Páginas

quinta-feira, 30 de abril de 2015

A. Costa já deixou de pensar "em grande"?






Segundo o Instituto Nacional de Estatística, a taxa do desemprego no 4.º trimestre de 2004, o último antes da tomada de posse do primeiro governo de José Sócrates, era de 7,1%, correspondendo a 389 mil pessoas.
No 4.º trimestre de 2010, o último antes de Sócrates se ter demitido, subiu para 11,1%, atingindo 619 mil trabalhadores, tendo o governo já admitido, no PEC IV apresentado este mês, que o desemprego já estará nos 11,2%.

 Uma coisa se deve reconhecer: a modéstia do actual secretário-geral do PS...

6 comentários:

Floribundus disse...

tó monhé anda muito desfigurado
galamba também apareceu na versão borrado de medo

a rataria anda a afiar os dentes

foca disse...

O outro delirava mas dizia que era com o crescimento da economia, e com o investimento publico maciço.
Não é sustentável, mas faz algum sentido.

Já o monhé diz que baixa o IRS dos trabalhadores e com isso criam-se 15000 empregos !!
Talvez por magia, ou então uma espécie de teoria do caos aplicada à economia, com a história da borboleta a bater asas na China e isso causar tufões nas Caraibas.

BELIAL disse...

Vai ganhar, por poucochinho.

Mesmo com raiva máxima e ressaibiada - à actual governança

Essa é que é essa.

Não há fotogenia, naquela arrepanhada máscara de amarelada fleuma.

BELIAL disse...

Tal como o teste do níveo algodão: o costa, não engana!

What you see, is what you get.

Não sei se me faço entender... :-)

BELIAL disse...

Muito ressentimento azedo, muito reclacamento para sublimar.

De tanto que engoliu e amochou.

Mortinho por ser jumping jack - o tó da mola:

Apache disse...

Criar 15 mil postos de trabalho não é difícil, basta despedir 15 mil pessoas mais que o número de excedentários e já está.