Páginas

terça-feira, 19 de agosto de 2014

O nosso fado...com os artistas de sempre

Observador:

“Estou envolvido há muitos anos neste caso. Já vi escrito muita coisa e gostaria de prestar o meu depoimento”, lamenta, ainda em declarações ao Observador, Bernardo Ayala, que foi advogado externo do Ministério da Defesa entre 1998 e 2008. Acompanhou assim ministros da Defesa como Veiga Simão, Jaime Gama, Júlio Castro Caldas, Rui Pena, Paulo Portas, Luís Amado e Nuno Severiano Teixeira. Hoje em dia, pertence ao escritório de advogados Uría Menéndez – Proença de Carvalho, mas nos anos em que colaborou com a Defesa estava no escritório Sérvulo Correia e Associados.

Entre 2009 e 2011, Ayala foi arguido numa investigação do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) ao negócio da compra dos submarinos, tendo o processo acabado por ser arquivado em Junho de 2011. O advogado alegou sempre que só foi suspeito neste caso para possibilitar ao Ministério Público a realização de buscas e a apreensão de documentos.


Proença de Carvalho, outra vez. Sérvulo, outra vez. Outra vez. Outra vez. Como se explicará este fenómeno, esta coincidência ao longo de décadas? Portugal não tem mais ninguém, entre juristas de mérito, que esta gente?
Não temos mesmo ou a razão será outra? Como é que estas pessoas estão sempre na Sombra e a governar o país, sem mandato legitimo e apenas sufragados pelos representantes, não eleitos directamente, do poder executivo?
O que lhes ficam a dever e como lhes pagam? 
Portugal tem que mudar isto. Se não mudar, não muda o fado.

7 comentários:

Floribundus disse...

nas touradas o bicho entra na arena pela porta dos sustos

e só recua para marrar

os contribuintes são constantemente colhidos

Anibal Duarte Corrécio disse...

"Proença de Carvalho, outra vez. Sérvulo, outra vez. Outra vez. Outra vez. Como se explicará este fenómeno, esta coincidência ao longo de décadas?"

No Teatro da História alguém tinha que aparecer 'a fazer' de Sérvulo Correia ou de Proença de Carvalho.

O problema está em que 'Proença' ou 'Sérvulo' não têm 'adversários' à altura.

Tal como a direita actual, institucionalizada, tambem não tem.

Ou seja, 'os outros' andam a tratar da sua vida e a marimbarem-se para o resto.

Os cães lamentam, a caravana passa.

Os rafeiros nem isso.

Amélia Saavedra disse...

Pelos menos lá pelas terras de Sua Majestade... os partidos vão expulsando aqueles cujo discurso não encaixe na narrativa oficial do partido...
http://www.thecommentator.com/article/2725/tory_candidate_suspended_for_linking_nazism_and_socialism

mujahedin مجاهدين disse...

É a democracia...

Floribundus disse...

devia ser fado corrido

mas é fado no jocoso

Floribundus disse...

pensava eu que a sigla representava

departamento central
in acção penosa

Vivendi disse...

Hoje o Proença de Carvalho foi destaque no Jornal de Negócios na lista dos mais poderosos, o único inimigo apontado foi o Manuel Fino, de resto eram todos amigos e aliados (uma corja que não faz falta nenhuma ao país)...