Páginas

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Fundação Mário Soares: quantos milhões já recebeu até agora, de dinheiro público?

CMjornal, em 28 de Setembro de 2011:

Para além dos 50 mil euros anuais que "o Município está obrigado" a dar como "apoio financeiro" à fundação de Soares, acrescem mais 14.825 euros, propostos pela vereadora da Cultura, Catarina Vaz Pinto – e que vão hoje a discussão e votação em reunião de Câmara.

O CM teve acesso ao contrato-programa, entre a CML e a Fundação Mário Soares, em que se adianta "a atribuição de apoio financeiro para o prolongamento, até ao dia 31 de Dezembro de 2011, da exposição ‘A Voz das Vítimas’, organizada pela Associação Movimento Cívico Não Apaguem a Memória" e pela fundação de Soares.

O protocolo entre o município de Lisboa e a Fundação Mário Soares, que obrigava a um apoio anual entre 30 e cerca de 44.000 euros, foi assinado a 07 de Novembro de 1995, pelo presidente da Câmara, Jorge Sampaio, vigorando no prazo de 10 anos, renovável para igual período. Ou seja, no mínimo até 2015.

Foi actualizado para 50 mil euros em Julho de 2010, pela vereadora da Cultura, Catarina Vaz Pinto, como "reconhecimento do trabalho levado a cabo pela Fundação". 


O dinheiro que a Fundação Mário Soares já recebeu até este ano será  da ordem de um pouco menos de dois milhões de euros, em quase vinte anos, desde 1995 e o governo de Guterres. Segundo o DN é muito mais que isso. Só no tempo de Sócrates foram mais de 3 milhões. É muito?  É. Para o caso, é. É um escândalo e por isso Mário Soares espuma com este governo que chegou a ameaçar acabar com esta mama. No "auge da crise", o governo de Sócrates deu-lhe 600 mil euros ...
Neste contexto, a notícia do CM sobre os 40 mil euros que "Costa dá à Fundação" é apenas um fait-divers". Na verdade quem financia a Fundação de Mário Soares somos sempre nós, contribuintes. E Mário Soares é um protegido deste sistema que parece ter medo de um indivíduo deste jaez...e por isso esta intenção ficou em águas de bacalhau. Os milhões, esses, continuam a fluir...

10 comentários:

N disse...

Traiam a Pátria que a democracia vos contempla.

Floribundus disse...

sempre a ensacar

espero que um dia façam à afundação o que fizeram ao gol em 1915

não compensa guardar umas merdas para satisfação dum EGO

lusitânea disse...

Na I GG os alemães enviaram o Lenine para lhes resolver a "frente leste"
Quem é que nos enviou o Soares e o Cunhal?

Bic Laranja disse...

« Sob o governo de Guterres [...] os cofres do estado abriram-se generosamente para a Fundação Mário Soares. Instalada num edifício camarário, recebia 7 500 contos anuais do governo para arrendar um gabinete a Soares (a que este tem direito como ex-presidente). O Ministério do Ambiente [sabemos quem era o ministro?] atribuiu-lhe 300 mil contos para uma nova sede; só o partido «Os Verdes» questionou a relação entre a Fundação Mário Soares e o meio ambiente. No final de 2001, através do ministro da Cultura, Augusto Santos Silva, recebeu 6 000 contos só para digitalizar os arquivos [umas jóias guardadas: documentos inéditos do G.O.L. dos anos 1910-34]. Durante cinco anos, Soares obteve do estado, para a fundação, 752 807 contos.
[...] Após dois mandatos, quase octogenária, Maria Barroso ficou dispensada da presidência da Cruz Vermelha pelo ministro da Defesa, Paulo Portas. Gerou-se polémica de alta densidade, como se o domicílio dos Soares fosse a nação inteira.»
J. Freire Antunes, Os Espanhóis e Portugal, 1.ª ed., Oficina do Livro, [Lisboa], 2003, 521, passim.

Zé Luís disse...

eh, eh, eh, se a gente não se ri morre de desesperante tédio :)

Bic Laranja disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bic Laranja disse...

A.P. [Abílio Pires}: Saímos de Lisboa ao princípio da noite. Caía uma chuva miudinha. Faríamos escala em Luanda. O Soares, coitado, fora apanhado de surpresa com a deportação e ia atrapalhado, falava-me na família... Sobretudo falou--me do filho, dizendo que estava preocupado porque ele revelava algumas tendências marxistas-leninistas... Às tantas, faz-me uma proposta: queria assinar um documento comprometendo-se a abandonar toda a actividade política para poder regressar à metrópole. Eu disse-lhe que não podia fazer nada — a decisão não era minha, era do Conselho de Ministros. Mas garanti-Ihe que, logo que voltasse a Lisboa, falaria com o governo. Prometi-lhe ainda que, se o governo aceitasse a proposta, eu próprio iria buscá-lo a São Tomé.

Estive uma manhã inteira no gabinete do dr. Silva Cunha, ministro do Ultramar. Não consegui convencê-lo. O Silva Cunha dizia que, logo que regressasse, o Soares iria envolver-se novamente em actividades políticas.

Foi uma grande asneira. Hoje, o Soares não seria ninguém. Nunca mais se livrava da acusação de» ter negociado o seu regresso com a PIDE.


Bruno Oliveira Santos, Histórias Secretas da P.I.D.E./D.G.S., Nova Arrancada, 2000.

mindeleaks disse...

Uma vergonha esta promiscuidade com o SR. Soares. É impossivel arranjar uma explicação para tanto dinheiro, para uma Fundação que nada produz.....

BELIAL disse...

Merdas-pai: aquela carcaça está a pedir eternidade...

Vai ser materialzinho para magníficas pompas fúnebres.

A servilusa será a incumbente
Se for até ao natal, ainda contribuo com 10 euritos e palmas.
Com as duas mãos - e muito respeito...

BELIAL disse...

BELIAL, sempre muito atento, venerador e obrigado...