Páginas

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Loira burra e doutorada em sociologia

Maria Filomena Mónica em entrevista ao i de hoje assume a condição de burra para se doutorar em sociologia e recomenta ao ministro Crato um "cone de burro".

Pronto, de burrices já chega e aqui vai a parte mais interessante da entrevista:


Conforme se lê, temeu que o seu doutoramento em Oxford ficasse em águas de bacalhau por se sentir burra, mas com ajuda de Salazar, porque escreveu sobre esse tema,  lá conseguiu o doutoramento per saltum, passando por cima do mestrado que era afinal o que pretendia. Tese? Prái umas centenas de páginas sobre o "regime salazarista, perceber como aquele homem governou tanto tempo e se passou da República para Salazar".
Será que a tese está publicada por aí, ou nem em alfarrabistas se topa? Talvez fosse interessante voltar ao tema e ler o que a então "burra" considerava fino dizer sobre o regime de Salazar.
Desde logo, produz uma afirmação de truz: "acho que Salazar correspondeu àquela fase da sociedade portuguesa em que era muito fácil governar Portugal. Provavelmente até eu governava Portugal com 80% de camponeses a morrer de fome e analfabetos. Quando tem 80% de pessoas no campo não h+a revoluções, as revoluções são feitas pela classe média ou pelos operários da cidade". 
Este chorrilho de patetices nem merece grande comentário porque aparentemente a condição primitiva e de intelecto com que chegou apetrechada a Oxford ainda a não abandonou.
Salazar e o Estado Novo foram a maior revolução do século XX em Portugal e se Salazar aguentou tanto tempo proavelmente é porque merecia e o povo deixou. Em 1974 produziu-se a segunda revolução do século que dura já 40 anos. Leva já no currículo três bancarrotas e um nível de vida, relativo, inferior ao que existia em 1974, no regime que Salazar deixou.

Por outro lado, MFM diz uma coisa espantosa para quem se formou em sociologia nos anos sessenta mesmo assumindo aquela triste condição asinina: "Sou formada em Filosofia, onde não aprendi nada, e tinha feito um estágio nas chamadas Ciências da Investigação Pedagógica. Como a sociologia era proibida em Portugal, achei que devia ser uma coisa fascinante, afinal era uma chatice de morte".

Tirando outra vez as tiradas adestras sobre a sua própria competência intelectual, fica a tal afirmação sobre ausência de Sociologia nesse tempo ( anos sessenta) por causa da proibição que Salazar impunha.

Impunha mesmo ou afinal o que era proibido seriam os isctes do tipo actual? É que sobre sociologia desse tempo há provas de que não era disciplina proibida.

Aqui ficam para mostra:


14 comentários:

BELIAL disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
BELIAL disse...

É uma espécie de Bobone, mas com menos graça.

O snobismo excessivo, com laivos de capricho maluco, obnubilam-lhe, por vezes, a percepção real das coisas.
Algo desnaturada, emocionalmente, não a diria burra.

Li algumas coisas com agrado.
Embora menores.

Os seus amores foram a sua bóia de salvação.

Não tem sentido prático, mas tem sentido crítico, muito do alto da burra "oxfordina(ria)"...

josé disse...

Ela não é burra, apenas se afirma como tal...

zazie disse...

Quem de Filosofia quer ir para sociologia e, pelo caminho, faz uma treta em "Ciências da Investigação Pedagógica" já disse tudo.

lusitânea disse...

Gajos e gajas a dizer que percebem da coisa como calceteiros só quando a coisa só pode virar por "ruptura" como diz o Jerónimo mas obviamente para em sentido contrário como demonstram as abstenções e votos branco/nulos...

BELIAL disse...

Mostrou, apenas, sentido prático - nas bóias de salvação.

Oh Oxford do tamisa
e dos amores que eu lá tive [bis]
quem te não viu anda cego
quem te não ama não vive
quem te não viu anda cego
quem te não ama não vive

De Oxford até Lisboa
foi Oxford meus amores [bis]
e sombra da minha capa
deu no chão abriu em flores [bis]

Vivendi disse...

Loira, burra e histérica.

Floribundus disse...

o PM Mariano de Carvalho dizia por 1880
'a agricultura é a arte de empobrecer alegremente'

os camponeses eram pobres em 1926 e co 80-90% de analfabetos

AOS herdou pesada herança

em 1936 todos os camponeses da minha aldeia alentejana entraram para uma escola nova e fizeram a 4ª classe em 40

foi um salto 'prafrentex' de woodstock a São Francisco onde a maior parte morreu devido ao LSD
o cantor morreu recentemente

há porcarias que parecem ter sido escritas na cadeia das Mónicas

'dá de comer aos corvos para eles te arrancarem os olhos' (pabula da corvis ....)

foca disse...

José
Esse José Julio não é o da Moderna? Que foi a Reitor

foca disse...

Essa gaja adora debitar tretas que possam chocar.
Para mim as melhores foram do tempo do Independente, quando afirmou que foi para Oxford ter com o amigo Gonçalves Pereira, que andava de Bentley, e que fez da libertinagem uma forma de vida, pois era engraçada e tinha de aproveitar (ou seja, vendia-se, como qualquer outra mulher da vida)

Floribundus disse...

nos anos 80 almocei semanalmente com JJ (posteriormente da Moderna) na Sociedade de Geo

nunca o ouvi falar da loira

achei engraçado o título dum post 'o crato de Schrödinger'
o conteúdo foi escrito com o do tubo digestivo

tal como no Min da Justiça o assunto das chefias intermédias devia ser enviado à PGR

josé disse...

"Esse José Julio não é o da Moderna? Que foi a Reitor"

Penso que sim.

hajapachorra disse...

Burra não faz mu.

BELIAL disse...

Com tanta folestria, foi, sobretudo, um caso de inseminação... "cultural"...

Devia ser uma bela toira, carago!!!...