Páginas

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

A Direita existe, em Portugal?

Em 11 de Abril de 1986 o Jornal publicou um artigo de página, assinado por Fernando Dacosta dando conta do que seria a Direita em Portugal nessa altura.

Como representantes dessa "direita" apareciam no retrato Cavaco Silva, Freitas do Amaral e Proença de Carvalho. Fica tudo dito com esta análise impressiva do jornalismo corrente desse tempo. E Fernando Dacosta nem era dos piores...

Para o articulista haveria cinco "direitas". A mais interessante é a que aparece designada como "direita musculada" e que seria "autoritária, imediatista, adepta de soluções violentas. Cultiva o nacionalismo e a simpatia pelos regimes de força e o desprezo pelo comunismo e partidarismo. Vive na nostalgia de Salazar. Recruta-se na classe média e média baixa, aspirando a mobilizar populações da província".



Esta direita ou as direitas aqui elencadas não existem em Portugal, actualmente, como força política organizada ou mesmo como correntes de opinião reconhecidas mediaticamente nos principais media. Existem uns líricos que proclamam ideias parecidos ou sustentam uma nostalgia de um tempo ido e pouco mais. Alguns escrevem no jornal O Diabo, por muitos ainda considerado um "pasquim da reacção".
Assim quando muito existem por aí uns blogs avulsos em que se dá vazão a essa expressão.
No outro dia, houve uma manifestação de uns resquícios dessa direita musculada no Martim Moniz, contra outra manifestação em prol de refugiados.
A polícia apareceu e prendeu um elemento ou dois do PNR. Antes tinha havido uma acção de força do MºPº contra "skins" ou seja lá isso o que for.
Em Portugal não há qualquer hipótese democrática de poder aparecer livremente um movimento ou partido desse género porque é logo catalogado de nazi, diabolizado pelos media e perseguido pelo MºPº sob denúncia de um qualquer esquerdista marado.

E no entanto há uma força que permanece imutável ao longo do tempo e que tem uma ideologia que é radical e sem exemplo no mundo ocidental, como o conhecemos: o PCP.

Atente-se nestas páginas da sua última revista O Militante, de Novembro/Dezembro 2016:


Este partido que integra a coligação parlamentar que sustenta o Governo actual em funções tem a sua ideologia perversa bem exposta para todos lerem e até tem o seu guru intelectual que há muitos anos tem ideias sobre a economia e as escreveu em manual, agora reeditado: Avelãs Nunes.


Este e outros não incomodam ninguém...e portanto o desequilíbrio democrático mantém-se. Talvez por isso ainda não tenha surgido em Portugal um fenómeno como o da família Le Pen, em França...


26 comentários:

zazie disse...

Que fósseis mais anormais.

Isto fica bem. Ser fóssil comuna é bem e dá status. Não é skin nem tem "ódios" que não estejam ideologicamente aprovados como legítimos.

muja disse...

Sim, mas em boa verdade essa direita "musculada" de skins é uma imbecilidade pegada.

É uma extrema-direita criada à imagem da extrema-esquerda.

Nem sequer na Alemanha houve disso. Basta olhar para imagens contemporâneas. Não havia "skinheads" nem tatuagens. Não havia bandos de gandulagem. Havia homens aprumados, uniformizados e disciplinados.

Mas não sei lá as razões que os movem; imagino que a falta de militância seja uma delas.

Em Portugal, então, é descabido de todo e apenas serve o interesse dos bandalhos corruptos que tomaram conta disto.

E depois associam-se à imagem do Salazar mas papagueiam o que vem de fora. Ao menos que papagueassem o que ele dizia, que ao menos aproveitava-se alguma coisa. Agora, papaguear o que diz a Le Pen, ou os sionistas da Holanda ou da Alemanha... para quê?

Se pegassem em três ou quatro grandes medidas do Estado Novo e concorressem com esse programa copiado, faziam melhor figura, provavelmente não se enganavam e desconfio que tinham mais votos...


muja disse...

Quanto aos comunas isso não é nada de novo nem de cá. Acontece em todo o lado.

A raison d'être da FN é a imigração. Tal como para todos os partidos semelhantes na países da Europa Ocidental.

E essa é igualmente a razão pela qual são minimamente tolerados. Têm um papel a desempenhar, quer queiram, quer não.

O mais curioso é ver que em matéria de imigração o Marchais do PC francês dos anos 80 estava mais à direita que a Le Pen da FN de hoje.

E até nos EUA, com este alarido todo, a verdade é que em termos de política concreta - actos legislativos e executivos - o democrata Clinton estava mais à direita do que as bujardas do Trump.


zazie disse...

São os "skins de carapinha da Linha de Sintra".

É o que se pode arranjar ":OP

Contava uma vez o Tiago Cavaco que ia no comboio e entrou um grupo deles a gritar morte aos pretos. O preto do grupo berrava o mesmo slogan também

ehehehehe

zazie disse...

Tem velho de cá e sem semelhança com mais nada.

Não existe um PCP como este e com estes editoriais em parte alguma da Europa.

Só se for na Coreia do Norte. Em Cuba até duvido.

zazie disse...

Enquanto não se perceber esta evidência sem paralelo em mais algum país ocidental, não há nada a fazer.

Porque mais ninguém teve uma revolução depois da II Grande Guerra como nós tivemos.

Mais ninguém.

zazie disse...

O estranho é a escardalhada andar acompanhada dos uber neste encobrimento sui-generis.

Uns cantam a Revolução Bolchevique, outros tornam anódino o nosso PCP e preferem também andar a "desmascarar" o maldito capitalismo.

lusitânea disse...

Tudo se explica com 45000 "doutores" esmagadoramente das "ciências humanas" em especial das "migrações".A raça mista vencerá!

lusitânea disse...

Entretanto no MP há sempre alguém pronto a quebrar espinhas...a tudo o que sejam "masculinidades tardias".A raça mista vencerá

muja disse...

Sim mas a razão de estar descreditado é só porque o comunismo estalinista não é suficientemente sociopata.

Não sou grande teórico dessas coisas, mas parece-me evidente que os doentes infantis ganharam.

O comunismo foi substituído por uma mistura trotsquista gramsciana que, infelizmente, é ainda pior e ainda mais insidiosa. É a revolução permanente aplicada a tudo. É daí que vem o feminismo radical, o gender, os lgbts e todo esse cortejo de demência. Por detrás disso encontram-se sempre esses trotsquistas gramscianos. Tanto à esquerda como à direita. Os neo-conas são todos ex-trotsquistas (a parte do ex, é duvidosa).

Até cá a direita de fancaria é a mesma coisa.

Outra prova disso é ver como as sociedades ex-soviéticas são muito mais sãs do que as ocidentais. Nada dessa trampa lá viceja lá como o faz cá.

Ou como as bases, ingénuas talvez, mas coerentes, dos comunas franceses estão todas na FN.

Nós somos uma das excepções em que a comunada por aqui se ancorou no limbo. Mas os outros já estão prestes a tirar-lhes o lugar.

É só o proverbial atraso de 30 anos...

zazie disse...

Sim- o marxismo cultural fala mais alto. É incrível como merdas escritas por uns palermas de Foucault, Derrida ou Gramsci conseguiram impor-se.

Neocons não existem por cá e na terra deles perdem eleições.

zazie disse...

Quando eu lhe dizia que a nossa "extrema-direita" era escardalha v. não acreditava

ehehehe

Pois é. Por terem andados todos na mesma escolinha com o mesmo programa e a mesma lavagem cerebral dos pedagogos do Ministério.

zazie disse...

E também são todos jacobinos para se juntarem à manada. Uns andam com panelas; outros são-no.

Floribundus disse...

o meu Grande Dinamrques atropela há quase 60 anos
mijava com a perna alçada

net
Religión Judaísmo
Partido político Partido Socialista (PS)
Familia
Padre Serge Moscovici (romeno)
Educación
Alma máter Instituto de Estudios Políticos de París y Escuela Nacional de Administración
Información profesional
Ocupación Político y economista
Miembro de
Liga Comunista Revolucionaria
Le Siècle
Fundación Franco-Estadounidense
Distinciones
Order of the Three Stars
Web
Twitter pierremoscovici

a rataria devora esta trampa com os juros da dívida a subirem acima dos 3,8%

jkt disse...

A mulher que pediu demissão de Passos Coelho num protesto nas galerias da AR foi condenada a seis meses de prisão ou a pagar uma multa de 1440 euros.
O coletivo de juízes da 1ª. Instância Criminal de Lisboa deu como provados os factos ocorridos na tarde de 11 de março de 2015, na Assembleia da República, quando Ana Nicolau, de 40 anos, fez parar os trabalhos parlamentares com palavras de ordem contra o então primeiro-ministro, gritando "metes nojo ao povo" e "demissão".
Apesar de reconhecer o "direito à liberdade de expressão", o juiz presidente José Lopes Barata alertou que o exercer "sem impedimentos não pode dizer sem limites" e que não se trata de "um direito absoluto", principalmente quando está em causa o regulamento do Parlamento.
Além do facto de não ter qualquer registo criminal, a favor de Ana Nicolau estiveram os factos de ter "falado num tom direto mas não intenso", "a interrupção dos trabalhos da AR ter sido breve" e de ter "acatado ordens" da polícia.
O juiz elogiou Ana Nicolau por ser uma "cidadã empenhada", que "deveria ser aplaudida". "Deveríamos ter mais cidadãos como a senhora. Temos falta dessas pessoas", disse, frisando porém que "não se pode permitir é que essa sua atuação se faça na AR".
Ana Nicolau, desempregada desde 2012, foi condenada pelo crime de perturbação de órgão constitucional a uma pena de seis meses de prisão, cuja execução fica dependente do pagamento de uma multa diária de 8 euros, durante 180 dias (1440 euros).
A advogada de defesa, Ana Rita Castanheira Neves, não adiantou se vai recorrer da sentença.
À saída do tribunal, Ana Nicolau confessou que não ficou nem surpreendida, nem chocada com a decisão. "Não viram arrependimento nas minhas declarações durante o julgamento", lembrou.
Ana Nicolau encontrava-se na AR com mais de uma dezena de pessoas da associação Precários Inflexíveis, numa altura em Passos Coelho ia responder a uma interpelação obre as suas alegadas dívidas à Segurança Social. Todos manifestaram o seu desagrado com o chefe do Governo, mas apenas Ana Nicolau foi identificada.


JUIZES meros robots das leis.
Ridiculo que ninguem fala duma m* destas.
tinhas vergonha

Floribundus disse...

com música do falecido
Délcio Carvalho

sonho mau, sonho mau
a geringonça distribui o que nãp há
sonho mau, sonho mau
o rectângulo está falido
sonho mau, sonho mau
vai tudo a toque de caixa
sonho mau, sonho mau

josé disse...

Ridículo, o quê? A condenação?

Se existe uma lei da AR que penaliza a "perturbação de órgão constitucional" e se chamar nomes ao primeiro-ministro em pleno plenário, das bancadas da assistência é considerado crime que dizer?


Que o jacobinismo triunfa, em Portugal.

josé disse...

Como é que o juiz poderia considerar que não era crime o que a leu explicitamente diz que é?

Desvalorizando a actuação e dizendo que não houve perturbação alguma do funcionamento de órgão constitucional?

Contextualizando e dizendo que a actuação em concreto não é criminosa porque a tal perturbação exige mais que isso?

Pedir isso a um juiz banal é pedir o impossível.

josé disse...

Haja recurso e deixemos ver o que os da Relação dizem...mas aposto que não dizem mais que já foi dito.

A Relação hoje em dia é em alguns casos pior que a primeira instância.

joserui disse...

A única direita decente que reconheço é a do Porta da Loja, o resto oscila entre a direita do tipo Freitas, Proenças (podia-se acrescentar Balsemões) e a direita bronca.
A direita do jaez de Blasfémias e Insurgentes e quejandos está quase ao nível da esquerda e a maior parte dessa malta vendia-se por um prato de lentilhas, tipo o gordo que foi para deputedo (esta foi à Floribundus).
É uma direita anti-ciência, anti-cultura, anti-ambiente, sem valores, sem ideais. São capazes de destruir ou defender a destruição do que quer que seja por uns pontos quota de mercado. Nesses blogues dizem uns lugares comuns e umas coisinhas onde estão cheios de razão, porque para quem não for da "esquerda dos amanhãs que cantam", é senso comum. Haverá excepções, mas no geral é cãozoada que não conhece o dono. Não lhes confiaria 0,5€, nem um voto, nunca. -- JRF

joserui disse...

A propósito do Trump, aprendi uma palavra nova na New Yorker: Kakistocracy, o governo pelos piores. Ou um governo de merda. Ou, aquilo que tivemos desde o 25A, seja da esquerda, seja daquilo a que a esquerda intitula direita. Em português não sei se existe, mas inventei Cacocracia, o regime em que vivemos alegremente. -- JRF

josé disse...

Na classificação do Dacosta essa Direita seria a Conservadora e revejo-me em parte nessa designação, embora com matizes de outras.

jkt disse...

Sei lá, não pode fazer muito o juiz, mas lá está.
Duvido que a senhora soubesse que estava a cometer um crime, assim...

josé disse...

Falta de consciência da ilicitude, na AR e depois de terem sido avisados, quando entraram?

Essa não pega...

jkt disse...

Tenho que ler isso. É uma bagatela, mas pronto...


josé disse...

É uma bagatela que deveria ser tratada como tal. Para isso existe a suspensão provisória do processo, mas é preciso que seja aceite pelo arguido...