Páginas

domingo, 25 de janeiro de 2015

pérolas a recos


O advogado Araújo, no seu afã de defesa do recluso 44, quer à viva força que o reco que o mesmo traz aos ombros e que toda a gente vê, seja afinal um gatinho de estimação que mia como um desalmado.

Dinheiro do grupo Lena? Pois sim, mas ganho honradamente em concursos públicos.  Santos Silva testa de ferro? Qual quê! Amizade pura, como nunca se viu nem verá jamais, mas em que todos devem acreditar, porque a prova é de quem acusa... 

Processo político? Claro, como todos os outros, incluindo do das FP25 em que o advogado Araújo foi causídico.
Sócrates a fugir? Fantasis. Só não fugiu porque não quis. Ou então porque sempre pensou que "eles não têm coragem de me prender"...

Ainda deve haver mais pérolas destas a alimentar o reco. Esperemos para ver.

Ontem numa televisão o advogado Júdice da PLMJ, depois de afirmar que nunca na sua vida corrompeu ou foi corrompido ( certamente naquele género do toma lá, dá cá que outros géneros não deve entender) , disse que  estas coisas dos milhões lá fora, com testa de ferro pelo meio e entregas camufladas em envelopes discretos, se forem verdadeiras, revelam uma grande incompetência e burrice do recluso 44 porque, segundo o entendido causídico, há formas mais eficazes de esconder dinheiro. O entrevistador, um coiso inefável, não teve presença de espírito para perguntar como era...mas não obstante, o entrevistado não pôs as mãos no fogo pelo recluso e até disse que toda a gente acredita que isto é verdade...


5 comentários:

Maria Matos disse...

O grupo de Leiria corrompeu José Sócrates? Só.? E a tralha socrática? e os financiamentos ao partido? Cá para mim é por isso que andam todos a caminho de Évora a exigir ao 44 que não fale pelo menos até às eleições.
Espero que fale e se deixe de tretas. Ele foi agarrado. Falta saber quem mais dentro do PS está metido nesta vigarice.
Já chega de nos tomarem por parvos e venderem que a culpa é de um homeme só. Vitorino foi o único que resumiu a coisa (3 dias após a detenção) e cito:

«Eu acho que, em primeira linha, atinge o Partido Socialista....
Obviamente, porque o engenheiro Sócrates tem sido sempre
um referencial do Partido Socialista, sobretudo da experiência política
mais recente. E em segundo lugar porque, obviamente, um crime de
corrupção significa a prática de atos ilícitos em troca de
contrapartidas no exercício de funções públicas. E essas funções foram em representação e por mandato do Partido Socialista»

foca disse...

Desde as primeiras aparições no Parque das Nações, até às entrevistas ou seja aquilo o que for, ainda não percebi porque razão há por aí um conjunto de comentadores que dizem que o monhé é brilhante e sei lá mais o quê!
Confesso que acho absolutamente idiota, com esperteza saloia do género dos pintas tipo Zeze Camarinha.
.
Esta defesa avança pelo mesmo registo.
Então uma obra entregue por concurso é imaculada?
E quem nomeia o jurí?
E quem nomeia o dono do tribunal de contas?
E quem gere o concurso (que pode ir avisando um dos concorrentes sobre os segredos dos outros)?.
.
Ou eu muito me engano, ou a coisa do Araujo ainda vai ficar com o amigo do peito a ficar como o culpado de ter sido corrompido, e o 44 a ser uma "vitima" inocente de aceitar a generosidade ilimitada do outro.

Terry Malloy disse...

De importante no artigo - "a origem dos fundos detectados na Suiça, já indiciada e reconhecida como tendo origem em sociedades do Grupo Lena".

Por isso aparece o senhor Júdice a dizer "se foi assim, é estúpido".

Pois. Se isto já está estabelecido em sede de investigação, é como dizia a mulher do advogado, "ooops!..."

Victor Nogueira disse...

Bem, tb o salgado do espírito santo em liberdade que foi ao fundo recebeu um "amigo desinteressado que loibérrimamente lhe deu uma prenda desinbteressada, um tal pepe guilherma, de ... 14 (catorze) milhões de euros. Sem esquecer que foi no Governo de doutra pepita que beneficiou dum perdão fiscal de largos milhões de eurros, apesar de fugas ao fisco.

josé disse...

Porém, o Salgado não tinha poder para influenciar por via governamental a adjudicação de obras públicas e se o tinha por via indirecta, não era funcionário do Estado.

A diferença está aí...