Páginas

domingo, 5 de julho de 2015

A Grécia de hoje lembra-me o Portugal de há 40 anos...

 Repristinando este postal de 27.6.2013:

Durante o PREC que se seguiu à revolução de 25 de Abril de 1974 os comunistas e esquerda em geral tomaram conta do discurso oficial, ideológico, mediático e corrente. Toda a gente foi no engodo, com excepção dos que não se pronunciavam publicamente e que Spínola em 28 de Setembro de 1974 julgava que eram uma "maioria silenciosa"...e já não era, por factores que seria muito interessante e importante explicar.

Um dos factos mais estranhos, estúpidos e incompreensíveis segundo uma lógica racional e de senso comum, ocorreu em Agosto de 1974, como já aqui foi indicado: os capitalistas que ainda estavam no país, membros das tais 20 famílias que eram os "donos de Portugal" como o bloco de esquerda agora define, mas já ao tempo se denunciava, ofereceram-se para "ajudar" a economia e o país cujos destinos políticos estavam nas mãos de uns quantos militares, do MFA, rapidamente lavados cerebralmente e que se associaram ainda mais depressa ao PCP e PS e esquerda em geral, como a do MES.  Para exemplo basta dizer que Vasco Gonçalves, no espaço de semanas passou de admirador de países "como a Itália, Suécia" para outros de latitudes mais a Leste. Igualmente, Otelo. E outros que se entregaram de alma e coração à Revolução em curso, de transformação de Portugal numa sociedade sem classes ou socialista e contra a "reacção e o fascismo" incorporados em todos os que representavam o regime deposto.
A simplicidade desta opção justificou a rejeição daquela "oferta" que era genuína porque afinal os capitalistas portuguesas queriam investir para não perderem o que tinham e que afinal vieram mesmo a perder, por força e influência exclusiva dessa esquerda e do PCP em particular. O mesmo querem hoje em dia com as "outras políticas" que chamam de maneira obscena, "patrióticas" e as marias de são josé da rádio mais as anas lourenços das tvs aplaudem durante todas as emissões mediáticas, porque acordam a tomar pequenos-almoços de esquerda todos os dias.

Para além da proposta de investimento de 120 milhões de contos do MDE/S havia outros projectos em carteira na economia nacional que pura e simplesmente foram abandonados em prol das ideias "patrióticas" iguais às que o PCP e a esquerda comunista reclamam hoje em dia porque o ideário não mudou uma vírgula nos programas.

Um desses projectos, muito falado antes de 25 de Abril de 74 e já com compromissos assinados pelo anterior governo de Caetano era a construção de uma fábrica de grandes dimensões ( maior que a Autoeuropa?) para fabricar automóveis ( não apenas componentes) da Alfa Romeo. 60 000 veículos por ano seria a meta.
Pois bem. Em finais de 1974 o projecto era pura e simplesmente, além de estupidamente, abandonado. Porquê? Precisamente pelas mesmas razões que levaram ao abandono do projecto do MDE/S. De quem a culpa e responsabilidade por esta estupidez gigantesca? Do PCP e satélites, mais a esquerda em geral. Não foi do PREC. Foi mesmo do PCP.
A propósito: a Autoeuropa aderiu à greve geral? Não? É porque esteve imersa na "batalha da produção". Já lá iremos...

O Expresso conta na edição de 23 de Novembro de 1974, com um desenho que vale mil palavras.


A propósito desta estupidez, havia por aí alguns "inteligentes" ( dos que nunca sairam dos  redondéis do esguicho da importância e papelão institucional, para citar ONeill) que davam palpites influentes sobre o assunto da economia nacional que pouco tinha que perceber: dinheiro privado, público, investimento, regulação e tudo andaria muito bem, se não se tivesse intrometido a maldita ideia de esquerda em socializar, nacionalizar, espoliar o capitalismo e acabar com os "monopólios". Essa ideia maldita que pegou de estaca por cá, estragou a economia que tínhamos em prol de uma ideia que nunca tivéramos mas que os mesmos apostaram que vingaria por cá como nespereiras enxertadas em macieiras portadaloja.
João Cravinho é o nome do inteligente do que então se iria chamar MES que agregou outros inteligentíssimos ( alguns deles até chegaram longe; um deles à presidência da República deste pobre país, imagine-se!) .


A prova de que a inteligência aguda destes indivíduos era fulgurante e ao ritmo do PREC que então viviam, reside aqui nesta edição do Diário de Lisboa de 20 de Fevereiro de 1975. E não, a explicação não vem na tira de banda desenhada, mas nas palavras cruzadas, na coluna vertical 4...


E como é que os "donos de Portugal" se defendiam destas investidas comunistas para acabar com os "monopólios" ( é preciso atentar que ainda hoje o PCP fala em monopólios...) ?
Ora, o comandante Mota que nunca foi ministro sem pasta, como o outro, mas foi governador de Macau ( maçonaria oblige e Soares obedece) explicava muito bem o que se faria com a Sacor do grupo Espírito Santo, indiscutivelmente um dos donos da economia nacional e inquestionavelmente um dos grupos que faria do capitalismo português um bem comum e não o que depois se verificou com a geração "Rikky" após o regresso dos Brasis e Suiças e que ultimamente tem comprovado e irá certamente comprovar...
Se a Sacor que era deles, se tivesse mantido não haveria GALP nem corrupção de Estado de alto coturno, nem Mexias ou Zeinais ou o raio que os parta ou pata que os lamba. Haveria outra coisa, mas não esta entidade híbrida que corrói o país, actualmente. Provavelmente mais sã, apesar do fruto Espírito Santo andar envenenado.  Coisas do destino.



Portanto, em 8 de Fevereiro de 1975 o Expresso explicava muito bem o que se passava na economia nacional com o protagonismo da esquerda e do PCP em particular, o grande responsável pelas "políticas patrióticas" que então nos arruinaram. O PCP a atacar,  o PS a defender o seu reduto de poder e apenas isso e o PPD na sombra do PS, sem se mexer e à espera do que viria a seguir.


O PPD de então era uma vergonha de compromisso como o provam as incríveis declarações de um inenarrável Rui Machete, no mesmo número do Expresso. Como é que o país aguentou este tipo de gente que nos conduziu a este beco? 
Este tipo de opções políticas generalizadamente veiculadas nos media como o caminho para o socialismo a encetar,  criadas pela Esquerda em geral, o PCP em particular, a displicência e desinteresse do PS e o alheamento táctico do PPD, criaram uma situação económica de bancarrota, em menos de dois anos. Assim, como explica e avisa muito bem um economista de então, ao Expresso de 4 de Outubro de 1975. O jornal até escrevia que isto devia ser servir como  "um aviso ao povo português". Aviso? Pois sim. Dali a mês e meio estávamos no auge do PREC e com o 25 de Novembro em vez de se denunciar isto que o PCP fez ao país, uma das maiores tragédias de todos os tempos, ainda lhes deram a mão democrática, com um Melo Antunes a assegurar ao país que o PCP era democrático que era essencial à democracia e portanto com um discurso conciliador que conduziu Portugal à Constituição de 1976 e à "irreversibilidade das nacionalizações". Com o aplauso fremente dos Machetes que assim ficaram à vontade para preparar a vidinha nas empresas e organismos do Estado.
Para ver como a Economia nacional passou a funcionar, depois deste assalto do PCP, basta ler a "caixa" sobre o modo de funcionamento da "banca" nacionalizada e as cartas que se trocavam...

Perante este gigantesco descalabro que se anunciava e teria o efeito de réplica das décadas seguintes o que fazia o autor do crime? Tergiversava na asneira e na ideologice. A primeira medida a preceito foi subtrair um dia de salário que por ter sido para a "nação" não foi roubo algum, como agora são e se denuncia em cartazes de tipografia idêntica à de trinta e oito anos atrás... Depois como um dia não chegava para nada passou a incentivar os trabalhadores como os chineses faziam, mas sem poderem ( não chegaram até aí, mas...) usar métodos mais eficazes. Assim, com a ideia fantástica da luta, da "batalha da produção". Até o Manta pintou a manta com a batalha final.
Nessa altura, apesar de estarmos porventura pior que hoje, deixou de haver greves gerais ou lutas de trabalhadores por melhores condições de trabalho. Afinal, o trabalho já era o dono do capital...ou não era?

Esta gente que isto fez, sem qualquer rebuço de vergonha ou arrependimento, continua por aí, investida no mesmo papel já que nada esqueceram e nada aprenderam. Continuam a querer "outras políticas", porque seguem o esquema táctico dos passinhos. Primeiro um, depois outro. Desta vez ainda andam na fase das lutas por "outras políticas patrióticas". Se lhes fizerem outra vez a vontade, voltarão com a cantiga da luta pela "batalha da produção" e lá se vão as greves gerais e outras que tais.

O povo português está à espera de quê, para varrer esta gente para o caixote de lixo da História? Nâo chegam os exemplos que se vêem pelo mundo? Não chega o conhecimento do que aconteceu no Leste Europeu? Não chega o que se sabe de Cuba ou da Coreia do Norte?
Então porque razão os media dão toda a atenção a estes arménios avoilas e jerónimos? São masoquistas ou apenas estúpidos?

22 comentários:

zazie disse...

Pois lembra, lembra.

E as variantes marxistas até se multiplicaram. Vi no site da Marianne um melro sociólogo completamente marado que até mistura Marx com Espinosa

zazie disse...

Mas a coisa é empurrar par aí e apenas para aí- nacionalizações. A começar pela banca.

Daniel Gonçalves disse...

Mais do que masoquístas ou estúpidos são desprovidos de inteligência. Qualquer ser humano com um raciocínio lógico desenvolvido é capaz de analisar seriamente e imparcialmente o que são as tais sociedades "sem classes". Com a Educação ministrada no actual regime o que podemos é esperar um abaixamento do QI e gente formatada ideologicamente pela Esquerda a controlar os media para efeitos de propaganda. Um excelente exemplo disso é a jornalista referida no post anterior: Joana Pereira Bastos.

O regime saído do PREC consegui destruir o "Saber" e colocar no seu lugar a Propaganda.

Portugal Quo Vadis.

josé disse...

Estes jornalistas são apenas jornaleiros de ideias de esquerda.

muja disse...

As pessoas não são estúpidas. Mas se até agora os não varreram, também não é agora que o vão fazer. O discurso é apelativo, e tem muito de verdadeiro - ainda que as intenções nada tenham. Ou seja, o quadro que pintam não é tão longe da realidade assim.

Era há quarenta anos que o discurso estava arredado da realidade. Agora está cada vez menos.

A questão é somente que eles passam entre os pingos da chuva e de alguma foram se conseguem dissociar da responsabilidade que têm na criação da realidade que vituperam.

Ricciardi disse...

As direitas europeias tomadas de assalto pelas ideologias liberais de tecnocratas sem coração (nem bom senso) que tomem boa nota da lição grega. Combater um extremo só se faz com outro extremo.
.
Era bom que as pessoas moderadas das direitas recuperassem influência nos respectivos partidos e afastassem os liberais da liderança.
.
Que formem eles partidos de raiz e concorram a eleições.
.
A começar já pelo PSD. Uma vassourada nesta malta ideologicamente extremista que lhe tomou o poder seria uma bênção para o país. O meu voto recuperavam certamente. Apesar de tudo Portugal tem sorte pelo facto do PS não ter cedido posição a um syriza ou podemos. Mas teve mais sorte em não ter sido o primeiro a ser intervencionado. O primeiro, a Grécia, foi um programa tão desajustado e maléfico q conseguiu destruir em 4 anos quase um terço da riqueza produzida. Na intervenção segunda, a Portugal, moderaram um bocado as medidas. Sorte a nossa. Com a falta de tomates que os nossos políticos tem, teriam engolido todo e qualquer programa q se lhe colocassem à frente.
.
Rb
.

Floribundus disse...

de uma estação de Metro:
'não sou grego nem ateniense'

façam um referendo a pedir o dinheiro que nos devem

já há peditórios
voltaram à esmolinha que condenavam

pior que o cavalo
são os trojan da Net

Ricciardi disse...

As direitas europeias tomadas de assalto pelas ideologias liberais de tecnocratas sem coração (nem bom senso) que tomem boa nota da lição grega. Combater um extremo só se faz com outro extremo.
.
Era bom que as pessoas moderadas das direitas recuperassem influência nos respectivos partidos e afastassem os liberais da liderança.
.
Que formem eles partidos de raiz e concorram a eleições.
.
A começar já pelo PSD. Uma vassourada nesta malta ideologicamente extremista que lhe tomou o poder seria uma bênção para o país. O meu voto recuperavam certamente. Apesar de tudo Portugal tem sorte pelo facto do PS não ter cedido posição a um syriza ou podemos. Mas teve mais sorte em não ter sido o primeiro a ser intervencionado. O primeiro, a Grécia, foi um programa tão desajustado e maléfico q conseguiu destruir em 4 anos quase um terço da riqueza produzida. Na intervenção segunda, a Portugal, moderaram um bocado as medidas. Sorte a nossa. Com a falta de tomates que os nossos políticos tem, teriam engolido todo e qualquer programa q se lhe colocassem à frente.
.
Rb
.

Floribundus disse...

Net
la Nekyia (in greco antico νέκυια) è un rito attraverso il quale spettri o anime di defunti venivano richiamati sulla terra e interrogati sul futuro, ovvero un rito che oggi definiremmo "negromantico"

não percebo tanto entusiasmo:
a descida aos Infernos não vai conduzir aos Campos Elíseos

Floribundus disse...

Insurgente
a exposição à dívida grega por estado membro da zona euro. Relativamente a Portugal, além de 1,1 mil milhões de euros de empréstimo bilateral, é necessário ainda contabilizar 3,7 mil milhões de euros no âmbito do eurosistema, totalizando 4,8 mil milhões de euros, aproximadamente 2,8% do PIB.

Floribundus disse...

Isa Soares correspondente da CNN em Atenas

os bancos não reabrem amanhã

Tripas falou ao tel com a Chanchelerina Merkel que o mandou apresentar amnhã as sua propostas à comissão de lideres

as filas do ATM são enormes e dão €40

José disse...

""There´s a riot going on"...cantava um preto americano ( Sly Stone) nos anos sessenta.

Veremos nos próximos dias como é que estes trotskistas se desenvencilham deste prec.

O 25 de Novembro chegará mais cedo ou mais tarde...

José disse...

A diferença entre este prec e o que tivemos em 74-75 é ténue nos princípios de actuação e não há qualquer diferença entre os propósitos não declarados mas assumidos como doutrina interior: atacar o sistema capitalista como tal.

A luta continua sempre na mesma...

zazie disse...

Pois é, José.

Mas repare como agora, em toda a parte, também existem ceguinhos a apoiar.

Isto explica-se como?
Não aprendem nada!

josé disse...

Nisso é igualzinho a 74-75.

Na época, eu para saber o que se passava por cá, comprava a Time e o L´Expresse. E no Prec até o Nouvel Observateur servia. Mas só nessa altura.

E por falar nisso, logo vou provar com alguns scannings que em tempos fiz e guardei para publicar oportunamente. É agora...

josé disse...

Em 1974, 75, 76 toda a gente por cá andava obnubilada com o prec. A Constituição reflecte esse espírito e com uma entrevista de Jean-François Revel, a propósito do seu livro La Tentation Totalitaire é que me apercebi realmente o perigo que corremos.

Por cá, o Expresso, o O Jornal e todos os diários eram "syrizas" como agora são.

Nada mudou em Portugal, nesse aspecto, com uma agravante: nem um patarata como o Marcelo Rebelo de Sousa é capaz de ver o logro e é capaz de aprender com os erros do passado.

É impressionante.

Floribundus disse...

em 2010 o 44 emprestou 2 biliões à Grécia com a concordância do 'num'

o ps era rico
agora está falido

josé disse...

Por isso é que apresento a história verdadeira dos 120 milhões de contos, em Julho de 1974.

É a melhor metáfora para mostrar a loucura desse tempo.

josé disse...

A entrevista do Jean-François Revel é de 1976, no L´Express.

josé disse...

O José Jorge Letria que é um dos gloriosos malucos desse tempo, do PCP, e agora é do PS e eventualmente da Irmandade, nessa altura achava que "tudo era possível".

Esta expressão diz tudo sobre o estado de espírito da época e agora alguns acham outra vez que talvez tudo seja possível.

O logro ainda é maior, claro, mas não desarmam das utopias.

E tem uma coisa curiosa: têm a extrema-direita com eles, pelos vistos, uma vez que são eurofóbicos, vá-se lá saner porquê...

zazie disse...

Então aguardo pelos recortes.

Mas não aprendem nada e é impressionante porque até gente inteligente cai.

Não sei.

Cá para mim é a relação hipócrita que têm com o dito capitalismo.

Kaiser Soze disse...

Às vezes esqueço-me de coisas, o que me entristece...
Não me lembrava que os Comunistas proíbem a greve e confiscaram um salário.

Democracia, olé!