Páginas

sábado, 13 de junho de 2015

Pinto Monteiro continua mediático...

 Pinto Monteiro continua mediático. A última vez que o tinha sido, ameaçou o actual presidente do Sindicato dos magistrados do MP por referir publicamente uns tantos factos que não estão esclarecidos, relacionados com o exercício do cargo.  "Pinto Monteiro não apoiava investigações a pessoas poderosas", disse então António Ventinhas.
Na verdade, antes, Pinto Monteiro tinha dado azo a críticas ainda mais contundentes: "Dizer que o processo Freeport foi um processo político, é uma afirmação gravíssima", disse à agência o presidente do SMMP, Rui Cardoso, reagindo à entrevista de Fernando Pinto Monteiro à RTP.

O que se passou durante o processo Face Oculta é do conhecimento geral e é uma das maiores vergonhas da justiça nacional, ao nível dos seus dirigentes de topo. Nada sucedeu a Pinto Monteiro...


Assim, porque é que os media entrevistam o juiz jubilado Pinto Monteiro, que foi PGR nomeado no tempo de José Sócrates e amigo deste e nada lhe perguntam sobre aqueles acontecimentos?

A Antena Um e o Diário Económico acharam por bem que seria interessante ouvir mais uma vez Pinto Monteiro falar. E falou  para dizer absolutamente nada de especial, a não ser uma defesa encapotada dos interesses do seu amigo preso, com quem almoçou na véspera de o ser e cuja ementa é conhecida, mas sem se saber se fumou no fim . Sobre isso, porém, nem uma palavra. Sobre outros factos relacionados com o amigo, enquanto foi PGR, nada também.[Corrijo agora, depois de ouvir a entrevista, passada ao meio dia de Sábado: afinal Pinto Monteiro foi perguntado sobre esse almoço. A explicação que deu, porém, foi a mesma de sempre: nunca tinha almoçado antes com o seu amigo de ocasião, por quem nutre simpatia e  nada sabia sobre o processo. Sobre o fumo do fim, no entanto, também nada adiantou porque nada lhe foi perguntado].

Pinto Monteiro cai no goto destes jornalistas de esquerda soft e que dissimulam as preferências políticas ( tal como Pinto Monteiro) para levar água a um moinho obscuro.

Tem sido sempre assim ao longo destes anos que já são muitos. A estação de rádio pública, nos noticiários que emite "à hora certa" e nos programas que radiodifunde tem sempre essa pecha de puxar à esquerda.
Porquê? Não seria possível um esforço de contenção maior da parte de quem se esforça por servir uma causa?
E que tal a causa da liberdade de informação sem amarras ideológicas ou partidárias, como é o caso e tem sido sempre, como agora mais uma vez se comprova?

Porque é que temos de gramar um jornalismo destes que envergonha a verdadeira profissão?

4 comentários:

Floribundus disse...

os Amigos que não emprestam dinheiro
oferecem paleio

'o tempora, o mores!'
Cícero 1ª Catilinária

'onde há aranhas, não há moscas'
Bertolt Brecht a alma boa de

Neo disse...

"Porque é que temos de gramar um jornalismo destes que envergonha a verdadeira profissão? "

Porque o pagamos!
Vivem todos de subsídios directos ou indirectos e de publicidade institucional. Não vivem das vendas.
É à conta de dinheiro dos contribuintes que se mantém este cancro político/jornalístico.
Vivem em perfeita simbiose. Uns roubam e os outros fingem que não.
Sem o alarme da opinião pública, no recôndito das secretarias, os Monteiros e Noronhas fazem o resto.

aragonez disse...

Se houvesse lei impondo o acesso às fontes que financiam a existencia do jornalismo da treta, outro galo cantaria.

BELIAL disse...

O que os media gostam de captar as blaterações dos matumbos.

Então, o secular JN: é a oitava maravilha a deturpar e descontextualizar declarações.

Tenho a vaga suspeita que é o caso.

Leiam o JN on line: o título da notícia e as declarações prestadas.

Um clássico.