Páginas

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

O juiz da Lava-Jato é a figura do ano para a Veja



No Brasil, o exemplo vem dos juízes e como tal é reconhecido. E por cá?

Por outro lado, para escrever sobre o juiz, cujo trabalho merece encómios, os jornalistas da Veja foram ver...o seu trabalho. Leram centenas de sentenças ( em média com uma dúzia de páginas) e relataram métodos, decisões e citações. O essencial, portanto e anos-luz do jornalismo de cá, ocupado no fait-divers e no acessório. 

5 comentários:

lidiasantos almeida sousa disse...

Tomai o fardo do Homem Branco -
Envia teus melhores filhos
Vão, condenem seus filhos ao exílio
Para servirem aos seus cativos;
Para esperar, com arreios
Com agitadores e selváticos
Seus cativos, servos obstinados,
Metade demônio, metade criança.

Tomai o fardo do Homem Branco -
Continua pacientemente
Encubra-se o terror ameaçador
E veja o espetáculo do orgulho;
Pela fala suave e simples
Explicando centenas de vezes
Procura outro lucro[1]
E outro ganho do trabalho.

Tomai o fardo do Homem Branco -
As guerras selvagens pela paz -
Encha a boca dos Famintos,
E proclama, das doenças, o cessar;
E quando seu objetivo estiver perto
(O fim que todos procuram)
Olha a indolência e loucura pagã
Levando sua esperança ao chão.

Tomai o fardo do Homem Branco -
Sem a mão-de-ferro dos reis,
Mas, sim, servir e limpar -
A história dos comuns.
As portas que não deves entrar
As estradas que não deves passar
Vá, construa-as com a sua vida
E marque-as com a sua morte.

Tomai o fardo do homem branco -
E colha sua antiga recompensa -
A culpa de que farias melhor
O ódio daqueles que você guarda
O grito dos reféns que você ouve
(Ah, devagar!) em direção à luz:
"Porque nos trouxeste da servidão
Nossa amada noite no Egito?"

Tomai o fardo do homem branco -
Vós, não tenteis impedir -
Não clamem alto pela Liberdade
Para esconderem sua fadiga
Porque tudo que desejem ou sussurrem,
Porque serão levados ou farão,
Os povos silenciosos e calados
Seu Deus e tu, medirão.

Tomai o fardo do Homem Branco!
Acabaram-se seus dias de criança
O louro suave e ofertado
O louvor fácil e glorioso
Venha agora, procura sua virilidade
Através de todos os anos ingratos,
Frios, afiados com a sabedoria amada
O julgamento de sua nobreza.
Notas[editar]
Ir para cima ↑ N.T.:Ou "Procura o lucro de outro"
Heckert GNU white.svg Este trabalho foi publicado nos termos da GNU Free Documentation License.
Categorias: Obras publicadas sob a GNU Free Documentation License1899Rudyard KiplingPoesia inglesa
Menu de navegação
Não autenticadoDiscussãoContribuiçõesCriar uma contaEntrarTextoDiscussãoLerEditarVer histórico

Pesquisa
Ir
Página principal
Como participar
Portal comunitário
Mudanças recentes
Página aleatória
Ajuda
Donativos
Imprimir/exportar
Criar um livro
Descarregar como PDF
Baixar como EPUB
Versão para impressão
Ferramentas
Páginas afluentes
Alterações relacionadas
Páginas especiais
Ligação permanente
Informações da página
Citar esta página
Noutros idiomas
Čeština ⇔
English ⇔
Adicionar ligações
Esta página foi modificada pela última vez à(s) 06h22min de 1 de setembro de 2011.
Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0); pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as Condições de Uso.

josé disse...

SPAM.

Terry Malloy disse...

Ainda me lembro de ouvir "isto não é um brasil!".

Ao que chegámos...

Floribundus disse...

a ditadura social-fascista do rectângulo post 25.iv

criou novos deuses e seus mitos urbanos
piores que os greco-romanos ou nórdicos
porque somos obrigados a viver com eles, agrupados em sovietes

trabalhadore grevistas da cgtp
politicos de esquerda
médicos e enfermeiros
professores
juizes e procuradores
futebolistas e dirigentes
bsrões da droga
cantores foleiros
jornaleiros foleiros dos jornais e tvs

o rectângulo da rataria fede como nunca

a Troica virá em classe turística

Maria disse...

A Justiça no Brasil está muitos passos à frente da portuguesa. Este Juiz e os Procuradores que o acompanham na procura da verdade sobre a mega-corrupção que por lá grassa a nível do Estado, é qualquer coisa de espantar o mais distraído ou leigo em assuntos jurídicos. Na verdade lá como cá, mas com algumas diferenças de peso. Lá está-se a combatê-la sèriamente. Cá, estamos longe disso. Diria mesmo que, pela amostra, o sistema judiciário brasileiro já ultrapassou em eficácia o dos próprios Estados Unidos, sobretudo no que diz respeito à sua independência política, deixando aquele a milhas de distância e demonstrando quão determinado e livre das amarras políticas o sistema brasileiro realmente se encontra. Nos E.U. o compadrio e as ligações promíscuas entre políticos altamente corruptos e a maioria dos Juízes (e mesmo advogados) vendidos ao poder político, é incomensurável. Muitos destes são escolhidos pela subserviência prèviamente assegurada pelo grupo restrito de personagens obscuras que manobram na sombra e que são quem efectivamente manda no sistema político e judicial norte-americanos.

Quando se vê a Justiça brasileira acusar de mega-corrupção e de outros delitos graves com aquela correlacionados, um ex-presidente da República e estar prestes a fazer o mesmo a uma "presidenta" ainda em funções, bem como a outros políticos e personalidades influentes da sociedade, sem receio das consequências que profissionalmente daí possam advir nem medo das pressões políticas que venha ou já esteja a sofrer, bem, isto significa que no Brasil existem Homens com H maiúsculo que julgam e condenam quem abusa, prevarica e/ou trafica gravemente aproveitando-se das altas funções que desempenha no Estado - esses mesmos devem ser o exemplo a seguir por todos os Juízes e Procuradores de todas as democracias, das que realmente se podem considerar como tal, pela inestimável determinação e iniludível coragem com que têm vindo a chamar a si processos escaldantes de gente importante supostamente intocável, para posteriormente vir a julgar e se for caso disso condenar os culpados - em seu único proveito, traíndo criminosamente a confiança em si depositada pelos povos que cìnicamente dizem governar.

Honra aos valentes Juízes, Procuradores e Investigadores brasileiros. Que prossigam na sua nobre missão e que Deus os proteja. Nós também temos por cá desses bravos e destemidos profissionais. Infelizmente poucos, mas extraordinários. Apenas os mais conhecidos: os digníssimos Rui Teixeira, Carlos Alexandre, Rosário Teixeira, mas há outros de louvar. Não temam as personagens importantes, políticas e não políticas, que se escondem da Justiça valendo-se de esquemas sinuosos altamente denunciadores dos crimes praticados, para fugir aos processos escaldantes em que estão implicados. Juízes, Procuradores e Investigadores nada receiem, levem os processos escabrosos que têm em mãos até ao fim. Os portugueses agradecem. Saibam que não serão esquecidos.