Páginas

domingo, 29 de março de 2015

Pimpinelas, mortáguas e afins

Antes de 25 de Abril de 1974,  no "fascismo", sabia-se quem mandava. O poder político comandava o país e não dava folga aos pimpinelas, aventureiros, aldrabões tipo artures baptista da silva e outros artistas de um circo que se instalou no país após essa data.

O poder, actualmente, encontra-se disseminado por vários grupos, alguns de cariz político, reunidos em facções nos vários partidos e outros discretamente constituídos em agremiações de interesses mútuos que lutam em permanência para conquistar as rédeas da governação de facto. Alguns desses grupos agem secretamente em reuniões de conspiração permanente como a Maçonaria e o grupo particular de um certo Balsemão que tem a Impresa, actualmente configurada como uma  agremiação de interessados em controlar o poder mediático em nome de valores que não servem o país.

Em 1975 os grupos mais aguerridos nessa actividade passaram a uma clandestinidade antes já experimentada e perante o fracasso da tomada de poder pela via eleitoral, subverteram as regras e passaram rapidamente aos métodos terroristas de actuação, com assaltos a bancos e assassinatos de pessoas concretas, tornadas inimigas do "povo" e do poder popular que tais grupos defendiam.

Logo em Outubro de 1975  a dependência da Damaia do Banco de Angola e a delegação do Banco Totta & Açores de Mira de Aire  foram assaltadas e a respectiva autoria atribuída ao famigerado PRP-BR, então liderado por Carlos Antunes e Isabel do Carmo a dupla revolucionária.
Em Janeiro de 1978 foram apanhados os supostos autores e um deles denunciou publicamente, nessa altura e posteriormente, em 20 de Dezembro de 1980, em entrevista ao Expresso que o dinheiro roubado fora para o PRP-BR, uma das associações de malfeitores da época.


Esta actividade lúdica destes revolucionários do proletariado foi mantida durante uns bons dez anos. Em 19 de Junho de 1984 ocorreram as primeiras prisões destes beneméritos e em meados de 1985 foram acusados 73 indivíduos, tendo à cabeça o célebre Otelo.  Assassínios, assaltos e malfeitorias diversas foram-lhes imputadas e depois de algum tempo de prisão acabaram todos amnistiadinhos da silva. Limpeza de um regime de mãos sujas cujas mãos se lavaram assim.

Uma das teóricas desta paralapatice revolucionária era Isabel do Carmos que ocasionalmente surge nos media como médica de uma especialidade qualquer.

O Jornal deu-lhe voz em 11 de Janeiro de 1980 para explicar as malfeitorias pelas quais estava presa.

Como se pode ler, esta benemérida da Revolução, então prestes a ser julgada pelos seus crimes,  sempre esteve inocente e tal foi atestado por uma caterva de artistas da época, como se pode ler: José Afonso, Fausto, Sérgio Godinho, Fernando Pereira Marques ( Luar) etc.

Ora estas actividades revolucionárias em nome de um proletariado que nunca lhes passou procuração tiveram desenvolvimentos vários e origens certas e determinadas.

O Jornal de 16 de Maio de 1980 mostrava uma pequena resenha do historial desta gente.

Um dos pioneiros deste naipe de heróis nacionais foi Palma Inácio, co-autor de um célebre e rocambolesco assalto ao Banco de Portugal na Figueira da Foz, em 1967.

Na altura, o assalto rendeu grossa maquia  de "fundos recuperados" e logo deu para formar o famigerado LUAR que tinha outros elementos também tornados célebres.
Um deles chama-se Camilo Mortágua, também co-autor nessa "recuperação de fundos".


Em  Março de 1975, de cara descoberta fizeram um congresso que a Flama reportou e cujas imagens mostram um Coliseu dos Recreios repleto de adeptos.




O referido Camilo Mortágua na altura não se coibia de afirmar perante milhares de testemunhas:

" Se as condições o exigirem, se o contexto actual se modificar, estamos dispostos a repetir de novo a recuperação de fundos", ou seja, os assaltos a bancos, como ocorreram dali a pouco tempo...

Na assistência, os ditos testemunhantes, artistas de sempre: José Afonso, Sérgio Godinho, Carlos Alberto Moniz, Vitorino, Francisco Fanhais e outros que tais. Os mesmos que anos mais tarde juravam por tudo o que lhes era sagrado que aquela gente estava toda "inocente". E estava, claro que estava...uma inocência a toda a prova que só encontra paralelo na actual situação do recluso 44...

Na época ainda não era nascida Mariana Mortágua, uma "estrela portuguesa", a rapariga adepta do futebol feminimo que agora faz ums dribles na Assembleia da República na comissão de inquérito ao caso BES. Parece que até o capitalista-mor, Salgado a terá elogiado...

Mariana nasceu em 1986 e é filha de Camilo, o desavergonhado "recuperador de fundos", um terrorista nem assim tanto arrependido e que por sua vez se transformou em agrário...
Mariana Mortágua é filha desta cultura e faz agora parte do Bloco de Esquerda, tendo substituído o deputado Louçã.

Vistas bem as coisas, a lógica da substituição e a ascenção ao estrelato mediático nacional, tem toda a lógica revolucionária do tempo que já passou.

E um dos empresários destas estrelas não deixa de ser o mesmo Chico Balsemão que nos anos oitenta se tornou em mestre de cerimónias das figuras excelsas do grupo Bilderberg.

la boucle est bouclée.


26 comentários:

Floribundus disse...

dizia que o antunes não passava de porteiro da casa da autora de 'puta de prisão'

tudo gente muito fina

Floribundus disse...

dizia-se

'num' queria acreditar na história do monte pio

Carlos disse...

Aqui, descambou de vez para sacanice mais abjecta encapotada de pseudo opinião.

Não sei se gostaria de ver, aqui, ou noutro local público, a colagem das suas filhas, ou das outras que também diz ser suas, coladas à porcaria que vai debitando?

A colagem e a subtil denúncia da actividade de uma actual deputada, ao passado do seu pai, é da mais pura f.d.p. intelectual, que o autor deste blog se prestou.

Esperava muita coisa do José, mas este "post", fez-me perder qualquer reserva a seu respeito.

zazie disse...

Essa agora! acaso ela esconde de quem é filha ou ele passou para a clandestinidade com vergonha?

zazie disse...

Olha aqui, palerma, a própria a ostentar esses pergaminhos:

http://visao.sapo.pt/de-alvito-para-a-ribalta=f805331

http://pt.blastingnews.com/politica/2015/03/mariana-mortagua-em-grande-destaque-na-bloomberg-00324227.html

zazie disse...

E mais na RUC

http://www.ruc.pt/2015/01/20/a-pretexto-mariana-mortagua-e-o-gosto-da-politica/

É só orgulho

zazie disse...

E mais

http://semanal.omirante.pt/index_access.asp?idEdicao=686&id=106222&idSeccao=12238&Action=noticia

zazie disse...

Este diz que é o pai que deve estar orgulhoso

http://o-antonio-maria.blogspot.pt/2014/12/bes-quem-pergunta-e-quem-dispara-ao-lado.html

Floribundus disse...

'infelizmente há LUAR'

Carlos disse...

"Este diz que é o pai que deve estar orgulhoso"

Só lhe fica bem, reconhecer orgulhosamente a sua paternidade.

Mas isso, não dá o direito ninguém, ou não deveria dar, o subjugar a sua actividade política actual, ao passado do seu pai.
Tão só!

Quanto ao palerma, fica-te com a pequenez da tua existência, que já muita preocupação te deve causar.

foca disse...

Interessante
Então a mana Mortagua não está na AR a lutar contra as famílias que tomam conta de Portugal há décadas?
E afinal ela própria também nasceu numa!

Ela e a irmã, que também anda por aí a debitar intelectualidades do alto dos seus 20 e tal anos de sapiência.

Nota. Só não fico mais arreliado com o papel da moça na CPI porque os gajos do PS, aquele gordo a largar peçonha do PSD e até a Meireles do CDS ainda são pior.

zazie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
José disse...

O pedigree destes artistas não é inócuo e precisa de ser conhecido.

Só quem se arma em estulto pensa o contrário.

José disse...

Ou então terão vergonha da ascendência e nesse caso lá saberão porquê...

josé disse...

Olhe Carlos:

Não tinha lido o comentário supra, mas li agora.

Ponha-se a mexer daqui para fora, já!

josé disse...

E não volte mais porque é um asco.

Carlos disse...


Não vai chamar a PIDE, não?

Quando a oportunidade surge, lá se vai o verniz. Já não é tendência, é mesmo o produto.

José disse...

Não vou chamar a pide mas vou chamar-lhe nomes se insistir em conspurcar o sítio com esse fedor.

atrida disse...

As famigeradas brigadas chegaram agora ao teatro, numa peça que, atendo ao que a Antena 2 (!!!) anuncia, deve lavar mais branco que um banco suiço.
"Ainda nessa noite, o Cine-Teatro Paraíso abre portas um pouco mais tarde do que o costume, para receber às 22h30 o fatias de Cá com a peça "Brigadas revolucionárias (1968-1974)", um texto de Carlos Antunes (!!!) e Carlos Carvalheiro onde se abordam as acções inovadoras (!!!)contra o governo de Marcello Caetano no estertor do regime."
http://noticiasdoribatejo.blogs.sapo.pt/tomar-mostra-de-teatro-concelhia-faz-de-3337499
E, já agora:
http://semanal.omirante.pt/index.asp?idEdicao=382&id=51872&idSeccao=5720&Action=noticia#.VRk06_zF_eA

josé disse...

Inacreditável! Nem na Itália...

josé disse...

Esperem um pouco que vou lembrar o que se passou.

atrida disse...

É mesmo vergonhoso, José. O anúncio da Antena 2, repetido já várias vezes, diz algo como "as brigadas não atentaram contra a vida humana".

Carlos disse...

"Ponha-se a mexer daqui para fora, já!
Oh senhor guarda, desapareça..."

Descubra lá as diferenças.

"...mas vou chamar-lhe nomes se insistir em conspurcar o sítio com esse fedor."
Para quem tem como assistente, a supra-sumo da decência - é obra.

Por agora aqui me fico. No entanto, já deveria saber também: "que a mim ninguém me cala" ok!?

Carlos disse...

Ops!...

Quanto ao asco, troque lá de monitor porque o seu está a fazer muito reflexo.

Josephvs disse...


Os caes rafeiros ladram na rua, por vezes sao corridos à pedrada lol

Carlos disse...

"Os caes rafeiros ladram na rua, por vezes sao corridos à pedrada lol"

Escroques. Mas no Afeganistão, são as mulheres.

Enfim, a cada um o seu fundamentalismo.