Páginas

domingo, 26 de julho de 2015

Os sindicalistas PS(P)

RR. Sapo:

A Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP) manifesta preocupação com a ordem de prisão domiciliária aplicada a Ricardo Salgado.

Pelo menos, oito agentes estão mobilizados, em permanência, desde sábado, para vigiar a casa do ex-presidente do BES, em Cascais. São menos oito agentes a patrulhar as ruas, diz à Renascença o dirigente da ASPP, Paulo Rodrigues.

“Alocar recursos humanos, única e exclusivamente, para fazer a vigilância de uma residência, no fundo é colocar o polícia num posto fixo, acaba por trazer algumas dificuldades porque ele deixa de fazer o patrulhamento normal à população daquela área, para fazer a vigilância a uma residência. Isto causa problemas ao nível da gestão do efectivo, mas no fundo que sai prejudicado é a população daquela área”, afirma.

A opção para a falta de recursos na PSP de Cascais pode ser o contingente de Lisboa, mas não é suficiente, diz Paulo Rodrigues
.

Os sindicalistas da PSP, do inefável polícia Rodrigues, ficaram subitamente preocupados com a circunstância de meia dúzia de agentes, se tanto, terem de ocupar horas de serviço, pago regularmente pelo Estado pela tabela normal, a vigiar um arguido.  Se fosse uma empresa qualquer a pagar em suplemento estou em crer que o sindicalista Rodrigues não teria esta preocupação acrisolada.

É por estas e por outras que o sindicalismo nas polícias é o que é: um meio de fazer política, como qualquer outro e potencialmente manipulável a quem interessa. Neste caso a um certo PS. Por isso mesmo seria interessante saber quantos serão os agentes da PSP ocupados a vigiar figuras públicas e quais e ao mesmo tempo saber quantos agentes da mesma PSP prestam serviço regular de vigilância paga por entidades privadas.
Se tal se souber, talvez o sindicalista Rodrigues fique de repente mudo...ou acrescente algum argumento válido àquele, pífio, que anda a propalar.

13 comentários:

Floribundus disse...

o bófia esqueceu-se de referir

a escola segura
o transporte de pontos de exame para as escolas
a entrega de notificações
a participação de queixas

há 20 anos que raramente vejo um Agente da autoridade por quem tenho o maior respeito

a bófia nada tem em comum com os os citados Agentes

Salgado deve certamente recear pela sua vida que doravante não vale um chavo
... enso eu de que'

Kaiser Soze disse...

Aqui perto, está um agente alocado a vigiar uma ourivesaria em permanência.
Não deve ser caso virgem...

A medida para o Salgado faz-me alguma confusão; para a Juiz decidir uma medida mais severa que o MP ou o MP é burro ou teve medo de alguma coisa.
Gostava se saber o que se terá passado...

Bic Laranja disse...

«Alocar» é barbarismo escusado por «atribuir». Mas deve ser democrático.
Sindicalismo na polícia é ainda mais.
Cumpts.

Floribundus disse...

humor 'sus' generis

fpm ou bonitos, limpos e bons

álvaro silva disse...

Caro BIC LARANJA;
Alocar é castelhanismo puro. Corresponde ao nosso endoudar ou endoidar pelo que o verbo está mais que bem entregue neste albergue de alienados á beira mar plantado. Mas deixem lá não faltarão voluntários na PSP para estar de plantâo ao Espírito Santo e... Então se o dito der o bodo aos bófias, com vinho de Colares, sandes de presunto e tigeladas de Belém até os comissários e intendentes fazem bicha para não faltar ao Bodo do Espírito Santo. Querem apostar?

zazie disse...

eheheheh

aragonez disse...

ehehehe

Bic Laranja disse...

Prezado Álvaro Silva,
Pois cuidava eu ser linguagem de bárbaros e afinal é burel castelhano.
:)
Cumpts.

Floribundus disse...

Corrière della Sera

il Fondo monetario gela l’Italia:
«20 anni per tornare a livelli pre-crisi»

sinistra caviale
'faccia di culo'
'Va' fa' un culo'

Floribundus disse...

Insurgente
Com a manutenção das medidas de austeridade, as previsões apontavam para um crescimento da economia em 2015 entre 2,5% e 2,8%%. Depois chegou o Syriza, comprometido a acabar com a austeridade da troika. Seis meses depois, as previsões de crescimento foram revistas: -3,3%. No final do ano, a economia grega (portanto, a capacidade da Grécia para pagar pensões, salários e dívida) será 6% inferior ao que seria se tivesse continuado as reformas de anos anteriores. Está aí o resultado da alternativa à austeridade da troika: uma austeridade socialista, ainda maior e mais empobrecedora.

Nos últimos três anos, foram transferidos do Orçamento do Estado (OE) 3,4 mil milhões de euros para cobrir os défices da segurança social. O fundo de estabilização (um subsistema de capitalização da segurança social) cifrava-se em 2014 em pouco mais de 3 mil milhões, o suficiente para pagar seis ou sete de meses de pensões em caso de emergência. Além disso, foi necessário transferir, em 2014, mais de quatro mil milhões do OE para a Caixa Geral de Aposentações. Neste momento, há 1,5 activos para 1 pensionista. Segundo um estudo recente da Comissão Europeia, em 2060, mantendo-se as actuais tendências (e consideraram nesse estudo uma taxa média de 8% de desemprego), cada português receberá apenas 30% do seu último salário

no Trib Const
só faltou gritarem
'sirvaaaaam-se!'

Luis disse...

As questões apresentadas por este sindicalista até podem ser pertinentes, mas trata-se de mais uma palhaçada a que a comunicação social já nos habituou ao dar voz ativa à malta dos sindicatos de polícia.
É que esta matéria de emprego operacional policial nada tem a ver com as atribuições desta gente.
Questões operacionais estão vedadas porque apenas a direção nacional e os comandos operacionais têm competência, capacidade e saber para tratar delas. E por isso é que são oficiais e chefes em funções de comando.
Já alguém ouviu a direção nacional dizer que não tem capacidade de cumprir esta missão? E só esta poderá pronunciar-se sobre isso.
Numa instituição com 22 mil agentes, e um comando metropolitano de polícia com 5 mil agentes, seria ridículo se dissessem não estar nas suas possibilidades fazê-lo.
Já algum OCS perguntou à direção nacional se havia problema no cumprimento da tarefa?
Provavelmente já, mas terá recebido como resposta que não haveria problema.
Sempre que as tarefas exigem reforço de agentes, este é fornecido. Como disse, com 5 mil agentes em Lisboa mal seria se houvesse problema.
O que há é muita especulação e muitos a colocar-se em bicos dos pés.
Quem responde pela polícia é a sua direção e nunca esta malta dos sindicatos.

A Mim Me Parece disse...

"Esta malta dos sindicatos" da polícia apenas está a fazer o alinhamento político com o viúvo, o Vasco das patilhas e toda a cambada xuxa no ataque ao Juiz Carlos Alexandre e na lavagem impossível do inenarrável da cela 44 do EPE.

A Mim Me Parece disse...

"Esta malta dos sindicatos" da polícia apenas está a fazer o alinhamento político com o viúvo, o Vasco das patilhas e toda a cambada xuxa no ataque ao Juiz Carlos Alexandre e na lavagem impossível do inenarrável da cela 44 do EPE.