Páginas

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

A culpa das conspirações, o síndroma do mensageiro e os métodos políticos de conquistar o poder

Observador:

O advogado e especialista em Direito Fiscal António Lobo Xavier disse esta quarta-feira no Funchal estar mais preocupado com “conluios entre instâncias judiciais, jornalistas e políticos” do que a eventual “ilicitude” de Passos Coelho como deputado entre 1995 e 1999.

“Já tenho anos suficientes na política, em Portugal, para não acreditar que isto é apenas uma coincidência”, começou por dizer à comunicação social, à margem de um seminário sobre “Competitividade Regional”, organizado pela Associação Comercial e Industrial do Funchal (ACIF).

Para Lobo Xavier, “os delitos fiscais cometidos por políticos, seja um primeiro-ministro, seja qualquer outra pessoa, são especialmente negativos não só por causa do acentuar dessa moralidade fiscal mas, sobretudo, porque se está num período de ajustamento em que são pedidos muitos sacrifícios às pessoas”.

Por isso considera que “seja um primeiro-ministro, seja quem for, deve ter a preocupação em ser transparente nesses rumores e nessas acusações e esclarecê-las de forma cabal”.

“Agora, do meu ponto de vista, há um aspeto muito negativo nesta questão, nós não podemos deixar de perceber que estas acusações ou estes rumores sobre eventuais delitos fiscais ligadas a figuras do PSD acontecem pouco depois de ter havido condenação de figuras do Partido Socialista”, recordou.

O fiscalista considera ser “lamentável que, num país, exista a possibilidade de algum modo instrumentalizar os segredos fiscais, os segredos dos processos para fazer compensações políticas desta natureza”.

“Obviamente os delitos fiscais ou de corrupção são iguais para todos qualquer que seja a sua origem ideológica mas temos a sensação, nós, cidadãos, que pode haver algum conluio entre instâncias judiciais, jornalistas e políticos, conluios que não percebemos, que não sabemos como atuam”, disse.

“É um fator de insegurança enorme e isso preocupa-me muito mais do que o delito fiscal em si”, concluiu.


De facto, o Antoninho Xavier tem razão: é uma chatice esta coisa de andar agora a vasculhar esqueletos nos armários arrumados dos políticos que temos, para os desconjuntar quando convém. Porém, atirar a culpa para uns conspiradores tenebrosos que se escondem nas fímbrias dos poderes de facto com estatuto democraticamente institucional- "instâncias judiciais, jornalistas e políticos"- é atirar ao lado e falhar os penáltis. Porque isto é um jogo, como já se percebeu há muito.

As pedradas aos telhados de vidro dos outros são lançadas agora, a poucos meses de eleições porque cada facção e cada partido desta democracia é assim que funciona. O mal, porém, não reside todo nessa actuação nefanda. O mal reside em quem dá azo às pedradas por ter telhados de vidro que não deveria ter.
Um político moderno sabe que não pode ter determinada espécie de vidro nos seus telhados, porque também anda a espiolhar o dos vizinhos para o mesmo efeito. E pretender que não venha a ser atingido quando estiver à mercê é estultícia de neófito. O Antoninho Xavier sabe disto muito bem, mas enfim, faz-se de ingénuo e procura defender o que mediaticamente é indefensável nos dias e costumes que correm.
O que acontece agora a Passos Coelho é clássico na política portuguesa de há umas décadas a esta parte. Por exemplo, em 1979, os sindicalistas bancários do PCP descobriram que Sá Carneiro e o irmão Ricardo poderiam estar em dívida "à banca" ( nacionalizada em 1975, mas com os factos anteriores ao 25 de Abril de 74) porque viram documentos que assim o permitiam concluir.
Esquecendo toda a alteração revolucionáriado PREC, em que fizeram as maiores tropelias de índole criminosa contra a nossa Economia, toparam a agulhinha no palheiro eleitoral e fizeram gala de a ir mostrando às pinguinhas no defunto diário estalinista do Partido, em notória violação criminosa do segredo bancário. Fizeram-no como se fosse uma verdadeira causa de interesse nacional e escreveram nas paredes "Sá Carneiro, caloteiro", porque sabiam que tal calava fundo em quem já não gostava do indivíduo. E eram muitos...
Os tribunais vieram a reconhecer que não existia dívida alguma que fosse cobrável e o assunto morreu com Sá Carneiro. Desde então o PCP passa por força política impoluta e mesmo quando se prova abuso de poder, corrupção e tráfico de influências, como sucedeu no caso da autarquia lisbonense a ajudar o Partido na sua festa anual, com disponibilização de meios públicos,  isso é desvalorizado e rapidamente esquecido. O partido é tão, tão impoluto que até se acredita que não tenham gasto nunca, verbas proibidas recebidas por meios esconsos da antiga URSS e quiçá, em tempos mais recentes dos monopolistas da banca. Porém, não temos media para levantar estas lebres, reservadas para quem detém o poder executivo de facto. E portanto, no pasa nada.

Agora passa, claro que passa porque é o Passos, primeiro-ministro perigoso para as aspirações da clique das negociatas e dos partidos de esquerda comunista que aspiram ao poder. O Passos é quem  fica na berlinda com a história da subvenção privada vinda dos finais do século passado. Porém é como se fosse hoje e o Público, com o denodado Cerejo e companhia, já andam em campanha como andaram no caso da licenciatura de José Sócrates, assimilando esforços em situações que em nada se assemelham mas que pretendem juntar para se reunir o agradável que é mudar de governo porque este, comos e fartam de dizer os comunistas,  só nos empobrece.

 E qual é o facto, portanto? Ser engenheiro falso numa câmara amiga, refazendo projectos inacreditáveis a troco de dinheiros não declarados? Não. Ser estudante de licenciatura em engenharia esconsa e com equivalências concedidas por amigo de amigos de negócios antigos, frequentando aulas que ninguém atestou com verdade documental e concluindo uma licenciatura a um Domingo, através de um exame via fax? Também não. Aproveitando um desaparecimento criminoso de uma ficha biográfica arquivada no Parlamento e que era potencialmente comprometedora, porque reveladora de uma falsificação?  Ora, também não.
E isso chegou para apear um primeiro-ministro? Ora...claro que não. Era o que faltava.

Porém, agora, o Passos parece que terá recebido espórtula substancial e  privada durante três anos do século passado em que deputou e acumulou. A duvida, única e agora levantada depois de esgotadas as demais hipóteses que incluiam mentir ao Parlamento, é saber se Passos declarou o IRS todo, nesses anos finais do século que passou há 14 anos. Passos nem sonhava ser o que hoje é ( tal como o outro, afinal) e se não declarou a espórtula lá o saberá dizer por que razão. Se é que sabe.
Quem é que nunca fugiu ao Fisco ladrão que temos? Os jornalistas moralistas que andam a investigar nunca fugiram pois não?

Isso agora não interessa nada. O que interessa é suscitar a dúvida sobre Passos para que a dúvida fique, se solidifique e o abata ao efectivo eleitoral daqui a uns meses.
É só isso que interessa e o Antoninho Xavier deveria saber que assim é e nada há a fazer. A não ser atirar pedras aos telhados dos outros. Que aliás são de vidro de janela de guilhotina e que quebram ao primeiro seixo.
Bora lá!

Em tempo: ainda iremos a tempo de ouvir o anterior primeiro-ministro no seu espaço privativo de opinião na RTP, concedido pela dupla Ponte-Ferreira, a mencionar este caso do Passos? Vai uma aposta?

9 comentários:

Floribundus disse...

diz-se à boca cheia que existe fortíssima ligação entre pcp, ps, jornalista e magistrados

não sei, mas penso que pode perfeitamente em certos casos (nada de teorias, mas realidades da conspiração)

há lobos que lhe vestem a pele

da net
“Eu fui o primeiro magistrado do Ministério Público que acusou um colega”, disse também Souto de Moura, referindo-se ao caso “Setúbal Connection”. Além de um procurador, o caso “teve arguidos de todas as forças de segurança implicando contrabando de tabaco, processo que prescreveu”, recordou o conselheiro.

zazie disse...

Grande post, José.

Floribundus disse...

‘’Miseráveis mortais, abri os olhos...’'
Leonardo Da Vinci

S.T. disse...


`` Parentum voto ac favore ``

josé disse...

Os pares apoiam...claro.

Maria disse...

Se a vergonha existisse no carácter desta gente inqualificável, da esquerda e da extrema esquerda, que nos anda a dar cabo da saúde e da vida há quarenta anos, já tinha desaparecido da nossa Santa Terra há muito tempo.

Ah, com que então eles acusam Passos Coelho de ter recebido uma determinada importância, segundo os falsos moralistas, indevida, algures no tempo e porventura com direito a ela, mas estes pulhas da vida airada que estão conluiados desde pelo menos 1973 com o bando maçónico que nos destruiu como País e Povo, nunca piaram um simples ai sobre os milhões de milhões que o senhor Mário Soares e pandilha asociada têm andado a roubar à socapa e à descarada e sem o mínimo receio de virem a ser um dia julgados e punidos pelos crimes económicos e políticos cometidos à luz do dia, desde há quarenta anos bem contados. Hipócritas d'um raio.

Isto, sem falar na mais mentirosa, vergonhosa e indigna campanha de atentado à honorabilidade de um cidadão, que por acaso era o Primeiro Ministro de Portugal, acusando-o de dever 30 contos(!!!) à Banca - que se provou ser uma falsidade de todo o tamanho e mesmo que fosse verdade o assunto só a ele dizia respeito e o que é mais, ele não andava a roubar escandalosamente os portugueses como o fazem todos os dias do ano os pulhas que nos desgovernam há décadas - com o intuito de fazer desaparecer do mapa, de um modo ou de outro, no caso violentamente planeado, a pessoa de Sá Carneiro, que o mais perigoso e criminoso bando que jamais existiu neste País sabia de ciência certa ser apoiado incondicionalente por 90% dos portugueses e que, não tivesse ele sido brutalmente assassinado pela mão do Diabo, viria a governar Portugal por muitos anos e bons.
Era isto mesmo que a maldita esquerda maçónica mais temia e hoje todos nós sabemos de sobejo os (muitos) porquês.

Esta conversa fiada entre Costa e Seguro para as 'primárias', não passa de mais uma manobra diabólica de diversão para confundir os incautos e em que a esquerda, toda ela, é exímia e que a cada ano que passa e consoante aqueles que estão no poder, é claro que só os que se situam no lado oposto do seu espectro político, têm que ser dele desalojados à força. Nesta reles farsa contínua que dura há décadas, sem que inacreditàvelmente os comediantes que nela têm vindo a tomar parte endoideçam dado o discurso consecutivo e repetitivo até à náusea, aquilo que muda de facto e só ligeiramente é a (sempre) péssima representação e os igualmente (sempre) maus actores em palco, porque a diabólica encenação e o não menos satânico conteúdo discursivo nunca se alteram.

Maria disse...

Leia-se "... associada...".

José Domingos disse...

Este país, está completamente podre. Tudo isto, é nojento, o que se fala, o que se censura. Campeia a cobardia, o lambebotismo, os moços de recados.Salazar, ao pé destes energumenos, era um santo.
A nossa história, não merecia isto.

Joaquim Carlos disse...

Perfeito, jose.