Páginas

terça-feira, 25 de agosto de 2015

O Estado convidativo

João Miguel Tavares anda há dois números, no Público, a responder a um tal Paulo Lalanda e Castro acerca do assunto "Octapharma", uma multinacional que deu emprego a José Sócrates, como consultor para a América Latina e que lhe justifica um estatuto de trabalhador por conta de outrém, com IRS misterioso.

Leia-se o que JMT escreve hoje:


Para contextualizar melhor, leia-se o que aqui escrevi em 1.3.2013:

Um indivíduo com 57 anos, médico do Porto, exerceu "vários cargos de chefia" no hospital de S. João, no Porto. Parece que até foi assistente universitário de um das cadeiras do curso. Entre 2003 e 2008 foi presidente do INEM e quando Ana Jorge ( PS) era ministra ( num dos governos de José Sócrates) foi consultar para o ministério, até 2011. O quê? Não se sabe por enquanto porque o jornal não diz. Mas pelo caminho que a investigação jornalística leva, um dia destes ainda viremos a saber. Desde Outubro de 2011 o mesmo indivíduo ( na foto) é presidente da Administração Regional de Saúde. Um gestor do Estado. Não é público: é do Estado que é mais precioso.
O mesmo administrador, que é do Porto, quando era presidente do INEM, arrendou uma casa em Lisboa, em 2004. Onde? Começam as coincidências...
Foi no mesmo prédio da rua Braamcamp, onde José Sócrates e a mãe compraram uns magníficos apartamentos a preços convidativos, segundo foi  notícia de época, ( embora haja quem jure que não, como Herman José que também lá comprou e que jurou terem sido pelos preços certos. Não se sabe muito bem é a quem, com precisão de nomes, mas isso já lá vai). Seja como for, o apartamento arrendado pertence a uma empresa- a Convida, investimentos turísticos e imobiliários- administrada por um certo Paulo Castro. A empresa terá accionistas mas são secretos. O contrato de arrendamento, esse, também é porque ninguém quis dizer ao jornal quanto paga de renda o tal administrador que agora é director da ARS-Lisboa e Vale do Tejo. E quem é o tal administrador da Convida, Paulo Castro?
Ora, é o administrador da empresa Octapharma, em Portugal. A mesma que empregou José Sócrates como caixeiro-viajante para os affaires da América Latina. A mesma que em Portugal domina o mercado do plasma hospitalar e os milhões que movimenta, com uma quota de 60 a 80% do mesmo.
Portanto, resumindo ainda mais: O administrador da Octapharma, Paulo Castro, é também administrador de uma empresa imobiliária cujos donos não se conhecem e que arrendou um apartamento a um funcionário público de luxo, enquanto presidente do INEM, em 2004, consultor do Ministério da Saúde entre 2008 e 2011 e agora presidente da ARS.
A explicação para esta coincidência é dada pelo mesmo administrador da ARS: conhece Paulo Castro há um ror de anos e...são amigos.
Ora...e andam estes jornalistas a desconfiar de pessoas assim que são amigas de longa data e por isso andam a bisbilhotar a vida pública dos mesmos. Isto faz-se?
Ora bem e falando sério: é preciso saber o que consultou Luís Cunha Ribeiro, desde 2008 a 2011, no Ministério da Saúde. Exactamente o quê e porquê. Onde colocou o nome assinado, onde interveio como consultor, quando ganhava pelo tacho etc etc.
Depois disso é preciso saber que tipo de relação de amizade pode justificar um contrato de arrendamento de um apartamento, por coincidência no mesmo prédio em que também estava a morar o primeiro-ministro de então, feito a uma empresa que era administrada pelo responsável, em Portugal , de uma multinacional farmacêutica que em 2008 conseguiu vários milhões de euros de negócios com o Estado e o ministério da Saúde em particular, onde aquele inquilino era consultor ( mas o que é que consultou, santo Deus? Pode saber-se, ao certo?).
Tudo isso por uma razão que é importante explicar: um gestor do Estado não deve aceitar viver num apartamento que arrendou a um amigo que é simultaneamente interessado em grandes negócios com o mesmo Estado e em que aquele inquilino está em posição de eventual conflito de interesses.
Para já o assunto é meramente ético. Depois, se o jornal descobrir mais coisas, logo se vê.
Evidentemente, eticamente isto é uma grande vergonha. Para quem a tem, naturalmente.

Ah! Já me esquecia: o senhor não tem condições nenhumas para continuar a ser presidente de ARS alguma.

ADITAMENTO em 3.3.2013:

O visado na notícia do CM terá sido chefe de serviço de imunohemoterapia entre 2003 e 2008 ( parece que não foi, o que agora - 26.8.2015)  se corrige). Se tal corresponder à verdade factual, não sei qual a razão ética de os serviços oficiais terem admitido uma situação destas e ainda por cima nomearam tal pessoa para a ARS LVT.



5 comentários:

lidiasantos almeida sousa disse...

Oh vil inveja que transforma um homem ( aparentemente ) em lobo. Pobre lobo, um dia ainda é comido pela netinha e fica sem TAXO, la volta ele para o pasquim cm de onde nunca deveria ter saído. Ficava-lhe tão bem almoçar com a laranjo. Os jornais ditos de referencia também gostam de TRASH- Le point.fr.

https://youtu.be/2IaigEz1ZMU

lidiasantos almeida sousa disse...

aldeia da coelha investigação da revista VISÃO do sócio numero 1 do PSD. que se saiba a revista VISÃO, seu director ou proprietário não foram processados apesar das denuncias gravíssimas.gravíssimas. Le point.fr.



https://youtu.be/K3T3g_e4RN0

lidiasantos almeida sousa disse...

o que tem a ver estes lucros fabulosas, com as comprar fabulosas do genro. Quando o Sócio nº 1 do PSD, fez uma campanha contra o afilhado, mandava os testas de ferro perguntar. MAS QUEM É A ONGOING, DE ONDE VEM O DINHEIRO DA ONGOING?

DE ONDE VEM O DINHEIRO DO MONTEZ PARA COMPRAR O PAVILHÃO ATLÂNTICO, muitas rádios e 15% da CONTROLINVESTE, que lhe possibilitou arrebanhar A TSF para vir a ser o IMPERADOR DA RADIO. Falta apenas privatizar a RTP e a RDP para ele ficar candidato a mais essas rádios.

https://i.ytimg.com/vi_webp/xqqiZs1m9Sc/mqdefault.webp

Bic Laranja disse...

O Heron Castillo há muito é uma espécie de caras-semanário.
Cumpts.

Bic Laranja disse...

Tem graça também que antes de o demolirem (e de lhe darem sumiço à estátua que lhe encimava o frontão), e antes de o refazerem em estylo Lux-Frágil, serviu de abrigo a portugueses do Ultramar.
Cumpts.