Páginas

sábado, 20 de dezembro de 2014

As perguntas socráticas do Expresso



O Expresso publica hoje as perguntas que queria fazer ao recluso 44 e não fez porque as autoridades judiciárias a tal se opuseram.
Conta ainda que intentou "ontem" uma acção, melhor uma "intimação" com vista a anular a decisão ( judicial? Administrativa ? Do juiz ou do funcionário administrativo das prisões? Não diz, mas percebe-se que é administrativa).
Mas já nem precisa. A partir de hoje, as perguntas são públicas e quem quiser as pode fazer chegar ao recluso 44 que assim poderá escrever outra carta a vermelho ou rosa carregado e responder tranquilamente às mesmas.
O Expresso levanta agora a bandeira rota da sua liberdade de imprensa e do direito sagrado do  acesso às fontes como se isso fosse a última vaca sagrada que se respeita.
Desde quando é que o Expresso reivindica esse direito de acesso às fontes? O recluso 44 quando era Pm dava-lhes acesso a todas as fontes? E alguma vez intentaram intimações judiciais para tal?  
O Expresso continua o mesmo, à imagem e semelhança dos seus actuais directores, ambos cretinos e ambos pró-socialistas. Basta ouvir os comentários na Antena um do Nicolau do laço e as inenarráveis tiradas televisivas do outro para entender. 

Vejamos o  conteúdo das perguntas para perceber se eram mesmo perguntas ou apenasammais uma variante do "método socrático" em que o Expresso se especializou ao longo dos anos com a ausência de verdadeira investigação jornalística quando a mesma era importante, relevante e essencial, relativamente à actividade político-governativa do agora recluso 44. 

Neste método de perguntar, ensinado pelo Sócrates de Atenas, as perguntas são meios de conduzir o aluno a responder em conformidade com o que se pretende seja a resposta correcta. Ou seja, tudo o que o Expresso sempre desejou, desde o início, ou não fora o seu director Costa uma espécie de  apaniguado indirecto do antigo PM que lhe empregou a mulher ( Cláudia Borges foi consultora de comunicação do gabinete de Ana Jorge, ministra da Saúde em 2008, com um vencimento calado, o que deveria ser motivo suficiente para abandonar a direcção de um jornal). 

Assim, quando o Expresso pergunta  coisas que já foram perguntadas no interrogatório judicial e a que o mesmo jornal alude, tendo conhecimento do mesmo, ( eventualmente através de falsa "fonte judicial" porque devem resultar de documentos já em circulação por diversas pessoas e extraídos dos autos para diligências diversas como os mandados de detenção,  as buscas e a apreciação de recursos, etc) não espera certamente respostas diversas daquelas que já conhece.  Espera sim que o entrevistado adorne melhor as respostas,  justifique melhor as eventuais contradições e esclareça ainda mais a sua "inocência".O Expresso, no fundo apenas quer fazer um frete ao recluso 44 e isso parece claro através do tipo de perguntas expostas.
Quando o jornal pergunta se o recluso 44 sabe quanto recebeu de Carlos Silva já sabe de antemão a resposta que foi dada no interrogatório judicial e que aliás o mesmo jornal publica hoje em manchete: "Sócrates admite não saber quanto recebeu de Carlos Silva".  Pergunta retórica, portanto e inútil a não ser para o aperfeiçoamento do "método socrático" e a resposta conveniente. 

Todas as perguntas essenciais colocadas por este método socrático ao aluno recluso poderiam ter sido feitas antes, muito antes, na realidade desde que outros órgãos de informação relataram suspeitas de investigação criminal ao agora recluso e que mencionavam expressamente os nomes e factos aludidos.  Porque não foram? Nem é preciso perguntar porque o Expresso não responde. Censura. Omite. Internamente. Auto-censura-se. E percebe-se bem porquê.Não estão em causa os jornalistas das perguntas que suponho as poderiam fazer muito mais cedo. Está em causa a direcção deste jornal que aparece sempre como "referência" neste país cujas referências são estas. Ricardo Costa e Nicolau Santos, referências do jornalismo nacional! É assim,  não é?

Ao tempo em que as perguntas deveriam e poderiam ser colocadas, ou seja há longos meses, Carlos Silva já era apontado como amigo; a empresa Octapharma era conhecida como fonte do rendimento declarado; as notícias sobre os empréstimos duvidosos eram conhecidas desde que o Correio da Manhã as divulgou logo em finais de 2011. O apartamento de Paris era conhecido.  A relação com Lalanda Castro era conhecida como ainda haverá outros aspectos deste relacionamento por descobrir mas que o Expresso não pretende saber. Por exemplo, o relacionamento com a Administração Regional de Saúde de Lisboa e que também se pode ligar por notícias que nem aparecem agora.
Essa investigação, tipicamente jornalística, o Expresso nunca a fez, como nunca fez a investigação tipicamente jornalística e ao alcance dos meios disponíveis, para saberem o que aconteceu ao Sol ( com o seu anterior director, José António Saraiva)  ou no caso Face Oculta, quando se tornou evidente o que o antigo PM andou a fazer para alterar o Estado de Direito. Alguma vez o Expresso se preocupou com a "liberdade de imprensa" nesta altura verdadeiramente ameaçada? Não.
Por exemplo, o caso do "bijan" em que o então "prime minister of Portugal" manchou o nome do país numa montra de apparel de luxo, em Los Angeles. O Expresso nunca soube disto? Achou normal? Os jornalistas que agora fazem perguntas nunca quiseram saber disso? E porque não perguntam agora, com que dinheiro o então "prime minister of Portugal", pagou para deixar a mancha vergonhosa na montra de tal loja, impunemente? 

 Por motivos que me parecem óbvios, o Expresso não procura a verdade de factos que conhece. Procura apenas o efeito jornalístico que se aparenta a tal e lhe permite aparecer como se fosse um paladino da liberdade de imprensa que não pratica, porque censura internamente. Não precisa de Exame Prévio, porque o auto-exame é suficiente. Sempre foi assim, desde 1973. Contam-se pelos dedos da mão, ou sequer pelo mindinho, as investigações jornalísticas que o Expresso desenvolveu ao longo destas décadas para descobrir por motu proprio fosse o que fosse que mexesse no regime.  Tudo o que lhes interesse é a panhache da entrevista, a mancha de primeira página com informações sopradas pelas toupeiras ou o puro jogo da manipulação política. Sempre foi assim e assim continua a ser.
Investigação a sério, separada da judicial, com entradas firmes no mundo da corrupção politico-partidária ou apenas  indagações com suporte factual, não há no Expresso e nunca houve.
Para não ser injusto fui consultar os "anuários" do jornal, destas décadas.  O dos 15 anos, de 1987; o dos 25 anos, de  1998, dos trinta anos, de 2004 e o dos 40, deste ano.
Tirando uma investigação jornalística sobre o assassínio de Humberto Delgado, em 1977 que mais houve? Pouco ou nada. Nem sequer em relação ao caso das FP25, em meados dos anos oitenta, o jornal foi alguma vez mais longe que as autoridades judiciárias.
Tal como Jean Paul Sartre dizia ao mesmo Expresso em 5 de Abril de 1975, " a imprensa porruguesa de um modo geral não me parece muito boa. Ela não explica nada."  Continua a ser verdadeira tal afirmação e ainda está pior que naquela altura de há quase quarenta anos, apesar das escolas de jornalismo onde parece que os professores são antigos jornalistas que...nada explicavam.
 
Os casos Melancia-fax de Macau, Costa Freire, Leonor Beleza, corrupção com verbas da Europa? Nada que outros não fizessem melhor e primeiro.
Na última dúzia de anos, o jornal contribuiu alguma coisa para a melhoria do país em termos de percepção da corrupção institucional?  Pouco ou nada e de resto contribuiu para a farsa que foi todo o consulado de José Sócrates e a tragédia que se consumou com a bancarrota de 2011.
Houve uma coisa em que se distinguiu: na denúncia do caso Ongoing porque afectava o patrão, outro inenarrável  e com base em informações de toupeiras dos serviços secretos serviu o patrão em vez da verdade. 
Quanto a José Sócrates como governante serviu para evitar isto que agora se vê e o jornal percebe perfeitamente a não ser que sejam todos uma cambada de imbecis ( o que às vezes parecem , como agora com estas perguntas...)?
Pouco ou nada. Aquando do caso da licenciatura do dito, vergonhosa inacreditável e inenarrável, o jornal liderou alguma investigação ou foi a reboque dos demais, anunciando até pretensas campanhas negras, através dos seus comentadores avençados tipo Adão e Silva e quejandos?  
O jornal, ao longo de décadas preocupa-se apenas com um assunto: política partidária dos vários partidos de poder. Tão só. MFA, Sá Carneiro, Eanes, Soares, Sampaio, Cavaco, Guterres,  e tutti quanti que  fazem parte desse mundo. Manobras de bastidores, jogos florais, entrevistas e tem sido assim. Ir ao fundo das questões com comentadores que não encham apenas papel? Não há disso.

Assim, as perguntas de hoje são apenas o corolário deste jornalismo de caserna política.  Não procuram atingir qualquer verdade essencial, esperavam que o entrevistado desse as respostas convenientes que aliás já foi dando e quanto aos aspectos de pormenor como seja por exemplo o de perguntar se sabia que o amigo CSS tinha 23 milhões na Suíça, a pergunta é tão imbecil que até dói a imaginar a resposta. Tal como a de perguntar se no almoço com Pinto Monteiro falou sobre a investigação que corria contra si.
De resto quanto às perguntas sobre as circunstâncias da detenção  ou os que estão  intimamente ligados aos processo, o recluso nunca poderia responder e alegaria sujeição ao segredo de justiça. E se respondesse, violando o dito, seria sempre para mentir.  Ou seja, fazer o jogo de quem pergunta.
É para isto que o Expresso existe e quer fazer valer os pergaminhos pomposos da alegação sobre a liberdade de informação e o inalienável direito de acesso às fontes?

Se é, porque é que não as procurou quando o podia e devia fazer? Porque é que sempre omitiu aos leitores os aspectos mais tenebrosos das suspeitas que rodearam os governos do agora reclusoo 44?
Essa é que é a liberdade de informação que defendem? A de protegerem os seus?
Se é, podem limpar as mãos à parede forrada a jornais das últimas décadas.

10 comentários:

zazie disse...

Boa, José.

É dar-lhes forte e feio que isto já fede.

foca disse...

Estas coisas da justiça confundem-me.

O Espesso, na sua enorme sapiência, intentou uma acção judicial contra a decisão do director dos serviços prisionais e do Juiz, de não autorizar a entrevista do 44.
Mas quem e que aceita esta ação? Baseado no quê?

Se a lógica é que eram obrigados a deixar ocorrer a entrevista, então porque razão pediram autorização?
Eu se alguém me pede autorização para alguma coisa, parto do principio que posso dizer sim ou não!

Referir que o fizeram de acordo com o código deontológico da profissao (ética e jornalismo português são coisas que não consigo ligar) e que a CRP defende a liberdade de expressão é curioso.

josé disse...

Deve ter sido um advogado qualquer, engenhoso que se lembrou de inventar esta da intimação que é um recurso para os tribunais administrativos.

Vai dar água, claro. E o Expresso devia dizer quem patrocinou tal intimação e já agora os precisos termos, uma vez que também coloca as perguntas socráticas que queria fazer.

Está-se mesmo a ver o que o Expresso quer: mais uma vez, como aconteceu no caso Ongoing fustigar o sistema de justiça.

Terry Malloy disse...

Eu omitiria do seu artigo o nome do jornal e tínhamos, de certo modo, o retrato da comunicação social em Portugal.

Com todo o respeito por aqueles a quem o retrato não fica bem (até porque tenho um par de grandes amigos jornalistas), a esmagadora maioria dos jornalistas em Portugal encaixa-se numa de quatro categorias: a mediocridade, a cobardia ou o comprometimento (financeiro ou ideológico), sendo a quarta "all of the above".

As poucas excepções, que as há, são "os pistoleiros do costume"...

Como em tantas outras áreas.

foca disse...

O que o Expesso podia fazer era um forum para o pessoal enviar propostas de perguntas.
Por exemplo:
É verdade que pega de empurrão? (que o 44 ficava logo marcado e a seguir respondia a tudo com os olhos em chama!)
A Cancia é sua namorada, ou aquilo é uma nova forma de relacionamento?
Não tem vergonha de ter uma mae rica a viver de forma tão modesta?

Depois se possível também era fixe fazer umas perguntas ao perguntador do Espesso.
Onde é que compram Mercedes serie S com os extras visíveis por 80000? É que o tuga comum tem de dar 95000 mais 10000 de extras!
É normal fazerem perguntas e as respostas em simultâneo?
Logo na 1ª pergunta o que querem dizer com "qual a sua relação com ..."?, estão a insinuar que o 44 é maricon?

JC disse...

"É verdade que nunca se dirigiram a si pelo nome José Sócrates"

Que raio de pergunta é esta?

Se isso for verdade, como é que os jornalistas souberam disso para poder formular a pergunta?

Foi o advogado do recluso que disse isso a algum órgão de comunicação social?

BELIAL disse...

E finalmente a pergunta sim ou não.

CONTINUA a ser ludibriador?

SIM ou NÃO?... :-)

JC disse...

"Quem é o Carlão"?

José disse...

A minha pergunta era apenas uma:

Onde está a procuração?

Joaquim Carlos disse...

Podia-se exportar o Expresso em suporte papel para os sanitários da Sicília e da Coreia do Norte, onde a investigação livre e corajosa viceja.