Páginas

terça-feira, 27 de maio de 2014

A intrujice do PCP repenica outra vez como um relógio de cuco

O PCP anda como um cuco e Jerónimo anda a dar as horas de todos os noticiários e a badalar o sino do patriotismo e da juventude e de novos amanhãs cantadores.

Praticamente, o PCP teve a votação percentual de 1975, o que os coloca na vanguarda da revolução já para amanhã.

Esta intrujice dura há décadas com a plena complacência de todos os demais partidos e media em geral. O PCP, partido essencialmente anti-democrático e de centralismo totalitário e fossilizado,  tem feito das tripas foice e martelo para convencer o eleitorado que respeita as regras da democracia burguesa. Coisa que Cunhal nunca respeitou intimamente, Jerónimo não respeita intimamente  e fazem sempre de conta que sim para que os passos atrás possam justificar o grande salto em frente quando a oportunidade surgir.

Esta sujeira democrática, incrível, sabida, consabida é sempre escondida da juventude, do povo que vota e da democracia que temos.

Até quando é que Jerónimo e sequazes continuarão a lançar foguetes com a politiqueira nacional sempre a aparar as canas?

8 comentários:

Floribundus disse...

os mamíferos do MONSTRO têm necessidade de um paizinho que lhes forneça
'comida, bebida, dormida e roupa lavada'
numa vida regalada

os camaradas andam a pescar nas águas turvas e revoltas do ps

o estado social faliu

o rectângulo seguiu o mesmo caminho sem retorno

'deixai-os falar que eles calarão-se ão'

'ognuno è in fondo perso dentro i cazzi suoi'

Anibal Duarte Corrécio disse...

A tática agora é apresentar na passarelle democratica jovens com bom aspecto e com força na verga, para simular a renovação.

Mas, por dentro continuam velhos, decadentes, a tomar o viagra do marxismo-leninismo.

A par de Soares, um dos maiores embustes do chamado regime democrático.

T disse...

O PCP existe graças ao aumento da esperança média de vida.

hajapachorra disse...

Completamente ao lado. As eleições de domingo passado não têm qualquer valor. Em 1975 o PCP e o MDP/CDE obtiveram 948.253 votos, quase um milhão de votos. O PCP/PEV nestas eleições europeias conseguiram essa enormidade de 416.396, nem metade. Entretanto, de 1975 a 2014, o número de eleitores aumentou quase três milhões...

Unknown disse...

Este tipo e a récua que conduz ( ou que o conduz a ele...) só existem porque os "dei exmachina" dos mérdia os fazem aparecer dia sim , dia também , nas folhas-de-couve ou nos telelixos diários, quais zombies tentando convencer-nos de que estão vivos.

José disse...

Escrevi "votação percentual de 1975".

José disse...

Porém, qual a razão para estes merdia serem como são?

É essa uma das questões que coloco por aqui.

Kaiser Soze disse...

Pela primeira vez em anos não fui votar.
Ainda pensei em fazê-lo em branco ou votar no Futre mas nem a esse trabalho me dei, lamentavelmente.

PSD e PS com diferenças de cosmética, nomeadamente pelo Rangel (esse pequeno Napoleão que me deixa tenso) estar mais magro que o Assis (que me agradava até ter dado a mão ao Seguro e sair-lhe da frente...e já se deve ter arrependido).
PCP e BE nunca, Marinho Pinto jamais.

Acho que caía para um gajo como o Thoreau, se ele aparecesse e isso é uma ideia que me atemoriza porque me deixa mais perto da Le Pen.