Páginas

quinta-feira, 22 de maio de 2014

A senhora Rodrigues já não se lembra ...da festa.

 RR:

A ex-ministra Maria de Lurdes Rodrigues afirmou nunca ter tomado qualquer decisão com intuito de beneficiar João Pedroso, o irmão do ex-ministro socialista, Paulo Pedroso. Em julgamento justificou ainda a contratação com a "falta de juristas" no Ministério da Educação.

"Não identifiquei nenhum técnico superior para fazer esse trabalho", disse esta quinta-feira Maria de Lurdes Rodrigues ao colectivo de juízes, quando questionada sobre as razões porque não escolheu nenhum jurista daquele ministério para o efeito.

A ex-governante socialista alegou "falta de recursos humanos e de juristas" no Ministério da Educação e a necessidade de encontrar alguém com um "perfil abrangente" de jurista, investigador e académico para dirigir um grupo de trabalho que ia sintetizar e tornar legível toda a legislação existente no sector.

Maria de Lurdes Rodrigues garantiu que não conhecia pessoalmente João Pedroso, embora soubesse quem ele era (tinha sido chefe de gabinete de António Guterres) e se tivesse cruzado com ele em duas reuniões de trabalho.

Revelou ainda que o nome de João Pedroso para integrar um grupo de trabalho, do qual também fazia parte António Landeira, foi indicado por Augusto Santos Silva, que já tinha sido ministro da Educação e que "conhecia pessoalmente João Pedroso".

A ex-ministra confirmou que convocou uma reunião com João Pedroso para discutir o trabalho e perceber se este era "exequível", mas demonstrou falha de memória relativamente a vários outros pormenores, designadamente relacionados com os honorários da contratação.

Além da ex-ministra, são também arguidos Maria Matos Morgado e João da Silva Batista, à data dos factos chefe de gabinete e secretário-geral do Ministério da Educação, respectivamente, e o advogado João Pedroso. Em causa está a contratação, por ajuste directo, deste último, para exercer tarefas de consultoria jurídica a partir de 30 de Janeiro de 2007.

O advogado da ex-ministra considerou hoje uma "ignomínia" que o processo seja julgado num tribunal penal e não no direito administrativo. "É uma traição intelectual e um acto criminoso", declarou Nuno Godinho de Matos à entrada para as Varas Criminais de Lisboa, onde Maria de Lurdes Rodrigues e outros três arguidos começaram a ser julgados, acusados do crime de prevaricação de titular de cargo público. 


Esta senhora Rodrigues quer fazer dos outros, particularmente o tribunal, parvos.  Só pode ser assim, tendo em atenção que o Ministério da Educação, incluindo as direcções-gerais,  do seu tempo,  tinha mais juristas, provavelmente, do que qualquer outro ministério.
Hoje em dia é assim...e dantes era mais que assim porque era mesmo assado.

É preciso ter em atenção que a tarefa adjudicada a preço exorbitante e faraónico, em flagrante ilegalidade criminosa, a um jurista, no caso João Pedroso, tinha como objectivo uma simples compilação de legislação publicada em Diário da República. A "complexidade" da tarefa que custaria centenas de milhar de euros ( a senhora Rodrigues não se lembra de quanto era, nem mesmo depois de ler a acusação...) consistia nisso, essencialmente.
Pois bem: a senhora Rodrigues não tinha ninguém no ministério para executar tal tarefa. Ninguém! Nem um "técnico superior" já funcionário do ministério da Educação! E por isso contratou o pobre Pedroso, pessoa que nem conhecia muito bem. É obra, de facto, tanta desfaçatez.

Quanto ao advogado Godinho, é uma raposa velha do classicismo nacional, porque é o homem da cicuta. A Maçonaria está sempre presente nestas ocasiões...

9 comentários:

FMS disse...

José, pouco mais importa senão isto.

http://estadosentido.blogs.sapo.pt/o-melhor-do-mundo-e-o-mundo-3307841

Anibal Duarte Corrécio disse...

Queriam pagar o trabalho e as custas da defesa do processo ao ófilo Paulo Pedroso e a melhor maneira que arranjaram foi contratar o irmão e fazer sair o dinheiro dessa forma.

Em Braga durante cerca de 40 anos enriqueceram.

E ainda dizem que Salazar era um fassista...

josé disse...

FMS:

importa ainda outra coisa: dar a cada um aquilo que lhe pertence.

Neste caso que se faça justiça, mas séria.

AAA disse...

José, aposta em como ela vai conseguir fazer o tribunal passar por parvo, para usar a sua expressão?

JC disse...

Contrataram o Pedroso para fazer o trabalho que, importa que se diga, não o fez!
No final do prazo inicialmente acordado, ainda nada tinha sido feito pelo contratado, que, como prémio, celebrou novo contrato para executar o tal trabalho de compilação, com novo prazo para o efeito!
Segundo prazo esse que, esgotado, também não deu à luz a dita encomenda!

E quanto a querer fazer de parvo o Tribunal, é o que esta gente tem feito sempre, em alguns casos com assinalável sucesso, como sucedeu recentemente no caso Taguspark.
Neste caso, aliás, com a descarada conivência do MP, que pediu ele próprio a absolvição e nem recorreu da decisão absolutória, apesar de haver um voto de vencido de um dos juízes do colectivo.

Uma vergonha.

Amélia Saavedra disse...

Tanta comissão de trabalho! Isto sim é que é trabalhar... :-)

Floribundus disse...

o governo pretende que os juristas do MONSTRO comecem a trabalhar
para não recorrer aos escritórios de advogados

José Gomes Ferreira teve a coragem de dizer na Sic
que aos técnicos do MONSTRO só falta sairem antes de entrarem

o ministério da agricultura, mais conhecido por alcatifa, conheci alguns

Nuno tem muita experiência, mas é dos homens sérios que conheci
nunca se pendurou no ps de que foi fundador
o boxexas não o suporte porque se recusa a andar com ele às cavalitas

lusitânea disse...

A maçonaria vai afagar devagarinho a pedra lá na loja adequada.A Sra vai ainda sair com louvor e aclamação. Caso o papel das fotocópias não seja do duro ainda pode ser colocado nos WC...da rapaziada do sapato com fivela de lado...e se doer é para se lembrarem das primeiras penetrações...

luis barreiro disse...

Isto só lá vai quando o povo trabalhador deixar de mandar dinheiro para lisboa.
é a única forma que encontro de isto endireitar.