Páginas

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Um elefante no meio da sala e os boys do canto coral

 Observador:

“Alguém acredita que se os socialistas estivessem no poder haveria um primeiro-ministro sob investigação?” ou que “o maior banqueiro estaria sob investigação?”
“Foi durante este Governo, não é obra deste Governo, não é mérito deste Governo, mas foi durante este Governo que pela primeira vez em Portugal houve um ataque sério, profundo e consistente, à corrupção e à promiscuidade”, afirmou Paulo Rangel, na última aula da Universidade de Verão do PSD, que termina domingo em Castelo de Vide.
Questionando se “alguém acredita que se os socialistas estivessem no poder haveria um primeiro-ministro sob investigação” ou “o maior banqueiro estaria sob investigação”, o eurodeputado ressalvou, contudo, que se tratou de “obra do poder judicial”. Mas, acrescentou que “uma coisa é certa”: “o ar democrático em Portugal hoje é mais respirável e nós somos um país mais decente”
.

 O político Paulo Rangel apontou o dedo ao elefante que se encontra instalado no meio da sala da nossa democracia: os casos judiciais que envolvem políticos são alvo da interferência política dos apaniguados, particularmente os do PS.

Tal sucede com maior ou menor intensidade, desde o caso Casa Pia. Alguém se lembra da interferência de António Costa, então já político experimentado na governação e que assim continuaria? Recordemos as palavras de quem sabe:

António Costa, ministro da Administração Interna, sabia, uma semana antes da detenção de Paulo Pedroso, por alegados actos de pedofilia (no âmbito do processo Casa Pia), que este e Ferro Rodrigues, seus camaradas no Partido Socialista, se encontravam referenciados pelas autoridades. Esta é a conclusão que resulta do depoimento, feito a 14 de Julho de 2003, pelo então director da Direcção Central de Combate ao Banditismo (DCCB) da Polícia Judiciária (PJ), Orlando Romano, que na altura jantou acompanhado do governante, então líder da bancada parlamentar do PS, e ainda do à época director nacional da PJ, Luís Bonina.
O então director da DCCB - na tutela do Ministério da Justiça, a que António Costa já presidira - e actual director nacional da PSP - polícia tutelada pelo Ministério da Administração Interna cujo actual ministro é António Costa - foi chamado a prestar declarações na 2ª secção do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP), na tarde de 14 de Julho de 2003. Orlando Romano, de acordo com o auto de inquirição a que o PÚBLICO teve acesso, começa por dizer que, em Maio desse ano, numa data que oscila entre os dias 13 e 15, jantou, como fazia diversas vezes, com António Costa e o director da PJ, Luís Bonina.


O que fez então António Costa? Isto:
 
Novos excertos de escutas telefónicas entre dirigentes do PS relativas ao processo Casa Pia foram reveladas esta noite pela SIC. As gravações em causa passam-se entre Ferro Rodrigues, António Costa, e Paulo Pedroso a 21 de Maio último, dia em que o então porta-voz do PS foi detido preventivamente por decisão do juiz Rui Teixeira. O juiz Rui Teixeira considerou as escutas em causa como uma tentativa de perturbação do inquérito ao caso de pedofilia que envolve a instituição casapiana, tendo a partir destas decidiu ordenar a prisão preventiva de Paulo Pedroso.

Numa conversa telefónica entre António Costa e Paulo Pedroso na manhã do mesmo dia, o líder parlamentar do PS diz ao deputado "já fiz o contacto", ao que Pedroso respondeu "sim".

E António Costa continuou: "disse que ia falar imediatamente com o... procurador do processo... portanto, o Guerra... o receio que tem... é que a coisa já tenha... já esteja na mão do juiz... visto que é o juiz que tem de se dirigir à Assembleia... pá, talvez o teu irmão seja altura de procurar o Guerra...".

Já perto das 11h00, João Barroso contacta o irmão para lhe dizer que "o João Guerra está incontactável...". Paulo Pedroso responde: "O procurador-geral disse ao António que achava que já tinha ido tudo para o TIC...".

António Costa e Paulo Pedroso voltam a falar ao telefone, afirmando o líder parlamentar do PS: "[O procurador-geral] falou com o magistrado do Ministério Público... porque lá o dito Guerra tá lá com ele. E disse-lhe, Eh pá! O problema é que isso já está nas mãos do juiz
"
.


E que fez o PS logo a seguir? Tomou o caso como paradigmático e tratou de pôr as barbas de molho para não se queimar num futuro incerto. Alterou a legislação penal que até então era o nec plus ultra da escola de Direito de Coimbra e que afinal acabou vilipendiada por não conceder suficientes garantias de defesa a imputados excelentíssimos, como eram os altos dirigentes desse partido. Advogados excelentíssimos, filhos do regime e apaniguados das firmas que tal, fizeram o resto e continuam a fazer. São eles os donos do regime e os detentores da legitimidade para se colocarem à margem do princípio constitucional da igualdade de todos perante a lei, sempre com o credo democrático na boca e as acções deslegitimadoras da Justiça nos actos. 

No caso Face Oculta que os tais advogados excelentíssimos consideram uma fantasia de alice em que a corrupção do regime passa para o outro lado o espelho, transformada em valor inatacável, assistiu-se, no ano de 2009 a acontecimentos extraordinários, com a mãozinha do PS.
O actual recluso 44 era primeiro-ministro e assim continuou a ser numa "vitória extraordinária" ( pois foi...)  em eleições, a mãozinha do PS e as diferenças entre PS e PSD são notórias, públicas e merecedoras da alusão do deputado Paulo Rangel. Totalmente. Não há memória de interferência directa do PSD na Justiça e há casos concretos de interferência do PS na dita cuja. Portanto, o elefante continua parado e os boys a olhar para o palácio.

E o PS, neste aspecto, canta em coro, como sempre cantou...à espera do maná do orçamento de Estado. Enquanto o pau vai e vem, tentam mudar a legislação para continuarem a cantar os estribilhos do costume...o que fazem de há quarenta anos a esta parte, com assinalável sucesso.  É o partido dos pobres ( a Fundação Mário Soares recebe mais dinheiro que muitos organismos públicos com maior importância...e até o Salgado lhe deu dinheiro) das desigualdades a abater ( José Sócrates, na cadeia tem sido o recluso modelo no que se refere ao tratamento igual...) e da luta contra o "neo-liberalismo"...actual bicho-papão para ganhar eleições.







Quanto à intervenção dos sindicatos da magistratura, deve dizer-se que perderam uma belíssima ocasião para um silêncio que é de ouro...porque os casos de Pinto Monteiro e Noronha Nascimento que nunca suscitaram uma observação dos ditos sindicatos, a não ser o do MºPº de A. Ventinhas que foi contundente e certeira, deixam muito a desejar quanto a essa intervenção de cidadania...

A. Ventinhas disse então coisa mais grave do que Paulo Rangel acabou de dizer e nada se passou em conformidade com a denúncia, a não ser uma alusão nos media, sempre de acordo com as versões do costume. Há crimes adormecidos no Código Penal, como disse então a "catedrática de direito penal", Fernanda Palma...
De resto, aquando dos acontecimentos de Novembro de 2014, com a detenção e subsequente prisão de José Sócrates, tínhamos já declarações de anões e silva, muito características do que é efectivamente o PS no que respeita à Justiça: um partido à margem  que através desse porta-voz oficioso considerava que a prisão daquele punha em causa o Estado de Direito.


23 comentários:

zazie disse...

Estas é que são as grandes vergonhas de que não se fala.

Porque isto não apenas partidarite- é manipulação do Estado de Direito.

zazie disse...

E depois ainda vem o hajpachorra com aquela conversa de talho que é problema de formação geracional e que o Sócrates até é um exemplo de um tipo verdadeiramente democrático.

Há imbecilidades que ultrapassam tudo.

Isto é que é ser-se democrata?

Estas merdas da escardalhada é que são o exemplo de como são eles os democratas porque o resto é autoritário e não respeita ninguém?

rui verde disse...

Não tenho qualquer dúvida que Paulo Rangel tem razão e que José Sócrates gozou de uma impunidade inacreditável enquanto foi primeiro-ministro, tendo chegado a condicionar de forma mais ou menos velada as principais figuras do poder judicial. E acharia que o tema do controlo político (ou não) da justiça deveria ser discutido na campanha eleitoral e não varrido hipocritamente para baixo do tapete.

Floribundus disse...

a rataria voraz afia os dentes e apresenta olhos esbugalhados
até os da Casa Pia

os cucos sempre se instalaram no ninho dos outros

a ditadura do ps manter-se-á inalterável
'todos têm o seu preço'

do direito de estado ao terrorismo do mesmo

estive a ler em Castelhano a entrevista do barreirinhas a Oriana, porque a censura não permitiu a saída na edição portuguesa

mais um que pensava ser ddt

BELIAL disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Kaiser Soze disse...

Eu até concordo com o pequeno napoleão...mas gostava de saber onde andam, pelo menos, os amigos do Cavaco, que não são Rosa.

aguerreiro disse...

Eu duvido sempre de gajos muito circunspectos e vestidos de saiote preto, como o pecado , desde a gargoleira até aos artelhos. Por baixo destas abaias nunca se sabe o que trazem: eu cá tenho uma teoria: As donas trazem só cuequinha "fio dental" e os senhores esses andam de "bicho solto". E é o que temos!

josé disse...

Está a ver, sei lá, a Cândida de Almeida nesses preparos? E o Noronha quando ainda desembargava no Porto?...

Lura do Grilo disse...

O Souto Moura foi linchado em praça pública e Cunha Rodrigues foi anjinho da guarda ou acontecia-lhe a mesma coisa.

altaia disse...

A Opus Day no seu eplendor ambém serão onvidados da quinta da coelha?

Ou amigos do Embaixador enjaulado

josé disse...

"O Souto Moura foi linchado em praça pública e Cunha Rodrigues foi anjinho da guarda ou acontecia-lhe a mesma coisa. "

Bem observado, mas o Cunha Rodrigues não precisou de engolir sapos...

Floribundus disse...

jornalismo indústria dos lobbies Net

Nos EUA, são críticos importantes do lobby o ex-presidente Jimmy Carter, autor de Palestina: Paz, Sim. Apartheid, Não ;[5] o embaixador Charles Freeman; Norman Finkelstein, autor de A Indústria do Holocausto; e os professores John J. Mearsheimer e Stephen M. Walt, autores de The Israel Lobby and U.S. Foreign Policy ("O lobby israelense e a política externa dos Estados Unidos").[6] Na França, destaca-se o filósofo Roger Garaudy, autor do opúsculo antissionista The Founding myths of modern Israel. Na Inglaterra, o historiador Ilan Pappé, autor de Ethnic Cleansing in Palestine ("Limpeza étnica na Palestina"), que conta a trágica história de expulsão, assassinatos e brutalidades cometidos por organizações terroristas sionistas, como o Irgun, o Haganah e a Gang Stern, contra a população palestina, na época de criação do Estado de Israel (1947/1948)[7] ......

A Neturei Karta, uma ativa organização judaica que se opõe ao sionismo por considerá-lo contrário aos preceitos do judaísmo,[8] também critica a atuação do lobby sionista. No seu website, a organização refere-se aos "vultosos recursos que o lobby sionista investiu para destruir carreiras de políticos dos Estados Unidos que tivessem manifestado reservas acerca da subserviência desta nação a Israel."[9]

Maria disse...

Eis a representação da maldade na sua mais pura essência. Eis retratados os facínoras que destruiram Portugal e mandaram assassinar a sangue frio milhões de portugueses inocentes.

Eis projectado nesta imagem o exemplo acabado do verdadeiro Mal. Nela só faltam dois dos já falecidos que também a personificaram, Rosa Coutinho e Melo Antunes e mais um que ainda está vivinho da costa, Balsemão, para o bando diabólico ter ficado completo.

Mas há uma pergunta que continua a pôr-se: como é que, passadas quatro longas décadas, gente que tanto mal fez a Portugal e a este Povo continua a comandar o seu destino nas ante-câmaras do poder sem o mínimo rebuço nem pitada de vergonha nos focinhos? E para piorar este filme de terror em que os portugueses continuam a ser interpretes involuntários sem jamais terem tido voto na matéria, só faltava a injustiça das injustiças, todas estas malditas criaturas vão morrer de velhice sem terem sido julgadas e punidas pelos gravíssimos crimes cometidos.

Mas os traidores que se cuidem, têm-se esquivado até hoje à justiça terrena, porém o mesmo não acontecerá quando passarem à outra vida, lá onde "todo o Mal será castigado" a Justiça Divina os julgará, porque, fiquem bem cientes, a esta nenhum ser humano escapará.

JC disse...

Está aqui também no "youtube" como é que as investigações aos poderosos são atacadas quando o PS está no governo.

https://www.youtube.com/watch?v=wDcylx3ne4U

O Ferro Rodrigues até se estava a cagar para o segredo de justiça.

Floribundus disse...

os lobbies (lobos) são uma praga

sovietes: jornalistas, socialistas, construsson sibil, médicos, procuradores, juízes, financeiros, predadores (sardinha), leite, etc

o tó monhé do estado social tendencialmente gratuito
quer financiar a segurança social com as portagens das auto-estradas
o gajo é o tarado das taxas

nem com viagra o estado se endireita

hajapachorra disse...

Imbecilidades, ó caríssima, é fazer o favor de não entender uma demasiado óbvia nota irónica. Os Terâmenes são produto típico da democracia. Quanto à questão geracional, simplesmente não é geracional mas apenas azar: muita gente foi educada de forma autoritária, em casa, na escola, na rua, no emprego. Azar. Aqui não há mérito. Há boas pessoas e filhos da puta em todas as idades, mas democratas com mais de 55 anos em Portugal não conheço. Um tipo que chegou aos 55 sem ginasticar os músculos por mais que queira nunca será um atleta. Ligue o disco antes de espingardear. Nunca lhe chamei inbecil porque respeito todas as formas de vida inteligente, mesmo neste zoo de picantropos.

zazie disse...

Dizer que disse uma imbecilidade não é chamar-lhe imbecil.

Compreende tantas coisas e não compreende isto.

Como também não sei como explica a tradição democrática em Inglaterra com a igual tradição autoritária da disciplina familiar e escolar.

Mas enfim. V. confunde sempre tudo porque lá se convenceu que o Estado Novo foi uma forma de governo que existiu desde que existe Portugal e só com o 25 de Abril ficámos mais parecidos com os outros

zazie disse...

Quanto a não conhecer democratas com mais de 55 anos, até tem para aí figuras públicas que preenchem a sua forma de detectar.

Olhe- o Adriano Moreira e a filha.

zazie disse...

Quanto à ironia passou-me mesmo ao lado. De acordo com a lógica disparatada dos parâmetros democráticos até fazia sentido.

O Paulo Portas não é democrata por causa da educação familiar?

Ou é por efeito disso ou a ironia está onde?

zazie disse...

E comentei porque v. deturpou tudo o que o José disse.

O José, tal como eu, nunca defendeu censura alguma.

Pode ser mode de ser. Para mim é até das coisas que mais me incomoda.

Incomoda-me a ideia de doutrinação totalitária.

zazie disse...

V. nunca entende nada porque vem logo com a lengalenga dos aprioris mentais.

Aquilo que o o José defende (e que se opõe ao que dizem os salazaristas mais salazaristas que o próprio) é que a censura em Portugal acabou por tornar o fruto proibido o mais apetecido.

E com isso tivémos depois um PREC e uma esquerda comunista que caiu logo no goto.

Mas defende também que todos os países combateram o comunismo e deu o exemplo da América e da Inglaterra.

Ou seja- era natural que os Estados combatessem o comunismo, perseguissem mesmo os comunistas sem que para isso precisassem de largar a democracia ou a tradição liberal.

Foi isto.

V. nunca sabe ler e comentou dizendo disparates.

josé disse...

A Zazie, como sempre, sintetiza melhor que eu o que pretendo dizer...

Josephvs disse...

hajapachorra:
Sabe se tivesse confiança consigo mandava-o pro caralho ...