Páginas

sexta-feira, 3 de julho de 2015

José Sócrates e António José Morais

Um dos pontos obscuros do percurso académico de José Sócrates, nos anos noventa do séc. passado é o que respeita ao modo como obteve as equivalências na então Independente, depois de ter frequentado um curso "acelerado" no ISEL e ter como professor um certo António José Morais.


Na altura ( 2007) em que o caso da licenciatura foi investigado por António Caldeira e depois pelo jornal Público ( José Manuel Fernandes, Ricardo D. Felner e José António Cerejo) foi aventada a hipótese de José Sócrates conhecer António José Morais uns anos antes de o ter como professor por causa do caso da Cova da Beira. As coincidências eram muitas e a tentação em ligar os dois nomes nesse passado era grande.
Quando o escândalo estalou no Público, dois anos depois de António Caldeira o ter exposto no seu blog, DoPortugalProfundo, José Sócrates demorou vários dias a responder ao assunto e acabou por se explicar numa entrevista na RTP.

A esse pormenor concreto sobre o momento em que conheceu António José Morais, seu professor no ISEL e da Independente e responsável pelas equivalências que lhe foram dadas, disse então o seguinte agora lembrado pelo Observador:

MFP – Sim, senhor. As outras quatro cadeiras, nesse ano que passou na Universidade Independente… as outras quatro cadeiras, foram todas leccionadas pelo mesmo professor. Isto pode acontecer? São cadeiras de anos diferentes […]. Quando é que o senhor conheceu António José Morais?
JS – Eu conheci António José Morais, o professor António José Morais, quando ele foi meu professor. Tive sempre com ele uma relação de aluno/ professor. E conheci‐o nessa altura – repare que não são os alunos que escolhem os professores, mais uma vez…
MFP – Claro, também já disse.
JS – Conheci‐o nessa altura e durante esse período. Depois de ter acabado a minha licenciatura não tive, nem tenho, nenhuma relação pessoal, próxima ou…
MFP – …E política, tem?
JS – …De qualquer tipo.


O mesmo António José Morais escreveu agora um livro para explicar algumas coisas que afinal deixam muito a desejar como explicação mas sobre o assunto em causa escreveu assim, ainda segundo o Observador:

 “Conheci Sócrates no Instituto Superior de Engenharia De Lisboa (ISEL), onde foi meu aluno em 1994. Não foi assim na Covilhã que com ele estabeleci conhecimento pessoal. (…) Erradamente associaram temporalmente a minha passagem pela Cova da Beira a um eventual estabelecimento de amizade com ele. (…) Acontece que, na altura da minha presença na UBI Sócrates já não vivia na Covilhã.”
[Sócrates] com o seu cabelo comprido meio desgrenhado e solto, que na altura usava, e com o discurso profético produzido fez-me lembrar Felipe Gonzalez (…) O estilo de guerreiro romântico, a roçar o narcísico, rendia-lhe apreço e consideração. A vestimenta ajudava. A visão irreverente e revolucionária sobressaía logo na cor do fato que Sócrates vestia, um verde alface muito claro com abas largas e compridas – un enfant gâté.”
“Em Setembro de 1994 iniciaram-se as aulas de Fundações e Geotecnia Aplicada, disciplina que leccionei do CESE do ISEL. Quando entrei na sala, para leccionar a primeira aula, logo reparei no aluno sentado ao fundo da sala. Tratava-se do deputado José Sócrates. Tinham passados quatro anos desde a última vez que o tinha visto na Covilhã. Sócrates apresentava-se agora muito diferente. Perdeu o seu look de irreverente político romântico. O cabelo já não era comprido e volumoso, agora estava bem cortado, cuidado e usava fato e gravata. A postura e imagem eram outra. Sobressaía responsabilidade e cuidado. (…) Aparentemente a cidade grande amaciara-o e fornecera-lhe a dose de cinismo necessária e inerente à vida política. No final da aula, Sócrates veio falar comigo, perguntando-me se eu não estivera deslocado anos antes a leccionar na UBI. Percebi que ele sabia da minha passagem pela Covilhã e, igualmente, conhecia a minha ligação ao sector da oposição no PS local. No plano ideológico, no PS, eu estava e estou mais à esquerda que Sócrates. Pediu-me o telefone e convidou-me para jantar. Foi assim que estabelecemos conhecimento pessoal em 1994.”
A convivência mantida com Sócrates ajudou-me em termos pessoais. Conheci um mundo em regra desconhecido. Tive acesso a informações e confidências… Conheci pessoas da política. Adquiri uma visão, conhecimento e compreensão do funcionamento do mundo político-mediático; do Parlamento e do Governo; e do relacionamento entre política e mundo empresarial. Ajudou-me a crescer  a compreender o nosso sistema organizativo, enquanto sociedade e País”
“Pessoalmente, só tenho a dizer bem de Sócrates. Estou-lhe grato por me ter indiciado para gestor público do Ministério da Administração Interna. Sempre me tratou com respeito e consideração. A mim nunca me induziu a praticar ilegalidades. Foi meu amigo.”
“Com o surgimento do processo judicial da Cova da Beira, que me envolveu directamente, Sócrates afastou-se da minha pessoa… Só voltei a estar com ele, e por solicitação expressa dele, após a leitura da sentença do meu julgamento em 2013. Obviamente, a partir de 2006, Sócrates considerou-me lixo tóxico e afastou-se…!”
 Depois de isto ler, fico com a impressão de que há muito mais a explicar e a perceber...e uma delas torna-se óbvia: porque é que José Sócrates em 2007 não disse, naquela entrevista, que tinha abordado o professor logo na aula em que se encontrou com o mesmo, no ISEL, ou lhe pediu o número de telefone e agendou jantar em seguida?
E outra coisa ainda: afinal o então deputado José Sócrates, aluno do ISEL, de António Morais, conhecia mesmo este do tempo da Covilhã, como correlegionário político, embora de outra facção. Nada disto foi dito na altura, porque se limitou a dizer que o conheceu como professor, apenas. 

A impressão que deu na altura foi a de ter sido uma relação estrita entre aluno e professor...e não era, como agora António José Morais acaba por confessar.

São estas pequenas coisas que definem um carácter.

6 comentários:

BELIAL disse...

sonso e diabrete, qual o mais patifório?...

esquerdalha-amiga-do-alheio@oquepuderes.pt

Floribundus disse...

'cogito ergo sum'

falta-me esta sabedoria
porque

para mim, como dizia Xenofonte em Economia,

esta significa
'casa bem administrada'
(oikos nemo)

Floribundus disse...

para os gregos o carácter expressava-se pelo vocábulo ethos

em latim pela palavra mos (plural mores)

em ambos os casos não era inato, mas adquirido
donde a expressão
'falta de carácter'

A Mim Me Parece disse...

A "narrativa" do Morais pretende, ou pretendia, avalizar a "narrativa" do 44. E até certo ponto avalizou. Mas a verdadeira "narrativa" não é a de nenhum dos dois.

josé disse...

A Cova da Beira é muito funda...e há mais na carta.

zazie disse...

Hummm...

Entretanto fui ao António Balbino e também percebi o outro hummmm...