Páginas

domingo, 17 de maio de 2015

A mutação genética da cultura nacional

Crónica de VPV no Público de hoje. " Sucede também que a atmosfera em que se formou o regime, em 1974 e 1975, contribuiu para solidificar as principais facções com instrumentos de poder  institucional e político que dali em diante não tornariam a largar", escreve.





O PCP nos anos 50 ou 60 é um partido de massas ou aspirante a tal? Nem por sombras. É um partido de seita em que os acólitos são fanáticos e até mesmo mártires. É um partido de catacumbas que promete uma vida melhor nesta terra aos que nada têm de seu a não ser a força de trabalho. Esse leit-motiv transformado em programa é de uma força avassaladora quando se trasmuda em credo seguido. O exemplo pode ir buscar-se à religião cristã em que os primeiros  cultores se esconderam para praticar os ritos, sendo perseguidos pelo poder de então.  Quando a doutrina se espalhou  livremente e influenciou o poder, tinham passado mais de 300 anos. A religião cristã venceu e suplantou as seitas pagãs. Para tal foi necessário o dar-se a conhecer, divulgando-se a doutrina e os seus efeitos nas pessoas que a aceitaram como a melhor religião para as suas vidas. 
"Pelos frutos se conhecem as árvores"  é expressão derivada de parábola do cristianismo.  Os frutos do cristianismo eram as "promessas de vida eterna" no Céu e o amor a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos.  Não há outros frutos que sejam podres.
E no comunismo, particularmente o seguido pelo PCP?  Há imensos frutos podres que foram escondidos , em detrimento das vistosas proclamações de amanhãs a cantar para as classes trabalhadoras e de igualdade assegurada entre todos, pela eliminação das classes de pessoas, em resultado da abolição da exploração do homem pelo homem. 
Estes desideratos grandiosos, para viver na Terra e não em qualquer Céu no qual nem acreditam, fundou o comunismo e solidificou a crença da seita, até hoje.
Os fanáticos desvalorizam qualquer facto ou fenómeno que aparentemente possa contrariar tais objectivos auspiciosos e por isso continuam a lutar pela causa, como se fosse a única razão de viver.
Uma seita porém, não se transforma em religião ou partido de massas se não concitar crentes e aderentes e estes só aderem e passam a acreditar na medida em que as propostas forem credíveis, exequíveis e confiram  uma identidade de credo e afiliação.
É neste processo de transformação das ditas correntes de moda para as de fundo que ocorrem os fenómenos  que  podem condicionar o crédito na doutrina e na religião nascente em forma de partido político de massas.
Ora o PCP e os partidos da esquerda comunista em geral, antes de 25 de Abril de 1974 eram um grupo de sectários sem expressão relevante. Poucos milhares de aderentes e poucos  militantes.
Porque razão encheram praças e comícios, aos milhares e milhares logo a seguir ao 25 de Abril de 1974?
Por curiosidade da política? Por fenómenos tipo maria-vai-com-as-outras? Não me parece.  

Então que razões mais poderá haver?Vejo uma: adesão genuína ao sentimento geral da esquerda que é o da igualdade, o da solidariedade, seja lá isso o que for e à ideia de que os partidos de esquerda são "pelos pobres".
Essa ideia base é o cimento do predomínio da Esquerda em todos os sectores, incluindo no aparelho de Estado. 
E é esse logro que se torna mister desmontar, começando por compreender a origem o equívoco.  

Daí que o artigo do Dragão seja importante e seja igualmente importante repescar estes temas para a discussão pública que aliás não se faz porque nunca se fez verdadeiramente.

17 comentários:

Zephyrus disse...

Uma deputada sozinha,

contra a vontade da maioria dos portugueses,

e perante o desconforto de parte do partido,

anda há anos activa e consegue aprovar leis rosa.

Seu nome é Isabel Moreira.

Chega onde quer sem qualquer suporte visível, seja na sociedade, seja no mundo político.

Como?

Mais por passividade da sociedade e do mundo político.

Somos fracos. Uns cobardolas. Será isso?

Zephyrus disse...

A Direita está calada.

Tem medo de quê?

A Igreja não age.

Os patrões são uns falinhas mansas com medo dos sindicatos e do PS.

Um bando de fracos.

josé disse...

Essa Moreira é uma moreia que não tem vergonha alguma e se julga capaz de impor o que pensa aos demais.

Não há ninguém que a desfaça intelectualmente porque a mesma não acusa qualquer toque.

É doida.

josé disse...

Varrida. E o PS tem desta gente porque nada mais tem.

zazie disse...

A pergunta é pertinente e também não tenho resposta.

A partir das ocupações entende-se.

As ocupações e a Reforma Agrária devem ter feito a cabeça a muito mais gente e seus descendentes que podemos imaginar.

Antes disso também não sei e concordo que o PCP era clandestino e não era nada uma coisa com milhares de militantes.

O povo até era despolitizado.

Se outra explicação não existir ela pode estar mesmo na alminha tuga- no efeito poético que as utopias têm, no sonho e até num sentimento de coitadinhos dos pequeninos.

O que, diga-se, não encaixa no mito Imperial mas que também teve essa variante menor e revolucionária no Brasil.

O efeito dos mitos cá tem de ser cruzado com as variantes às avessas no Brasil e nos efeitos que tiveram para os independentismos revolucionários.

zazie disse...

O que a maluca da Moreira diz já é lei nos países nórdicos ou na Bélgica e Holanda e nem sequer precisa de ser de esquerda.

O liberalismo gosta dessas merdas.

zazie disse...

«e se julga capaz de impor o que pensa aos demais. »

E impõe. Tem os ventos da História por ela.

Até as novelas vendem. É um efeito zombie de colonização mental

zazie disse...

Olhe, esse é que pode ser mais um exemplo que ilustra o que o Caetano dizia acerca das correntes de propaganda.

As modas de superfícies tendem a ser cada vez mais rápidas, com mais megafones e infiltram-se nas camadas mais profundas e estruturais.

aragonez disse...

Esta deputada Moreira é-me insuportável quando aparece na tv.
Só sabe destilar as suas opiniões com uma expressão facial muito contraída.
No outro dia, o meu filho de 30 anos cahmou-me quase burro quando ambos apreciávamos a Dama:Mal com.... Pai, mal comi.....Pai!
Será? E não haverá uma lama caridosa?

aragonez disse...

Alma, não lama!

foca disse...

José, é que é mesmo isso, o PCP continua uma seita de fanáticos, absolutamente incapazes de ouvir os outros, de aceitar seja aquilo que for.

Ouvir o Jerónimo com aquele estilo de falso simpático causa náusea.
Ou é porque os outros anunciam coligação no dia 25A, e isso ofende sabe-se lá quem!
Ou como hoje em que o PR não tem autoridade para defender o regresso dos jovens.
Tudo nos outros é mau, são ladrões, traidores, corruptos e tudo o que de pior se possa pensar.

Em simultâneo para por cima das realidades cubana, venezuelana e norte coreana, assim com das miseráveis governações na grande maioria das autarquias onde estão no poder, que usam de forma despudorada para financiar a atividade partidária e manter as máquinas de propaganda.

Floribundus disse...

o pcp controla a rua e a esquerda incluindo parte do ps

quanto mais primário, mais facilmente aceitável

depois do 25.iv todo o bicho careta acha que sabe tudo de tudo
e pode fazer tudo o que quer

não preciso de sair do prédio onde moro

a direita e o patronato são a MERDA em que todos escorregamos

FMS disse...

enquanto os merdia não forem corridos a antibiótico e andarem por lá tadeus e afins, enquanto o benfica se sobrepuser à realidade e enquanto não houver vergonha perante a iliteracia, continuaremos a ter esta espécie de estalinegrado para matarroanos logo à saída da porta de casa.

Maria disse...

Estava à espera que o José escrevesse sobre esta criatura d'antologia, Isabel Moreira, para dar a minha opinião como telespectadora d'alguns pogramas. A rapariga é antipática que se farta mas não é só isso, é agressiva até dizer basta. É vulgar no modo de falar e menos ainda no de dialogar com qualquer pessoa que a interpela, sobretudo com as colegas de debate no programa em que participa.

Tem um modo de se expressar que parece estarmos perante uma pessoa que vive nas barracas. Estas têm desculpa dado o lugar donde provêm e da escassa educação recebida. Ela, porém, não se percebe por que razão obscura se comporta daquela maneira. O Pai, sabe-se, ele próprio o afirmou, é de origem humilde mas cultivou-se e preparou-se acadèmicamente para tornar-se na pessoa que é: educado, sensível, culto e conversador civilizado. Ela, segundo li algures e contràriamente ao seu Pai, foi criada em berço d'ouro como soe dizer-se, educada certamente nos melhores colégios, com criadagem a servi-la, filha de gente supostamente "bem" pelo lado materno (não me recordo agora dos dois apelidos, mas sei que o confirmam) e que ela esconde adoptando o do pai para baralhar as hostes, porque tem a mania que é muito comunista e sobretudo muito radical. Será por oportunismo?..., deve ser isso, não se vislumbra outra razão excepto os genes dos antepassados paternos, pobrezinhos, coitadinhos, desgraçadinhos, terem vindo todos à tona, ultrapassando os maternos e manifestando-se em todo o seu esplendor. As feições "de corvo" (como apropriadamente as definiu o José), essas então a somar às expressões faciais algo diabólicas (caninos afiados que não enganam...), a voz histriónica e o discurso gritado e não falado, mais a ordinarice do léxico, tornam-se insuportáveis ultrapassando tudo o que é humanamente razoável d'aceitar em televisão... ou fora dela.

Que mal terá feito o Dr. A. Moreira a Deus para ter-lhe saído na rifa uma filha deste jaez?

josé disse...

A Moreira não tem feições de corvo, ou pelo menos não foi nesse sentido que referi.

A semiótica da expressão reenvia para o ditado popular estrangeiro: cria cuervos...

Maria disse...

Não terá, mas que é feia como a noite lá isso é. A sua fealdade torna-se mais evidente pela antipatia que transparece nos seus horrendos esgares e no seu palavreado esquerdista disforme, aos quais os caninos em bico emprestam um inestimável contributo. Defeitos que possìvelmente passariam despercebidos caso ela empregasse outro género de discurso, menos radical e num tom mais agradável e menos berrado, digamos assim. Duvido que o consiga, está-lhe na massa do sangue.

É de notar que ela até é bastante parecida com o pai, só que estranha e paradoxalmente enquanto que este parece ter sido um homem fisionòmicamente interessante, ela, como mulher, tem feições masculinas e caso fosse homem seria muito feio. Para se ver se sim ou não, coloque-se-lhe um corte de cabelo à homem e tire-se-lhe a pintura e constate-se o resultado...

luis barreiro disse...

O José faz muitas vezes essa pergunta, e sinceramente julgo que existe uma possível explicação para essa questão.
O intelectual de esquerda.
Já reparou que passados 40 anos ainda não existe a referência a intelectual de direita.
A esquerda antes do 25 de abril tentou disseminar-se mais no meio académico (como hoje em dia). E em Portugal sempre demos muito relevo ás opiniões dos drs., de suas excelências e das autoridades na matéria.
Quando todos os intelectuais em Portugal ordenavam o caminho da esquerda como o correcto, o povo que nunca quer mostrar saloiice, correu a adoptar os cânones esquerdistas.