Páginas

terça-feira, 16 de junho de 2015

As calinadas entressachadas de Sousa Tavares.




O Expresso desta semana tem uma crónica de Miguel Sousa Tavares sobre "o preso 44" que vale a pena ler para se perceber como este cronista pode ser idiota qb. Não pela opinião que emite que vale o que vale, ou seja quase nada, mas pelas asneiras jurídicas que debita a eito e sem qualquer preocupação com o conhecimento daquele módico de direito que qualquer cidadão deve ter. MST é formado em Direito e até chegou a advogar!

Neste caso, o MºPº é fustigado por "promover estes prè-julgamentos públicos" e passado este preâmbulo ignominioso lança a primeira calinada: " convém relembrar que a prisão preventiva, ao contrário do que deixou entender o acórdão da Relação de Lisboa neste caso, só pode ter por fundamento as quatro situações de salvaguarda processual previstas na lei e jamais um convencimento sobre a culpabilidade do suspeito-sob pena de se transformar num pré-julgamento e numa prè-condenação".
Não explica quais são as "quatro situações" porque presumivelmente não sabe ( são três as alíneas e entre a b) e a c) tem um "ou") e dá a entender que são todas elas, juntas,  que se devem verificar.
 E presumivelmente não sabe que essas "situações" só se ponderam no caso de existirem  "fortes indícios de prática de crime doloso punível com pena de prisão de máximo superior a 5 anos", como manda o artº202º nº 1 al. a) do CPP.   Ou seja, é sempre necessário um juízo de culpabilidade presumida, embora em termos indiciários.Se não se imputarem factos criminosos, graves,  a alguém, em modo indiciário, não há prisão preventiva que se possa aplicar. E têm que ser "fortes indícios".
Ora, para este cronista nada há para se imputar e o MºPº anda a pescar por "arrasto". A vida de Paris, os milhões do amigo, as transferências manhosas,  os gastos sumptuosos para quem ganhava salário de funcionário público, as dádivas a amigos e familiares, na ordem dos milhões, o secretismo envolvido e outras circunstâncias, nada disse lhe desperta um átomo de suspeita.
Depois, para continuar na senda das calinadas avança para a consideração avalizada pelo seu saber jurídico: como  a Relação já descartou " a invocação do perigo de fuga" ,  tal "constitui caso julgado". E pronto, branco é, galinha o põe. Cócó. Nem o demove de tal o ter mencionado na mesma frase que    o MºPº reconhece ser agora "diminuto" tal perigo, o que o deveria fazer pensar na eventualidade dinâmica da coisa...

Por último e só para ficar por aqui, explica  um detalhe de sabedor  relativamente à "fuga ao segredo de justiça" para a revista Sábado, deixando pressuposto o autor dessa "fuga": "como é que a gravação de um interrogatório, feita pelo MºPº, foi parar a uma revista: terá o dr. Rosário Teixeira fornecido cópia à defesa de Sócrates"?  pergunta perfunctoriamente o Tavares rico, sem se dar conta que foi mesmo assim e fazendo por isso, uma vez mais, figura de urso.

Eu só me espanto como um indivíduo destes escreve em jornais e debita opinião em tv´s. Eco! Precisa-se.

Enfim, nada melhor para explicar estes eflúvios tavaritchs, sedentos de provas que provem que nada se prova,  do que outro artigo de outro Tavares, com escritos que são vinho de outra pipa.

João Miguel Tavares, no Público de hoje:






27 comentários:

Kaiser Soze disse...

O que me chateia não é tanto que as pessoas tenham clubes, o que me chateia é que finjas que não têm.
Não me choca que os amigos do Sócrates acreditem ou queiram acreditar que ele é inocente, o pior são os independentes como o Espírito Santo...melhor, Sousa Tavares.

AAA disse...

O Sousa Tavares espalhou-se ao comprido. Para ser sério no próximo sábado pedia desculpa pelas calinadas de Direito que proferiu.
Mas acho que vou esperar sentado...

josé disse...

Desculpas, este Tavares rico?

Nem por sombras. Virá mais depressa outra dose de calinadas que aliás, sempre que leio-e leio raramente- é sempre a somar.

Este indivíduo nem devia escrever em jornais.

ainda ha disse...

Um fedelho que não se vai despedir do Pai à Portela para não ser conotado com fassistas é, e será sempre, um pulha. Os outros dois irmãos, foram.

José disse...

Está a referir-se a quem?

Floribundus disse...

o filho do tareco gosta de ratos

ou
'44 escondido com boxexas de fora'

há quem diga que
« fala com os seus 'bretões' »

'a parvoíce é quase universal, mas há quem abuse

continuamos no 'cabaré da coxa'

zazie disse...

Mas de que é que o dos sanitários está a falar? que fedelho é que não se despediu do pai?

Floribundus disse...

José
tem falado do andrade do penal estudar na Alemanha, mas houve outros antes

Porto, Páscoa de 56, obtive uma boleia para Coimbra num autocarro de universitários alemães de direito

o organizador da excursão, cujo nome não recordo, era um assistente de direito a viver há uns anos na RFA

lembra-lhe alguém que conheceu?
por mim esqueci o sujeito

adorei conviver com os Alemães, apesar do meu alemão, inglês e latim rudimentares

José disse...

Páscoa de 56? Ainda não era nascido.

Sobre o alemão visitante não sei quem seja. Sobre o assistente, de 1956, também não consigo saber quem seja.

Eduardo Correia?

Kaiser Soze disse...

Apesar do alemão, inglês e latim rudimentar é uma maravilha mas limitativo; sem um mandarim aceitável uma pessoa não se safa!

Luis Teixeira disse...

Esta de andarem investigar a arrasto é de rir...O que parece é mais um novelo a desfazer-se.O Ministério Publico quando recebeu os documentos da Suiça, deve não só corroborado as suspeitas, como deve ter visto mais uns quantos crimes...Infelizmente só ainda apanharam o JS...Pois ele achava que estava acima de qualquer suspeita. Como diz o José, crimes destes são difíceis de provar. O JS sempre pensou que como o seu nome não aparecia em lado nenhum, ninguém o podia associar. Esqueceu-se que se há suspeita fundada, o Ministério Público pode abrir um inquérito criminal e investigar a sua vida. Luís Teixeira

Unknown disse...

E o plasma, José ? E a Octafarma, José, e o Tareco, José ?

O animal feroz não pode ser solto ! É uma ameaça.

João Pedro

Bic Laranja disse...

O fedelho que se não despediu da família é o abrilhantador de salões da TVI. O autor do comentário deve ter-se equivocado aqui com aquele comentário.
Cumpra.

João José Horta Nobre disse...

É só merda a escrever hoje em dia na imprensa. A última grande calinada foi a do Embaixador Francisco Seixas da Costa Sobre Salazar e os Nazis, já mandei a resposta ao Senhor Embaixador aqui mesmo:

http://historiamaximus.blogspot.pt/2015/06/o-embaixador-francisco-seixas-da-costa.html

Karocha disse...

E a fantuchada que vai no face, tenho-me lembrado da ZaZie, que arrael que era se ela estisse no face :-)

Karocha disse...

Arraial

Ricciardi disse...

José, tudo se resume à questão da intensidade. Quão intenso é o perigo de fuga? Quão intensa é a perturbação do inquérito? Quão intenso é o perigo de alarme social?
.
Está definição da intensidade, na cabeça e discricionaridade de um juiz, é que define o tipo de medida de coação a aplicar.
.
E cada um tem a sua cabeça. Cada cabeça, sua sentença.
.
É natural que assim seja.
.
A culpa não é chamada ao caso. Um culpado pode ficar em liberdade a aguardar julgamento se, na cabeça do juiz, não suscitar perigos de fuga ou os outros. E ficam, uma chusma deles em liberdade a aguardar julgamento.
.
O problema, então, não reside nas opções de cada juiz, mas sim na possibilidade de puderem exercer essa opção por prazos ignominiosos.
.
Rb

Ricciardi disse...

Por outro lado, a acusacao, o MP, tem de precisar o tipo de crime. Se diz q as massas e a vida faustosa do 44 são provenientes de corrupção, é do crime de corrupção que tem de ser acusado. Mas sem prova, trata-se apenas de um 'supusio'. Pode a massa ser proveniente de outro crime que o indiciado não quer revelar.
.
A massa pode ser de muita coisa. Vc não sabe. Eu não sei, mas ouvi algumas versões.
.
Rb

José disse...

É só asneiras, Rb. Que se há-de fazer...

José disse...

Para além de não perceber o que se escreve, nomeadamente sobre o que o Tavares escreveu sobre os critérios de aplicação da prisão preventiva, ainda esportula asneiras avulsas como quem dá lições...

Ricciardi disse...

Nao é por responder em tom paternal e diminuitivo q passa a ter razao. Ao repetir essa mesma lenga-lenga das 'asneiras rb' está a imitar o 44. Só pode. Um especie de sindrome de estocolmo. Só falta argumentar se cabe nessa 'cabecinha rb'...
.
Rb

Ricciardi disse...

Nao é por responder em tom paternal e diminuitivo q passa a ter razao. Ao repetir essa mesma lenga-lenga das 'asneiras rb' está a imitar o 44. Só pode. Um especie de sindrome de estocolmo. Só falta argumentar se cabe nessa 'cabecinha rb'...
.
Rb

José disse...

nem adianta responder-lhe de outro modo porque parece que não quer entender e julga que lá tem a sua razão.

Mas como já lhe disse, a razão em Direito não é a que parece.

No caso, repito, escreveu duas asneiras. Se acha isso paternal, pois que seja.

Anjo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anjo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anjo disse...

O Seixas da Costa prossegue a todo o vapor a sua execrável campanha de desinformação.

A ideia é conotar a actual coligação no governo com o nazismo e o fascismo, que, segundo ele, Salazar representava ou apoiava - uma estratégia de menorização daqueles que o lêem tão simplista, que é difícil crer que seja possível nos dias de hoje.

Porém, se ela existe, também nos diz algo muito interessante: a rataria do PS tem medo, muito medo, de perder as próximas eleições. Recorre, por isso, à velhíssima táctica do papão. Em Espanha, nas eleições em que Aznar ganhou, a estratégia era igualzinha - ressurgiam os franquistas de debaixo das pedras, vinham aí os fascistas de sempre. "Que viene el Coco", diziam.

É impressionante como lançam mão de coisas tão básicas (no caso vertente, uma foto de umas mesas em forma de suástica algures num armazém ou fábrica de Setúbal - diz ele), como acham que a malta nasceu toda ontem e que precisa destes analistas de trazer por ministérios e arrastar por campanhas eleitorais para nos filtrar a realidade inalcançável das coisas e para nos proteger do Mal, ámen.

A foto destina-se a provar que Salazar, que nela não está presente, era apoiante do regime nazi e, portanto, também nazi. Ou pelo menos, muito fascista e terrorífico.

Seixas da Costa, escondidinho por trás do biombo do seu post, zela para que, depois de contemplarem a foto do post, as nossas mentes saltem, acto contínuo, para o seguinte raciocínio: "Pois era, era mesmo nazi e malvado... ainda bem que a esquerda boazinha nos livrou deste homem e regime tão maus. Mesmo que a esquerda cometa erros, ela é sempre boazinha e humana, por isso devemos votar nela, dê por onde der."

Alguns momentos volvidos para as nossas mentes se recomporem do susto causado pela maléfica visão e luminosa, conquanto dolorosa, revelação ("Afinal, Salazar não era só o diabo que diziam, ainda era nazi por cima!"), prosseguem as nossas mentes, em acabrunhado diálogo com os seus botões: "Jasus", do que nos livrámos com o 25 de Abril! Graças sejam dadas a Mário Soares e ao seu PS, anjos da guarda da nossa democracia..." Daí ao raciocínio final, pavlovianamente estimulado pelos cordelinhos do diligente embaixador-propagandista-estimulador-de-salivações-socialistas vai um ínfimo passinho, rapidamente transposto pelas estimuladas mentes, agora já perfeitamente domesticadas e doutrinadas para não se desviarem do bom caminho: "Para nunca mais voltarmos a este passado terrível, é preciso continuar a votar no bom PS, nosso anjo protector."

Um tipo que parvo completo não será e que certamente não acredita nas fotomontagens e nos fotodiscursos que arquitecta para atapetar o seu caminho até ao Ministério dos Negócios Estrangeiros do próximo governo (e sabe-se lá mais o quê, assim os seus confrades ganhem as eleições) presta-se a estas operações estalinistas de manipulação da História...

Vale a pena ler os comentários lá deixados pelos acéfalos "habitués" do blogue dele que lhe vão lá abanar a folha de palmeira com muitos "Sim, Sr. Embaixador", "Ora essa, Sr. Embaixador", "Claro está, Sr. Embaixador". Chegam a chamar extrema-direita à actual coligação.

Para lançarem mão de tudo, devem estar mesmo desesperados, estes profissionais do teatrinho de títeres.

Floribundus disse...

José
obrigado pela resposta.
EC já era Prof
este assistente, se for vivo, terá 90 anos

a esquerda imbecil anda na Net a bolsar sandices
porque as hostes andam divididas e de braços caídos

dum lado a dupla boxexas-44
o resto do rebanho não tem pastor

só pensa na pastagem