desta ideologia.

O socialismo não produz. Nunca produziu.

Só contribui para os acomodados do Estado e do regime.

Vive de dizer mal e da fraca instrução do povo.

As Varelas deste mundo são parasitas que se alimentam do socialismo, de valor acrescentado nulo.

Floribundus disse...

neste rectângulo, se não o querem oferecer, deviam pedir ao Sr Putin para o anexar

tem saída directa para o mar;
não precisa de passar pelo estreito de Dardanelos


Vivendi disse...

Sou a favor que os comunas criem as suas comunas no Alentejo para colocarem as suas belas teorias em prática.

Mas primeiro vão ter de comprar os hectares e depois nacionalizam à vontadinha deles.

Outra vantagem seria que os merdia já podiam andar entretidos a acompanhar a experiência da incubadora comuna invés de se limitarem as entrevistas de palavras cheias de vento.

Vivendi disse...

Ah e tenho a certeza que o caviar não irá faltar nas comunas.

mujahedin مجاهدين disse...

Tem uma vantagem em relação àquele mas eu nao digo qual é...

É que não vai para a cadeia...

O socialismo não produz. Nunca produziu.

Nem o socialismo nem o capitalismo. Os países e as suas pessoas é que produzem.

O resto é uma questão de arrumação da riqueza e incentivo, economicamente falando.

Não foram apenas os xuxas que permitiram que a produção passasse toda para a China...

Sem produção só há uma coisa: dívida. Tanto faz pagá-la como não, crescerá sempre.

Lura do Grilo disse...

Os jornalistas comem tudo sem ripostar. Não acho que seja por amizade ... é que apenas são como ela.

José Domingos disse...

Temos de ter paciência, para com este farol de sabedoria.
Desde o 25a, que o ministério da educação, mais parece o comité central. É a educação a que temos direito, os resultados estão aí.