Páginas

quarta-feira, 27 de julho de 2016

A nossa grandeza foi há mais de 500 anos...

Século Ilustrado de 13.8.1960, reportagem sobre a inauguração do Padrão dos Descobrimentos  por ocasião da efeméride dos 500 anos da morte do Infante D. Henrique, o Navegador.






A mundialização da economia desenvolveu-se muito a partir das nossas descobertas...mas no séc. XVIII a Europa do Norte já nos tinha passado a perna,  pelo que os nossos mitos assentam num passado distante de muitos séculos.
A máquina a vapor surgiu em 1769, com Watt. O primeiro carro a petróleo apareceu em 1906, na América, com Henry Ford. A "conquista de África" pelas potências europeias ocorreu a partir de 1884, com a conferência de Berlim.
Nós já não éramos potência de coisa alguma, a não ser da saudade dos tempos das Descobertas...

6 comentários:

zazie disse...

Já não éramos nessa altura e antes da Expansão também não.

muja disse...

Mas quem é que diz que éramos ou fomos potência?

Não é preciso ser potência para realizar grandes feitos. Nem é preciso realizar grandes feitos para se ser potência.

Tal como não é preciso ser poderoso para se ser digno e respeitado, nem é preciso ser respeitado e digno para se ser poderoso.

Isto é para o discurso do comer e calar do teimoso do Salazar que não comeu nem calou o que os americanos lhe queriam "dar"?

josé disse...

É apenas para não alimentarmos mitos e lendas para além do que os mesmos significam: identidade de um povo.

josé disse...

Serve também para perceber que o que fizemos de grandioso no séc.XVI esfumou-se logo a seguir.

Porém, esse passado merece ser lembrado para sabermos quem somos e não esquecido como fizeram agora na Praça do Império.

josé disse...

Não é para nos (g)orgulhar mas para sabermos quem somos e de onde viemos.

Floribundus disse...

D. Filipa de Lencastre
gerou duas importantes personagens
D. Henrique
D, João II

perdoo 1º a existência dum monhé
a quem o 2º já teria dado o devido tratamento