Páginas

segunda-feira, 4 de julho de 2016

O mito do "homem da regisconta"

Para entender a estupidez da análise de Pacheco Pereira a propósito do PSD actual ser agora algo que nunca foi, ou seja, ter abraçado um credo "neo-liberal" e sufragado ideias avessas à social-democracia talvez seja útil recordar um postal aqui escrito em 25.11.2012.

A "tecnocracia" do "homem da Regisconta" sempre foi uma marca de água de um partido que procurou resolver os graves problemas económicos do país e governar segundo critérios de gestão com vista ao sucesso que todos almejam, apesar da palavra ser maldita. Nessa altura a ideia tinha outro conceito: o "homem novo" que o jornal Independente de MEC e Paulo Portas não se cansou de fustigar com um objectivo que depois se tornou claro: procurar apenas ser um califa no lugar de outro califa, sem mais. Aumentar um partido que cabia num táxi para ocupar lugares de camioneta ou de combóio.
A ideia do "homem novo" cavaquista, muito glosada e desprezada pela bempensância nacional ( a começar por VPV) era ideia associada para varrer a ideia socialista do assistencialismo estadista que tivemos e temos, para nossa desgraça maior. Sá Carneiro que os pachecos pereiras agora recuperam para o pensamento original social-democrata não queria outra coisa e isso é tão explícito que só não entende quem não percebe o essencial e se liga ao acessório.
O cavaquismo não conseguiu fazer dessa ideia coisa que se visse e o assistencialismo ainda aumentou mais, com o surgimento de quistos que deram em BPN´s, Proenças de Carvalho e afins. Se isto era a social-democracia que agora se defende é coisa que não se compreende, mas Pacheco Pereira achará que sim e que era melhor que as ideias que passam no programa actual do PSD.

A tentativa de libertar o país do jugo ideológico em que se encontrava ( e encontra) desde 1974 não surtiu em Pacheco Pereira ou noutros líderes de opinião mediatizada  grande eco, apesar de alguns discursos que poderiam enganar quem os lesse ou ouvisse. No caso de Pacheco Pereira torna-se até incrível comparar o que então dizia com o que agora escreve.
Pacheco Pereira foi líder parlamentar do PSD quando as ideias do "homem novo" eram correntes e mais arrojadas tecnocraticamente do que as do "homem da Regisconta", mas nessa altura quem fazia a figura do Pacheco Pereira de hoje eram apenas os comunistas...o que aliás não admira porque é a demonstração da "boucle bouclée. O passado reencontra-se neste presente porque sempre foi assim.
Querer vituperar a pobreza do ideário actual do PSD esquecendo aquela tentativa de implantar a mesmíssima ideia através de outro mito é patético e imbecil.

Será esta, porventura,  a nossa maior questão nacional: saber distinguir o que verdadeiramente precisamos e separar o Estado de uma economia que se quer mais pujante, progressista no sentido certo, eficiente e competitiva nos "mercados". Numa palavra: riqueza. Para contrariar outra palavra: pobreza. São palavras que a Esquerda entende, embora só destaque a segunda para efeitos de propaganda. A primeira palavra, riqueza,  é-lhe muito cara mas apenas em modo pessoal e particular, para os seus mais próximos. A outra, pobreza, é para uso geral e eleitoral, para captar a atenção dos mais pobres que lhes assegurem a tal riqueza que pretendem alcançar. Basta ver os exemplos concretos dos socialistas que arranjaram vidinhas de ricos enquanto associados à governação quando eram pobretanas de subúrbio, na oposição.

É este o raciocínio básico e simples do que se tem passado em Portugal nas últimas décadas: enganos, demagogias, realidades paralelas e fantasias correntes. A tentativa do cavaquismo ( que começou assim) dos anos noventa em alterar tal estado de coisas, frustrou-se talvez por causa disto e de outros fenómenos:


Em 23 de Janeiro de 1995 o jornal Público dirigido então por Vicente Jorge Silva ( que hoje debita inanidades na tv) publicou uma extensa reportagem sobre a década prodigiosa do cavaquismo, isso "no dia em que Cavaco se define", ou seja quebrava o "tabu", ou seja desvendar o que iria fazer da sua vida. Poderia ter dito: acabou, falhei, nunca mais volto à política. Porém, como se sabe, a "História não acaba assim"...


Nos anos em que alcançou duas maiorias absolutas ( 87 e 91) Cavaco foi o "chefe" e poderia ter feito o que muito bem entendia macro-economicamente. Estávamos na CEE, em breve na UE e dali não sairíamos porque recebíamos milhões e milhões de "fundos estruturais". 
Mas...seriam os problemas de Portugal essencialmente económicos? E tinha Cavaco as pessoas mais adequadas para pensar esses problemas, mesmo económicos? E os outros problemas, de cultura, educação e desenvolvimento real, como é que o Estado e os três governos de Cavaco resolveram a equação, com as pessoas que tinha a governar em maioria absoluta e o país rendido, numa expectativa que se frustrou, como agora se deve reconhecer e em 1995 era já notória. Tão notória que apareceu outro salvador, da área do socialismo democrático, de seu nome Guterres que concitou outra maioria absoluta com promessas e bolos políticos e durante meia dúzia de anos enganou novamente os portugueses ( de tal modo que um dos seus ministros emblemáticos, Sousa Franco, pronunciou publicamente num restaurante que o governo de então "era o pior desde D. Maria"). Isso será outra História, a seguir,
Por enquanto fiquemos nesta, de Cavaco.
Em 22 de Abril de 1989, a Revista do Expresso publicou este artigo de página, da autoria de um insuspeito António José Saraiva, um intelectual como já não temos ( Eduardo Lourenço leva hoje no Público uma rabecada em grande, de VPV), sobre uma figura que já então suscitava curiosidade aos portugueses em geral: Salazar. É ler o que Saraiva escreve: "Salazar foi, sem dúvida, um dos homens mais notáveis da história de Portugal e possuía uma qualidade que os homens notáveis sempre possuem- uma recta intenção." Os comunistas não gostaram desta prosa de um antigo camarada...que afinal não chamava fassista ao ditador.



Os governos de Cavaco suscitaram muita curiosidade e expectativa pelas promessas de "pogresso" ( era mesmo assim que Cavaco falava na altura, por isso...) e ideias de "homem novo" e outras expectativas que colocaram muito alta a fasquia do futuro melhor para todos.

Em Abril de 1992 apareceu a revista Fortuna, dirigida por Álvaro de Mendonça. O tema de capa era já Belmiro de Azevedo.


No interior fazia-se um apanhado jornalístico sobre os ministros de Cavaco, com apreciações do ponto de vista de um "sector de ponta" em vias de aparição e que nunca mais nos largaria- o dos economistas especialistas em gestão. Olhavam assim para os ministros de Cavaco:


Como se vê, o mais desgraçado de todos era...Braga de Macedo, visto como académico, desligado das realidades económicas e "não daria um grande gestor", segundo os gurus da revista.

Outra revista surgida uns meses antes, a Valor, no primeiro número de 8.11.1991 fazia uma apreciação da politica económica do governo de Cavaco dirigida por aquele Braga de Macedo e também uma certa Manuela Ferreira Leite, agora muito crítica do suposto neo-liberalismo deste actual governo social-democrata.


Na senda da descoberta do caminho certo para a nossa economia aditivada com as ajudas estruturais da CEE, havia como sempre os do "contra". Como é costume aquele que teve sempre razão deu azo a uma crónica de VPV no Público de 7 de Julho de 1990, em forma de "Carta ao patrão dos patrões", na altura o já notório Pedro Ferraz da Costa que merecia ser ouvido muito mais do que é- e seguido. Não foi por falta de aviso que os governos de Cavaco falharam. For por soberba, pura e simples. E devorismo de uns tantos cuja história virá a seguir.


Apesar da auto-suficiência e dos conselhos amigos de quem tinha experiência e saber acumulados, num dos governos de Cavaco, um ministro teve a ideia peregrina de convocar meia dúzia dos tais economistas especializados em gestão, formados em ideias anglo-saxónicas ( percursores dos cursos da Católica, onde aliás se formou Vítor Gaspar) e com grande pompa e gasto a condizer, convidou um dos então gurus da tal gestão tipo Drucker. Michael Porter was his name e só falava inglês, conhecendo coisas como "clusters", cuja tradução para português nem sequer foi tentada porque o parolismo da época transplantou-se para o presente e apesar de algumas firmas de advogados apostarem muito na língua portuguesa, continuam a falar para inglês ver. O fenómeno parolístico começou nessa altura. Será que os alemães também se exprimem nesse inglês técnico de gestão corrente?
Então a revista Fortuna de Dezembro de 1993 publicou uma separata sobre o famigerado "relatório Porter" e uma entrevista com o seu mentor Mira Amaral, que apresentava o dito cujo não sem esclarecer que "o que eu não tenho é o impacto mediático que tem o professor Porter. As ideias já eu tinha." Parolice maior será difícil encontrar: perante a incapacidade em mostrar e convencer os portugueses das "ideias que tinha", o cavaquismo convida um americano para estudar, conjuntamente com uma equipa ( os nomes vêm na revista e são uma dúzia de jovens formados nas tais escolas de "gestão") e elabora um relatório. Destino do relatório? Lixo. Nunca foi aplicado devidamente. Portugal e as ideias que o cavaquismo tinha foram assim mesmo: uma frustração em grande.
Quanto ao tal Mira Amaral que agora aparece bem posicionado na vida, na mesma altura declarava a uma revista de automobilismo que a sua maior ambição em carros era ter um Mercedes classe C. Outro que também aparecia a mostrar o seu desejo automobilístico era um tal Fernando Gomes, um dos tais economistas formados nas antigas escolas industriais e que foi presidente da câmara do Porto. Agora administra uma empresa pública com salário a condizer com o estatuto que então ambicionava: ter um BMW série 5. Está tudo dito...



Não admira nada por isso que a prognose póstuma efectuada pelo Público em 23 de Janeiro de 1995 fosse uma grande, enorme frustração e desencanto. Apenas sobre a Economia ficam duas páginas que mostram que afinal o cavaquismo foi mesmo a génese da nossa destraça colectiva. Alguém duvida? Alguém contesta?
 O nosso fado teria mesmo que ser este, com este Cavaco e estas personagens de opereta como dantes se dizia? Não tínhamos melhor? Se calhar não porque a seguir ainda veio pior...
Em 1995, o PS apresentava-nos 100 nomes 100 para nos governar. Deus meu, como foi possível acreditar outra vez nessa desgraça?  A História segue dentre de dias.





17 comentários:

Floribundus disse...

depois de Cavaco
os xuxas escavacaram as sobras do que podia ter sido um país

com a geringonça
vamos ser resgatados

na tv além da bola só há regateiras e um E.T.

joserui disse...

"procurar apenas ser um califa no lugar de outro califa, sem mais."
Com isto não concordo… O Independente publicava escândalos todas as semanas porque… havia escândalos todas as semanas. Esses governos Cavaco Silva foram desastrosos para o país. A grande diferença para o governo Sócrates é essencialmente o próprio trafulha Sócrates, porque em bom rigor Cavaco estava rodeado de gente tenebrosa, personagens que isso sim, quem não viu na altura viu depois, eram trafulhas inacreditáveis. Acresce a absoluta falta de visão de Cavaco Silva, que nos vendeu a troco de cimento e alcatrão. Outra diferença é que nenhum governo delapidou tanto dinheiro como os de Cavaco Silva.
O problema do país não passa só pelo PS ser o partido que é e os outros uma miséria. Passa pelo PSD ser apenas residualmente melhor. A verdade é que é tudo um nojo. Mas a culpa é da Alemanha. -- JRF

josé disse...

"havia escândalos todas as semanas"

Que escândalos?

O de Macau conduziu à verdade?

E quais foram os do cavaquismo? O Duarte Lima ter uma quinta em nome de uma sobrinha?
O Cadilhe enquanto ministro fazer uma permuta de casas e usar os jipes da Guarda Fiscal para as mudanças?

O que é que houve mais assim de grave que não me lembro bem...talvez a manta do João de Deus Pinheiro, vinda da TAP?

joserui disse...

Não houve? É a ideia que tenho (estou errado?), mas o José é que tem a torre do tombo… tem de ir aos jornais. Pelo nome não sei, mas nunca se delapidou tanto dinheiro… foi fartar vilanagem… só no asfalto roubou-se milhões, na apelidada "formação" gastou-se mais dinheiro que em asfalto… Além disso essas personagens sinistras tipo Proença, Júdice e quejandos não transitaram todos pelo PSD dessa época? Ou Balsemão que ainda lá vegeta como #1. -- JRF

josé disse...

A "torre do tombo" sobre isso está quase toda aqui nos arquivos do blog, desde há mais de dez anos...

Basta procurar porque não falhou nenhum importante.

Floribundus disse...

José
tebha muita paciência
há sempre um i,becil de serviço

vrjo-os com pena na cabeça e osso no nariz

o homem do Cro-Magnon ainda deixou a tripa com conteúdo

João José Horta Nobre disse...

O problema é que nem raposos, nem regiscontas conseguem apresentar uma solução adequada para se resolver o problema da queda tendencial da taxa de lucro:

http://historiamaximus.blogspot.pt/2016/07/o-capitalismo-nunca-morre.html

Este calcanhar de Aquiles do Capitalismo não falha e também não adianta fazer de conta que o mesmo não existe...

josé disse...

Temos sempre o socialismo como alternativa...

João José Horta Nobre disse...

«Temos sempre o socialismo como alternativa...»

http://historiamaximus.blogspot.pt/2014/01/o-mito-do-socialismo-sueca.html

zazie disse...

Excelente balanço

joserui disse...

O imbecil de serviço sou eu? Este Floribundus volta e meia dá-lhe para o Parviflorus.
Eu até podia falar em personagens como o Menezes ou Marcos Antónios (ou Antonius, para rimar com bundus…), não seriam da época se calhar. Mas mesmo esses são residualmente melhores que Carvalheiras que os antecederem em Gaia. Apenas residualmente. A minha tese é que se com o PSD é mau, com o PS é pior, só isso. Mas se houver aqui tolinhos do PSD, digam de sua justiça e demonstrem como a nossa terra progrediu… -- JRF

joserui disse...

Aliás agora estou a lembrar-me de uma historieta que uma vez me contaram de uma mala diplomática com fotografias pedófilas… diz que o ministro Cavaco a mandou abafar com sucesso e disse ao apelidado vice-rei do Norte para desaparecer. E ele desapareceu. A verdade é que até falecer nunca mais ninguém o viu e antes não saía dos jornais e tv. Portanto, venha o diabo e escolha. -- JRF

Maria disse...

Desculpe José mas o joserui tem razão no que escreve sobre Cavaco. Foi durante o seu governo que Portugal começou a receber centenas de milhões de euros diários para gáudio da esquerda unida, PSD incluído e do que os políticos mafiosos se preparavam para fazer com grande parte deles. Esses milhões foram gastos à tripa fôrra em obras faraónicas, a maioria delas de duvidável utilidade (vide as três auto-estradas, duas delas sem movimento rodoviário pràticamente nenhum), obras que, para poupar milhões (estes retirados às obras públicas para serem depositados em que off-shores e de que corruptos, alguém é capaz d'adivinhar?), foram executadas com materiais de qualidade sofrível e em quantidade inferior ao requerido para segurança dos automobilistas, ocasionando nos váriadíssimos troços acidentes graves, nuns casos pelos desníveis inaceitáveis do pavimento e noutros pelas curvas criminosas em lugar das rectas obrigatórias, porém não construídas para evitar pagar aos proprietários dos terrenos a expropriar a correspondente indemnização, facto que a ter sido levado a efeito evitaria os graves acidentes que têm vindo a ocorrer desde então sucessivamente. Ainda a deficiente espessura e tipo errado de alcatrão dificultando a aderência dos pneus e dando origem a derrapagens perigosíssimas, bem como a defeituosa consistência (por má orientação, intencional ou não, do/s encarregado/s da obra) dos materiais sob a superfície -- comprovadas por engenheiros independentes, após a sucessão d'acidentes graves ocorridos -- isto 'supostamente' para evitar que o custo da obra não fosse ultrapassado... e não obstante ele excedeu em muito o inicialmente previsto, como sempre tem vindo a acontecer em todas as obras públicas desde que existe democracia em Portugal. Os muitos milhões a mais que foram (aparentemente) gastos nessa obra (e o mesmo tem vindo a suceder em todas as demais obras públicas) não serviram para beneficiar as respectivas obras, o que até seria sinónimo de boa gestão, foram, isso sim, direitinhos para as contas bancárias das várias entidades públicas e privadas ligadas ao projecto..., teria sido útil ter-se sabido na altura exactamente que entidades foram essas.
(cont.)

Maria disse...

(Conclusão)

Isto tudo foi sucedendo com o seu beneplácito, a juntar à protecção de criminosos políticos como o seu querido amiguinho Duarte Lima que, além de o ter desculpado em tempos idos por não ter pago o IVA do seu andar de luxo da Av. João XXI (segundo palavras do próprio Cavaco "qualquer pessoa pode cometer falhas deste género sem que deva ser culpada por isso", imagine-se o descaramento??!!), sempre esteve do seu lado, quem sabe se mesmo quando aquele assassinou a ingénua (e crente nele, seu advogado) Rosalinda Machado, para se locupletar com os seus cinco milhões de euros. De Cavaco não se ouviu até hoje um pio criticando tão horrendo crime cometido pelo seu querido amiguinho... Porquê?!, Será que ele concordou com o crime?!?

E que dizer de um outro seu amigo do peito e corrupto da mais pura água, Dias Loureiro, que além de ter cometido burlas políticas e económicas de toda a ordem e feitio e sendo todas elas conhecidas do Portugal inteiro, apesar disso Cavavo, com a hipocrisia, cinismo e interesseirice que caracteriza a sua dupla (ou tripla) personalidade, continuou a permitir aquele trafulha como conselheiro de Estado. Isto e para sua própria vergonha, se tornar incomportável conservá-lo nesse lugar face aos múltiplos protestos de personalidades conhecidas e de articulistas e cronistas probos, que ainda os havia.

De Cavaco nada de bom seria de esperar, isto depois de se ter reunido com o Bush-pai e mais tarde com Bush-filho, exclusivamente para receber ordens maçónicas de ambos, além de posteriormente e como agradecimento de tão prestimosos serviços, ter sido convidado por várias vezes e novamente por ambos os Bush para 'confraternizar' (e receber mais ordens?) na sua casa de férias em Newport e não na Casa Branca, o que seria normal, para despistar os incautos e confundir os mais ingénuos.

Cavaco foi igual a ele próprio e a todos os mafiosos que nos têm governado desde Abril de 74. Não me esqueço de que logo após o atentado que matou Sá Carneiro (seu fiel amigo e em quem este confiava em absoluto), a instâncias superiores e secretas, largou cobardemente o governo da AD e como bom oportunista e vendido ao sistema, esperou por melhor ocasião para voltar ao poder em grande. E assim aconteceu, conforme aliás lhe fora prometido pela máfia que governa o País desde 1974. E quem foi que lha ofereceu prometendo-lhe os mais importantes cargos a que qualquer político (sobretudo se oportunista e interesseiro) podia vir a aspirar ou seja, vir a ser futuro primeiro ministro e posteriormente ascender a presidente da república (minúsculas intencionais)? E quem foi que lhe garantiu esse futuro radioso na condição dele esquecer todas as escandaleiras políticas, burlas, traficâncias, corrupções políticas e eventuais crimes de sangue (como o atentado a Sá Carneiro, por exemplo) de que viesse a tomar conhecimento durante os seus futuros governos e mais tarde como presidente? Soares, como é bom de ver. Who else?

Depois de tudo o que se sabe de menos bom (e mesmo de mau) que aconteceu em Portugal durante os mandatos de Cavaco e este nem um passo deu para os denunciar ou travar, será que um governante com estas características merece algum crédito? Na minha modesta opinião, nenhum.

Sou insupeita, sempre votei nele em todas as eleições a que concorreu.

josé disse...

Basta ler o que escrevi e tenho escrito ao longo dos anos sobre o período cavaquista para se entender o que penso e não é a defesa à outrance desse período, antes pelo contrário.

Porém, isso é uma coisa; outra é a ocorrência de fenómenos de índole criminal, com efectiva importância comprovada.

Cavaco nunca teve um Santos Silva nem me parece que tenha havido casos semelhantes no seu tempo ou até do Santana, o artista. O que houve foi a facilidade de acesso ao pote que alguns aproveitaram. Oliveira Costa, por exemplo. Acolitado por Dias Loureiro.

zazie disse...

Parviflorus

AAHHAHAHAHA

Maria disse...

Concordo consigo, José.

Há ainda outras decisões gravíssimas tomadas por Cavaco, que deram o golpe final na já de si frágil sustentabilidade económica dos portugueses, que me esqueci de mencionar. A destruição das pescas, do textil, da agricultura, da floresta. E este farsante ainda teve o descaramento inaudito de anos depois (após verificar a tragédia económica que tão criminosas decisões por si tomadas provocaram no nosso tecido económico) vir pedir aos portugueses para "voltarem ao mar e à agricultura e à protecção da floresta"(!!!). De facto é preciso muita lata e nenhuma vergonha.